14 de agosto de 2020
  • 10:19 Datafolha mostra apenas que Bolsonaro pega carona, em pelo, na garupa de Lula
  • 20:34 Queiroz e Marcia Aguiar, sua mulher, voltam para prisão e chão do Palácio do Planalto treme
  • 18:30 Vídeo: Polícia de Minas Gerais ateia fogo no quilombo Campo Grande
  • 17:17 Governo Bolsonaro envia relatório fake a ONU
  • 14:37 Soro produzido com plasma de cavalo tem anticorpo até 50 vezes mais potente contra a Covid-19

Gilmar Mendes disse o que tem que ser dito, “incomodou Forças Armadas por ‘bater em perna quebrada’ do governo”

Tem alguma mentira nisso?

Gilmar, que disse que o Exército se associou a um “genocídio”, ao falar sobre a condução do governo frente à pandemia do coronavírus, só falou da ponta do iceberg.

O governo militar de Bolsonaro fracassou desgraçadamente em todas as áreas.

O que essa turma esperava?

Curvar-se por 3 mil cargos a um capitão expulso do exército por sabotagem e picaretagem, poderia dar certo?

Além de toda a tragédia humana promovida pelo governo Bolsonaro, que já resultou na morte de mais de 72 mil brasileiros destroçando o mesmo número de famílias, esse governo é uma balbúrdia civil-militar, mais militar que civil e mais miliciana que militar. Deu no que deu.

Os militares (da reserva e da ativa) mostram, mais uma vez ao país a incapacidade de governar o Brasil.

Diante do caos e sem ter a mínima ideia de como estimular o consumo e os investimentos, a direita promove a autofagia.

Investidores estrangeiros retiram mais de R$ 80 bilhões da Bolsa neste ano e as perspectivas de retomada da economia brasileira, são nulas.

O Brasil, novamente, está à deriva, num atoleiro neoliberal como nas eras FHC e Figueiredo.

Gilmar Mendes somente pontuou o que é mais dolorido para todos os brasileiros, principalmente quando se pensa em quantas vidas foram ceifadas por um genocida que, por um jogo sujo para livrar os filhos da cadeia, fez tudo o que os banqueiros queriam e, com isso, mantém-se na cadeira e barganha, como barganhou, por exemplo, a libertação de Queiroz e esposa em troca da uma promessa da vaga de Celso de Mello no Supremo em novembro.

Mendes relatou que recebeu com “tranquilidade” a informação de que será acionado na Procuradoria-Geral da República (PGR) pelo Ministério da Defesa e deu de ombros: Os militares e o governo estão numa “posição muito frágil”, por terem deixado a pasta da Saúde ser tomada por integrantes das Forças Armadas, cutucou o ministro do STF.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

3 COMMENTS

  1. Hilton Ferreira Magalhães Posted on 14 de julho de 2020 at 11:09

    A essência disso, e não merece outra interpretação, é que as nossas forças armadas são instituições do Estado Brasileiro!

    Reply
  2. João Vieira Posted on 14 de julho de 2020 at 16:00

    O ministro do supremo, Gilmar Mendes, está muito longe de se parecer um ursinho de pelúcia da cabeceira de qualquer menininha de três anos de idade. Mas quando comparado ao generalato brasileiro, ele é quase um filhote de panda. Gilmar Mendes que um dia o FGAGÁC chegou a dizer que era um homem corajoso, na realidade um bugio sem noção.
    Esta imundície fardada, sempre bateu continência para a nação mais canalha, mais assassina, mais beligerante, e a mais saqueadora das riquezas dos povos desprotegidos e daqueles que como o Brasil, cuja parcela da sociedade de punhos de rendas, mancomunadas com a toga e a farda, lhes veneram priapo. Aliás, punhos de rendas, togas e fardas estas, com ajuda providencial do jornalismo mais nefasto que uma nação já, que nos enfiaram na encalacrada que hora vivemos. oxalá nos proteja.

    Reply
  3. Pingback: Gilmar Mendes dobra a aposta sobre militares: incomodou porque bateu em perna quebrada do governo – Antropofagista | THE DARK SIDE OF THE MOON...
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: