19 de setembro de 2020
  • 21:47 Começa a cair de vez a máscara de Moro, Bretas e de toda a Lava Jato
  • 18:38 PF intima Moro para depor no inquérito dos atos antidemocráticos
  • 17:39 Gilmar Mendes dá cinco dias para Bretas explicar operação contra advogados
  • 16:50 Feitiço contra o feiticeiro: Fumaça do Pantanal faz avião de Bolsonaro arremeter em MT
  • 14:20 Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, vai a Roraima discutir a Venezuela

O pesquisador da Universidade de Lethbridge, Igor Kovalchuk, está liderando um estudo sobre a maconha medicinal como uma terapia potencial para o COVID-19.

Os extratos de cannabis estão mostrando potencial para tornar as pessoas mais resistentes ao coronavírus, diz pesquisador que lidera um estudo.

“Vários deles reduziram o número desses receptores (vírus) em 73%, a chance de entrada é muito menor”, disse Kovalchuk.

“Se eles podem reduzir o número de receptores, há muito menos chances de serem infectados.”

Empregando cepas de cannabis sativa nos últimos três meses, o pesquisador disse que o equilíbrio efetivo entre os componentes de cannabis THC e CBD – o último mais tipicamente associado ao uso médico – ainda não está claro no bloqueio do novo coronavírus.

O cientista enfatizou que as descobertas não levariam a uma vacina, mas no entanto, outra arma possível contra o COVID

“Dada a atual situação epidemiológica terrível e em rápida evolução, todas as oportunidades terapêuticas possíveis devem ser consideradas.”

 

*Da redação

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: