4 de julho de 2020
  • 20:50 Dilma denuncia crime de traição nacional pela Lava Jato por ter trabalhado para os EUA
  • 17:01 Pauliceia desvairada: Não é um vídeo do Porta dos Fundos, é a mulher do Dória e uma perua falando dos pobres
  • 14:57 Operação da Lava Jato contra Serra diz mais de Moro, Dallagnol e Carlos Fernando do que do acusado
  • 12:41 Queiroz e mulher fraudam documentos na Alerj e recebem R$ 376 mil em auxílio-educação
  • 11:04 Leandro Fortes: Lava Jato vai para cima do moribundo Serra com uma década de atraso

Augusto Aras já esteve com Bolsonaro mais que o dobro de vezes da antecessora, Raquel Dodge. Desse namoro nasce um parecer de Aras, a pedido de Bolsonaro, defendendo que o STF autorize o retorno de Ramagem à Abin.

A consequência disso impactou fortemente o funcionamento da instituição MPF, segundo o manifesto da maioria dos procuradores que já atingiu a marca de 655 assinaturas pedindo aos congressistas que incluam na constituição o mecanismo da lista tríplice na escolha do Procurador-Geral da República.

Corporativismo à parte, as inúmeras alas entre ideológicas e técnicas, dentro do MPF, embora não façam críticas diretas a Aras, apontam a alça de mira para sua cabeça.

Aras, por sua vez, diz que o manifesto é genérico e esnoba dizendo que nesses termos até ele assinaria o abaixo-assinado.

Por mais que negue que o objetivo do manifesto seja o de atingi-lo, o movimento sabe perfeitamente o tamanho do incômodo gerado na relação de amor, quase paixão, entre o PGR e Bolsonaro.

O que coloca como holofote nessa máquina ideológica montada por Bolsonaro para controlar as instituições no Brasil, coisa típica da política fascista, é a percepção de que o governo move suas peças na disputa pela PGR para ter o controle total do Ministério Público.

Já Augusto Aras diz que, por sua percepção, o movimento dos procuradores contra ele é movido pelo oportunismo e ressentimento. Seja como for, a proximidade de Aras com Bolsonaro, sobretudo nas últimas semanas, tornou o PGR alvo de críticas não só de procuradores, mas da sociedade e da mídia, já que Aras não esconde de ninguém, inclusive com demonstrações públicas, seu alinhamento com Bolsonaro que tira-lhe por completo a autoridade que a independência que o cargo de um PGR exige.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: