12 de julho de 2020
  • 14:52 Pane na latrina: Ana Paula do Vôlei e JR Guzzo se fazem de mortos com a libertação do casal Queiroz
  • 19:12 O Globo quer “perdoar o PT” por ter cometido o crime de tirar 40 milhões da miséria
  • 16:23 O pedido de perdão ao PT pelo Globo é mais um sinal de que a direita faliu e pede socorro
  • 13:58 Procuradores da Lava Jato têm medo porque sabem o que fizeram no sábado à noite, diz Gilmar Mendes
  • 11:35 Esse era o “exemplo de cidadania contra a corrupção” que deu golpe em Dilma

O Brasil se tornou o país de maior expansão da pandemia de Covid-19 no mundo, superando os Estados Unidos em maior número de novos mortos nesta semana. A curva só sobe.

Essa é a imagem de uma tragédia anunciada, mas que não seria inevitável se o Brasil não tivesse na liderança um presidente com valores assassinos.

Um país que, em plena pandemia, vê seus governantes investindo numa espiral de violência exposta nos trajes tanto do presidente da República, quanto no de um dos chefes do ministério da Saúde não poderia dar em outra coisa do que um país ser citado em manchetes internacionais da pior maneira possível, seja por estimular e facilitar a venda de armas e munições para as milícias, seja pela manobra criminosa de impedir a divulgação de dados da pandemia da Covid-19.

Nessa imagem, há ainda um detalhe sórdido, para não dizer macabro. Ronnie Lessa, vizinho de Bolsonaro e assassino de Marielle, a quem Bolsonaro jura não conhecer, tinha em sua posse 117 fuzis que, segundo a polícia carioca, representa a maior apreensão de armas de fogo da história do Rio.

Talvez seja por isso que o número 2 do ministério da Saúde do governo Bolsonaro, Elcio Franco Filho, ostente um broche de uma caveira em homenagem também a Ronnie Lessa, que era do Bope, que tem justamente uma caveira como símbolo.

O fato é que, no Brasil, as escolhas políticas da classe dominante tem se revelado cada dia mais espúrias, e isso assusta mais do que a atual tragédia brasileira, porque empresários inescrupulosos e militares servis ao mercado tenham ocupado cada vez mais lugar de destaque para trabalhar contra o próprio país e contra seu próprio povo.

O Brasil vem sendo progressivamente espremido pelas sucessivas aberrações da classe dominante, desde o golpe em Dilma.

A pergunta que se faz é, o governo Bolsonaro, que é uma catástrofe cada vez mais repugnante aos olhos da sociedade, marcará com sua falência o fim da era do ódio ou representará uma curva em ascendência do fascismo no Brasil patrocinada pela elite?

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: