4 de agosto de 2020
  • 10:35 Porque Maia votou pelo golpe em Dilma, elogiou Temer e protege o genocida Bolsonaro
  • 20:46 O Antropofagista precisa do seu apoio
  • 19:10 Globonews entra em êxtase com a decisão de Fachin de blindar a Lava Jato
  • 17:43 Novo caso Marielle ou Adriano da Nobrega? Delegada que prendeu guru do MBL, foi baleada em casa
  • 15:49 Fachin revoga decisão de Toffoli que autorizou a PGR a acessar dados da Lava Jato.

Ora, assim que surgiu a notícia de que, possivelmente em setembro terá a votação no Congresso de uma lei que exigirá quarentena de 8 anos para ex-juízes como Moro se candidatarem a qualquer cargo político, a Globo, que não esconde mais de ninguém que tem Moro como principal opção para apoiar numa eventual candidatura à presidência da República em 2022, correu para convocar especialistas e avisar que, mesmo que isso ocorra, não pode haver nenhuma condenação que impeça, de forma retroativa, um juiz de participar do pleito eleitoral.

O irônico da história é que a lei da ficha limpa, tão aplaudida pelo ex-juiz, proprietário da Lava Jato, por ter de fato tirado Lula do pleito de 2018, teve validade retroativa, decidida pelo STF.

Ou seja, Toffoli, que está em parceria com Maia para colocar em votação a lei da quarentena, pode perfeitamente bem utilizar os mesmos meios da lei da ficha limpa para, também, validar nos mesmos moldes a retroatividade da nova lei para magistrados.

É bom o xerife de Curitiba colocar as barbas de molho, porque pau que deu em Lula, pode dar em Moro.

 

*Da redação

 

 

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. hiltonferreiramagalhes Posted on 30 de julho de 2020 at 14:47

    O Brasil é um país que se notabiliza por casuísmo de ocasião para atender os interesses de quem está no poder. Vide o caso vergonhoso, independentemente de ter culpa ou não, da interferência do sr. Moro para tirar o Lula de uma possível concorrência para presidente nas últimas eleições. Damos também como o exemplo a famigerada e milagrosa reforma previdenciária que “tungou” dos já aposentados um percentual de seus proventos que jamais verão a cor desse dinheiro. Quer mais casuísmo do que esse? Agora, o ministro Tofolli quer agir de forma semelhante no que tange à lei que proíbe a candidatura de juízes a um cargo político por 8 anos, que ainda tem um longo caminho a percorrer para a sua aprovação. Quem deve estar com as barbinhas de molho, concordo, é o sr. Moro para retirá-lo de uma futura candidatura que prejudicaria à do sr. Bolsonaro.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: