14 de agosto de 2020
  • 10:19 Datafolha mostra apenas que Bolsonaro pega carona, em pelo, na garupa de Lula
  • 20:34 Queiroz e Marcia Aguiar, sua mulher, voltam para prisão e chão do Palácio do Planalto treme
  • 18:30 Vídeo: Polícia de Minas Gerais ateia fogo no quilombo Campo Grande
  • 17:17 Governo Bolsonaro envia relatório fake a ONU
  • 14:37 Soro produzido com plasma de cavalo tem anticorpo até 50 vezes mais potente contra a Covid-19

Como bem disse Lula, o que foi julgado pela Lava jato foi seu projeto político em que o povo era o objetivo central das ações do seu governo.

Na verdade, tudo partia daí. Como bem disse a economista Maria da Conceição Tavares, “Lula é parte do povo”. Parafraseando Florestan Fernandes, feio no Brasil não é ser contra os pobres, é se dizer contra os pobres. E a direita nunca teve coragem de assumir isso, assim como nunca teve coragem de assumir o seu racismo latente, mesmo que seus quadros políticos escancarem isso.

O fato é que, ao contrário do que parece, a sociedade derrotou a direita. Foi preciso ela usar como último recurso dois golpes jurídicos para tirar o projeto eleito pelo povo quatro vezes e que seria eleito pela quinta vez, com Lula, de forma acachapante.

Certamente, alguém com lucidez e minimamente pragmático dentro da direita, sabe disso, e não é de agora, afinal, desde que Lula assumiu o governo até os dias que correm, já se passaram 18 anos e a direita não conseguiu arrumar nada, sequer um discurso que se defrontasse com o projeto político do PT para tirar-lhe o poder na bola, porque inevitavelmente teria que assumir o que de fato a direita é no Brasil, uma frente antipovo, antipobre, comandada por uma oligarquia tosca que vive ainda no século XIX e que, através da imagem de Bolsonaro, genuíno representante dessa casta, assombra o mundo.

Ainda ontem, João Otávio de Noronha, o presidente do STJ e o presidente da República, Jair Bolsonaro expuseram, de forma cristalina, o nível de promiscuidade daquilo que se chama de República nesse país, depois do golpe em Dilma e da prisão de Lula, porque eles representam a própria esbórnia em que se transformou o judiciário, da primeira à última instância, de Moro à Cármen Lúcia ou Joaquim Barbosa ou mesmo Ayres Britto, certamente passando pelo TRF-4 que, sob as ordens de Moro, condenou e ampliou a pena de Lula. Isso feito num tempo recorde, praticamente o mesmo tempo que Noronha levou para soltar Queiroz e sua mulher fugitiva.

Mas, na realidade, falar dessa gente, é falar de cachorro magro, pois o grosso está mesmo na cúpula do PSDB e dos barões da mídia que são, na verdade, a diretoria da esbórnia nacional. Por isso, o escândalo de Serra demorou menos tempo na TV do que o trajeto da libertação de Queiroz sob os flashes e holofotes da grande mídia.

Tudo isso mostra que não precisa ser muito otimista para afirmar que a direita está num mato sem cachorro e, quanto mais se move, mais carrapicho junta em sua roupa, porque somatiza a cada dia mais e mais lambanças para continuar respirando aos trancos e barrancos.

É exatamente o que Lula disse a Moro, “vocês contaram uma mentira e a cada dia tem que contar uma maior para sustentar a anterior”. E a coisa explodiu, até porque, nesse caso, o Moro, que aqui é citado é o mesmo que prendeu Lula sem provas para Bolsonaro sentar na cadeira da presidência, e Bolsonaro é o mesmo que comprou o presidente do STJ, com a promessa de uma vaga no STF, para livrar a cara de Queiroz e sua mulher. Sem falar nas mais de 70 mil mortes por Covid-19, pelas quais Bolsonaro é o grande culpado.

Já Moro, como todos sabem, foi ministro da Justiça e Segurança Pública desse mesmo Bolsonaro, o que mostra como esse rodamoínho de vigaristas, pilantras e picaretas gira em torno de si mesmo, revelando que a direita não tem qualquer projeto para oferecer à sociedade que não seja a bandalha neoliberal de Paulo Guedes, como foi a de FHC e de Temer e a corrupção que se viu no governo de ambos e no governo de Bolsonaro.

Todos com a participação obsequiosa do aparelho judiciário brasileiro, o mesmo que foi peça central nos golpes contra Dilma e Lula, usando somente métodos diferentes.

Por isso, quando sobra apenas a acusação ridícula de que Lula é “ladrão”, a direita se confessa derrotada pelo projeto do PT

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. __ (@esfera_celulose) Posted on 11 de julho de 2020 at 14:17

    Incrível que ainda não tenha começado a famosa chuva de ofensas bolsominianas, rsrs
    Parabéns pela análise.

    Reply
  2. Pingback: O pedido de perdão ao PT pelo Globo é mais um sinal de que a direita faliu e pede socorro - Bem Blogado
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: