14 de agosto de 2020
  • 11:21 Como a Rússia desenvolveu a vacina contra COVID-19 tão rápido e quem poderá tomá-la
  • 10:19 Datafolha mostra apenas que Bolsonaro pega carona, em pelo, na garupa de Lula
  • 20:34 Queiroz e Marcia Aguiar, sua mulher, voltam para prisão e chão do Palácio do Planalto treme
  • 18:30 Vídeo: Polícia de Minas Gerais ateia fogo no quilombo Campo Grande
  • 17:17 Governo Bolsonaro envia relatório fake a ONU

Como disse Henfil, se um determinado acontecimento não virar notícia na grande mídia, então o fato não aconteceu. Mas se um fato não aconteceu e a grande mídia inventar o fato, então, ele aconteceu.

Essa é a lógica padrão do processo de manipulação da imbecilização pela mídia no mundo, mas principalmente no Brasil, tendo a Globo como âncora. É o padrão Globo de jornalismo, como fez há pouco tempo com a Lava Jato quando criou sua série policial com Moro e, nela, atacou inimigos e protegeu amigos, sem muita cerimônia.

Sim, estamos falando do caso do PT e do PSDB e da maneira como Moro e seus mandados atuavam em consonância com a Globo.

Mas há um terceiro processo, que são os crimes cometidos pelos próprios procuradores e o ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro. Sim, porque se a coisa tinha que seguir um roteiro midiático, este não obedecia a um processo judicial, a uma investigação normal, foi o tempo todo baseada em ficção e, para dar alguma veracidade à narrativa, a Lava Jato teve que atropelar as leis que Moro dizia usar para combater a corrupção.

Balelas e plumas à parte, em determinado momento a esbórnia era tão grande que Moro, achando que podia tudo, em pleno depoimento de um acusado da Lava Jato, vazou em tempo real  para o Antagonista de Mainardi, só parando a transmissão quando um advogado, certamente avisado por alguém de fora da sala do juiz, alertou ao próprio Moro sobre o cambalacho montado por ele e Mainardi, tendo que encerrar aquele ato criminoso, mas nunca respondeu por ele.

O sujeito ainda quis pagar de defensor da legalidade quando se deparou com a Vaza Jato do Intercept que descortinou ponto a ponto, a granel, uma organização criminosa que agiu por atacado, não propriamente contra o PT, Lula ou Dilma, mas contra a Constituição e, acima de tudo, contra a sociedade que paga os salários privilegiados dessa turma.

Então, esses assuntos, por exemplo, neste domingo, foram censurados na entrevista com Moro, avisando que ele é por inteiro um calcanhar de Aquiles de tão bichada que é a sua moral.

Lógico que Maia, quando disse, minutos antes da entrevista de Moro, que a Lava Jato nunca explicou a descarada tentativa de roubo da república de Curitiba aos cofres da Petrobras no valor de R$ 2,5 bilhões, que daria para comprar mais de mil triplex no Guarujá como aquele atribuído a Lula, Maia estava cobrando que tal pergunta deveria ser feita a Moro pelos seus entrevistadores, o que não aconteceu.

Somente esse fato dá para ter uma ideia da extensão inequívoca do tipo de bandido que comandava e operava a Lava Jato. Mas a Globo, seguindo as suas regras, não entregaria de bandeja para o PT esse assunto.

Valdo Cruz, Andreia Sadi e Heraldo Pereira pularam mais essa sobre a reportagem publicada, em parceira da Agência Pública com o Intercept, sobre o crime cometido pela Lava Jato contra a Segurança Nacional na sua parceria com o FBI, confirmando o que muitos já diziam, que a Lava Jato operava a partir dos interesses do EUA.

Sobre as turras que vivem hoje os procuradores de Curitiba e a PGR, Moro propôs um acordo para dar um abafa no caso sem mencionar do que se trata, já que levantar a tampa do bueiro, o fedor seria inevitável.

Sobre a devassa nas casas de José Serra e de Ronaldo Cesar Coelho pela Lava Jato, nem pensar. Nada foi perguntado e, consequentemente nada foi respondido, até porque Serra é historicamente um velho aliado da grande mídia e Ronaldo Cesar Coelho é dono da TV Rio Sul, uma das afiliadas da Globo na região Sul Fluminense.

Mas, combinado com o pateta Heraldo Pereira, com risinhos de deboche, este puxava o assunto sobre Lula e o PT para Moro fazer seu circo pobremente romanceado para criar uma falsa rivalidade entre um medíocre provinciano sem estofo sequer para ser juiz de 1ª instância com Lula, um estadista respeitado no mundo inteiro e que teve seu governo por dois mandatos aprovado por mais de 90% da população brasileira.

Se não fosse a bandalha da Lava Jato, que prendeu Lula para dar a presidência a Bolsonaro para Moro se tornar ministro dando start a sua vida política, Lula venceria no 1º turno.

O fato é que, para a Globo conseguir o que ela quer, transformar Moro num segundo Collor, terá que suar muito a camisa, porque a vida desse sujeito consegue ser mais cagada que a de Bolsonaro e ninguém vai dar mole pra esse falso moralista que, ontem, mostrou que quer passar recibo de otário para o povo brasileiro.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. Pingback: Entrevista de Moro à Globonews valeu mais pelos assuntos previamente censurados – Antropofagista | THE DARK SIDE OF THE MOON...
  2. Afonso Schroeder Posted on 6 de julho de 2020 at 15:40

    TVs do Brasil vamos ventilar a verdade “ex-juiz-Moro” é descumpridor da CF/88, mentiroso e traidor do povo brasileiro comprovado pela INTERCEPT porque omissão da verdade? Cadeia já ao “ex-juiz Moro”.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: