12 de agosto de 2020
  • 19:34 Bolsonaro está entre a cruz e a caldeirinha
  • 16:56 Apoie o Blog Antropofagista
  • 15:29 Juíza do Paraná condena réu negro e cita raça como justificativa
  • 13:42 Gabinete de Jair Bolsonaro abasteceu organização criminosa por meio da filha de Queiroz, indicam extratos bancários
  • 11:28 TCU: Com verba pública, Bolsonaro favorece as TVs aliadas, SBT e Record

No país do faz de conta, aonde aceita-se até uma facada sem sangue e sem cicatriz, também há limites para determinadas práticas hipócritas.

Todos sabemos que o general Augusto Heleno é o integrante da cúpula do governo que goza de maior prestígio com Bolsonaro. Não é diferente o caso de Fabrício Queiroz no lado sombrio do submundo do presidente. Bolsonaro acaba de dar uma mostra de que não se abandona um amigo ferido, principalmente quando esse amigo tem muito a falar. Pior ainda é quando a mulher desse amigo também pode dar com a língua nos dentes.

A questão é como se dá a pororoca entre o universo de Queiroz, a milícia e o universo de Augusto Heleno e as Forças Armadas dentro do governo e como esses dois generais, que dão sustentação a Bolsonaro, se bicam.

Qual é o acordo firmado para que um general das Forças Armadas sirva a um governo que tem na outra ponta o comando de um general da milícia envolvido com esquema criminoso do clã Bolsonaro que é ligado a Adriano da Nóbrega e seus familiares, que era ligado a Ronnie Lessa, vizinho de Bolsonaro, assassino de Marielle e traficante internacional de armas?

Um não sabe da existência do outro? Com qual deles Bolsonaro gasta mais tempo para se manter de pé?

Todas essas perguntas precisam ser feitas, porque não é possível que alguém acredite que o país possa caminhar na base do faz de conta, quando o general Augusto Heleno faz de conta que não sabe que Bolsonaro comprou a liberdade de Queiroz e de sua esposa foragida com uma cadeira no STF.

E Heleno ainda acha ruim quando Gilmar Mendes, ministro do STF, expõe a relação umbilical entre as Forças Armadas, que tem 3 mil militares da ativa no governo Bolsonaro com a política trágica que promove um verdadeiro massacre da população pela associação de Bolsonaro com o coronavírus, tendo um general da ativa no comando do Ministério da Saúde.

Está mais do que na hora das coisas serem colocadas em pratos limpos, se a essa altura do campeonato ainda há alguma forma de limpar os pratos.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. Pingback: Os homens de confiança do presidente: Queiroz e Augusto Heleno, aonde começa um e termina o outro? #MilitaresGenocidas – Brasdangola Blogue
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: