30 de novembro de 2020
  • 23:11 Cai a máscara do cínico: Moro será sócio de consultoria que administra a quebra da Odebrecht e da OAS
  • 20:17 A vitória de pirro da direita
  • 17:22 Por que o Ibope, sem justificativa, cancelou as pesquisas de boca de urna?
  • 15:54 A bela união das esquerdas já vale qualquer resultado
  • 13:18 Globo, que cresceu de braços dados com a ditadura, não aceita Lula por ter afrontado os ditadores

O pesquisador da Universidade de Lethbridge, Igor Kovalchuk, está liderando um estudo sobre a maconha medicinal como uma terapia potencial para o COVID-19.

Os extratos de cannabis estão mostrando potencial para tornar as pessoas mais resistentes ao coronavírus, diz pesquisador que lidera um estudo.

“Vários deles reduziram o número desses receptores (vírus) em 73%, a chance de entrada é muito menor”, disse Kovalchuk.

“Se eles podem reduzir o número de receptores, há muito menos chances de serem infectados.”

Empregando cepas de cannabis sativa nos últimos três meses, o pesquisador disse que o equilíbrio efetivo entre os componentes de cannabis THC e CBD – o último mais tipicamente associado ao uso médico – ainda não está claro no bloqueio do novo coronavírus.

O cientista enfatizou que as descobertas não levariam a uma vacina, mas no entanto, outra arma possível contra o COVID

“Dada a atual situação epidemiológica terrível e em rápida evolução, todas as oportunidades terapêuticas possíveis devem ser consideradas.”

 

*Da redação

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: