Categorias
Opinião

Manifestação na Paulista foi um retumbante fracasso, isso tem que ser dito com todas as letras

A maior quantidade de pessoas que Bolsonaro conseguiu levar à Paulista, foi no 7 de setembro de 2021, que foi contabilizado oficialmente como 125 mil pessoas.

Quando se compara as imagens aéreas dessa manifestação, que foi a maior, com a deste domingo, que foi menor do que a de 2022 que, segundo fontes oficiais, deu 35 mil pessoas, pode-se afirmar com a mão na consciência, sem medo de errar, que não há malabarismo artístico capaz de mudar a fisionomia do fracasso, nem utilizando todos os clichês de um romancismo bolsonarista.

Não é uma interpretação teórica da força política de Bolsonaro na atualidade, mas, se comparar o número de manifestantes deste domingo, 25, com o passado recente do bolsonarismo, que sonhava em dar golpes sobre golpes, num grande plano para se eternizar no poder, é possível, com um mínimo de boa vontade, estabelecer uma medida diametralmente oposta ao Bolsonaro, dentro e fora do poder.

Não se trata de uma equação complexa, convenhamos. O poder deu a Bolsonaro a possibilidade de fazer acordo com o inferno, que só funciona na base da propina, do orçamento secreto e de todas as modulações de picaretagens das quais ele lançou mão, via cofres públicos, para tentar se reeleger, mas fracassou.

Não é sem motivos que Bolsonaro, na Paulista, apareceu não só pouco inspirado para seu próprio público, como também acabou resultando numa espécie de “autogolpe”, já que deu com a língua nos dentes, confessando alto e em bom som, que sim havia uma relação íntima entre a minuta do golpe e o próprio, na busca por uma saída golpista para sua derrota.

Então, não há outra forma de sintetizar o que se viu neste domingo na Paulista, que não seja a palavra fracasso não assumido pelos fracassados, assim como a derrota nas urnas, não assumida pelos derrotados.

Diferente disso, o drama de Bolsonaro piorou, ficou mais explícito, lógico, rumo a um desfecho dramático no sentido da condenação e prisão.

Categorias
Opinião

Afundado num pântano, se Bolsonaro ficar calado, afunda, se falar, afunda também

A manifestação, convocada no atropelo, foi a suposta saída, a de buscar uma estratégia que anulasse uma transparente prova material de sua autoria na tentativa de golpe de Estado, que acabou não ocorrendo antes da eleição de 2022, talvez pela esperança da vitória, mas que acabou chegando às vias de fato no dia 8 de janeiro, logo após a posse de Lula.

Em função da violência empregada pelos prodigiosos terroristas do bolsonarismo mais radical, a tentativa de explosão de uma bomba, diante dos olhos do Brasil, no aeroporto de Brasília, no dia da diplomação de Lula, certamente não estava desprovido de apoio de Bolsonaro..

Na verdade, Bolsonaro, que nunca teve qualquer grandeza, não teria, após sua derrota e apresentaria suas armas, experimentando em cada ação sublinhada pela violência e fixando preliminarmente uma ação programática alheia à legalidade.

Bolsonaro foi o arquiteto do conjunto da obra golpista, não em somente um movimento, mas em vários, uns mais, outros menos tradicionais. Tudo feito com a colaboração de seus mais próximos aliados.

Toda aquela dramaticidade, na busca por uma solução violenta, cantada como pedra por Bolsonaro, por perceber que seria derrotado, está longe de ser uma exceção, ao contrário, sempre esteve consciente de que, mesmo de forma delirante, não tinha outra saída para se manter no poder sem ser através de alguma forma de golpe.

Isso, mesmo sem uma técnica propriamente dita, ficou indubitavelmente explícito naquela reunião ministerial em que ele tinha como conceito final o golpe em estado puro.

Assim, Bolsonaro imaginou que, através de uma manifestação barulhenta que viesse a ocorrer, sem cartazes e frases de guerra contra o Supremo, os efeitos contra a sua prisão seriam facilmente alcançados, como quem se acha a própria divindade, um semideus, um herói mítico que, tendo o povo como instrumento, a qualquer momento poderia enfrentar o judiciário e, com isso, extinguir qualquer prova de culpa.

No entanto, Bolsonaro, hoje, chegou na Paulista de um jeito e saiu da manifestação do mesmo jeito, o que lhe reduziu o tamanho, porque afundou ainda mais no pântano e o colocou mais perto da prisão.

Categorias
Opinião

Globo acusa Lula do que ele não disse para tentar sobrepor o que ele disse sobre o genocídio em Gaza

Quando vejo os comentaristas da Globo atacando Lula de forma cretina e criminosa por algo que ele não falou, quando na Etiópia, na tentativa de abafar o genocídio em Gaza, praticado pelos sionistas de Israel, vem-me à lembrança uma fala do grande Henfil sobre o perigo da informação como produto tóxico, presente na receita manipuladora da Globo, que diz o seguinte: se algo não acontecer, e a Globo diz que aconteceu, então, é verdade.

Mas se algo acontecer e a Globo não diz que aconteceu, então, é mentira.

Essa é uma técnica muito utilizada pelos sionistas, que estão até o intestino na manipulação da Globo, e não é de agora.

No auge da indústria cultural de massa, em que a cultura era um mero produto nas mãos da nefasta prática cultural, Nelson Mota, o mais destacado propagandista de quinquilharias musicais no Brasil, sobretudo do lixo musical importado ou copiado dos EUA e Europa, tinha como mantra a seguinte canalhice para justificar a segregação da música brasileira de qualidade, segregados pela Globo que é a principal representante do lixo cultural que ganha holofotes no país.

Então, a frase era, quem não fez sucesso até hoje, é porque é ruim. Ou seja, quem não está na agenda de emburrecimento e idiotização das massas, é por culpa do próprio artista.

Pois bem, é esse tipo de canalhice que Demétrio Magnoli e, em parte, Eliane Cantanhêde utilizaram para propagar mentiras sobre a fala de Lula para omitirem a fala contundente do presidente contra o genocídio repudiado no mundo todo.

o Estado de Israel pratica em Gaza e que, cinicamente, o monstruoso sionista, Benjamin Netanyahu, confessou, dizendo que não reconhece qualquer possibilidade de um Estado da Palestina independente e que a ocupação por Israel territorial de Gaza e Cisjordânia, é o projeto real de limpeza étnica, um massacre inominável, indescritível, que ocorre em tempo real para os olhos aterrorizados da comunidade internacional.

Nunca foi, nem antes, nem depois da criação do Hamas, que as práticas nazifascistas já denunciadas pelo célebre judeu, Albert Eisntein foram publicadas em 1948 pelo jornal The New York Times.

O que essa gente precisa é entender que o mundo hoje é outro e que as próprias vítimas dessa monstruosidade, usam seus celulares para espalhar nas redes, sem edição, seu próprio suplício.

Foi-se o tempo em que a Globo e seus Demetrios e Cantanhêdes ganhavam no bico a guerra da narrativa.

Categorias
Opinião

Glenn Grenwald: Lula está certo sobre Gaza e não é antissemita

Intelectuais judeus também afirmam que desumanização coletiva que gerou Holocausto está por trás da destruição da Faixa de Gaza agora.

Jornalista refuta críticas feitas a Lula após presidente comparar ação de Israel em Gaza à de Hitler contra judeus, destaca que a comunidade judaica não é homogênea e que muitos de seus membros pelo mundo, inclusive israelenses, percebem que o conflito é um genocídio marcado pelo desprezo pela vida, como o Holocausto.

Desde que Lula evocou o Holocausto para denunciar a destruição de Gaza por Israel, a grande mídia brasileira se uniu, com raras exceções, para condená-lo. Na segunda-feira (19) à noite, o jornalista William Waack afirmou na CNN Brasil que a declaração de Lula “ofende judeus no mundo inteiro”.

Deixando de lado a incongruência que é ver William Waack se colocar como vigilante da intolerância e fiscal do que se pode dizer no discurso público, a pergunta que faço é: com base no que ele se coloca como porta-voz dos “judeus no mundo inteiro”?

É verdade que a declaração de Lula enfureceu o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que declarou Lula “persona non grata” em Israel. Mas equiparar o governo de Israel a “judeus no mundo inteiro” não é só falso, é também antissemitismo.

Como todos os grupos, os judeus não são um monolito. Qualquer pessoa que, como eu, tenha crescido numa família judaica e imersa nessas tradições sabe que o grupo passa longe de ser homogêneo. Há dentre os judeus discussões e divergências sobre os mais diversos assuntos, inclusive o Estado de Israel, o tratamento desumano dispensado aos palestinos e a abjeta imoralidade da destruição de Gaza.

Um mês antes do ataque do Hamas de 7 de outubro, o ex-chefe do Mossad, agência de inteligência israelense, Tamir Pardo —indicado por Netanyahu— afirmou que Israel impõe “uma forma de apartheid aos palestinos”. Muitos líderes Israelenses, incluindo o ex-primeiro Ministro Ehud Barak, já disseram o mesmo.

O jornalista judeu brasileiro Breno Altman vem repetidamente comparando as ações de Israel em Gaza ao nazismo, ao ponto de estar sendo investigado pela Polícia Federal por expressar sua visão. Um grupo de judeus brasileiros, conforme relatado pela Folha, emitiu uma nota para defender as declarações de Lula.

Nesta semana, a escritora judia russa Masha Gessen recebeu o Polk Award, o segundo prêmio mais importante no jornalismo dos EUA, por seu brilhante ensaio na revista New Yorker intitulado “Na Sombra do Holocausto”. No texto, Gessen aponta como o Holocausto é frequentemente evocado para silenciar as críticas aos crimes de guerra de Israel.

Gessen cita a filósofa Hannah Arendt, judia que em 1948 comparou grupos sionistas extremistas ao Partido Nazista, tanto em sua mentalidade quando em suas táticas —isso tudo menos de três anos depois do fim da Segunda Guerra.

No mesmo ano, o físico judeu Albert Einstein e outros importantes intelectuais judeus publicaram uma carta comparando os métodos de atuação de Menachem Begin, o terrorista sionista que se tornaria depois primeiro-ministro de Israel, aos dos nazistas.

Em seu artigo, Gessen documenta como os intelectuais judeus mais importantes do pós-guerra insistiam que as lições do Holocausto deveriam ser aplicadas universalmente, e que nenhum país ou grupo, sionistas inclusive, deveria se furtar de absorver esse aprendizado.

Gessen então descreve como, visitando os museus do Holocausto pelo mundo, se lembrava do sofrimento da população de Gaza nas mãos de Israel.

Sabendo então dessa enorme pluralidade no seio da comunidade judaica, como explicar a pretensão de uma pessoa como William Waack, que, como a grande maioria da mídia brasileira, se sente no direito falar em nome dos judeus e de impor limites às discussões sobre o Holocausto? E os judeus que rejeitam os ditames dos Netanyahu do mundo, quem falará por nós?

Mas há ainda um tema muito mais importante trazido à tona pela controvérsia: a quem pertence a memória do nazismo e da Segunda Guerra? Existe alguém com legitimidade para ditar como o Holocausto pode ser discutido, por quem, e com que agenda política? Existem países específicos cujas ações estão imunes, por algum motivo, às comparações com os piores abusos da Segunda Guerra? Se sim, essa imunidade se baseia em quê?

Quando a Segunda Guerra terminou e a real dimensão do Holocausto foi revelada, os países aliados, uma vez vencedores, decidiram não executar imediatamente os líderes nazistas. Em vez disso, foi realizado um processo jurídico transparente, conhecido como o julgamento de Nuremberg.

O objetivo era publicizar e legitimar o veredito —e, mais que isso, mostrar ao mundo as evidências das atrocidades cometidas pelos nazistas para, acima de tudo, estabelecer os princípios pelos quais os países deveriam se guiar no futuro.

O procurador-chefe dos EUA no julgamento, Robert Jackson, enfatizou em suas colocações iniciais que a maldade nazista se repetiria no futuro. “Esses prisioneiros nazistas representam uma influência sinistra que continuará no mundo mesmo depois que seus corpos retornarem ao pó.”

Referindo-se às sentenças contra criminosos nazistas específicos, Jackson disse: “Se esse julgamento for ter alguma utilidade no futuro, deverá servir para condenar também a agressão de outras nações, inclusive as que aqui estão na posição de julgadoras”.

Os horrores do Holocausto não foram uma lição sobre a maldade dos alemães ou a vulnerabilidade dos judeus. Foram uma lição sobre a natureza humana e a nossa capacidade para o mal, e como sociedades sofisticadas e educadas podem sucumbir a impulsos genocidas. Por isso, as sentenças proferidas em Nuremberg não podem dar a qualquer país, incluindo Israel, uma justificativa para suas próprias ações. Pelo contrário: os crimes do Holocausto não podem ser repetidos por nenhum país, nunca mais.

Os horrores da destruição de Gaza por Israel já estão visíveis para todos que quiserem ver. O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, prometeu no início da guerra: “Estamos impondo um cerco total a Gaza. Nem eletricidade, nem comida, nem água, nem combustível. Tudo bloqueado”. O motivo: “Estamos lutando contra animais e agimos em conformidade”.

Hoje podemos ver que essa promessa, bem como a ideia de que os palestinos são sub-humanos, não era blefe. Segundo relatório da ONU, de todas as pessoas do mundo que enfrentam a fome extrema, 80% estão em Gaza. Trata-se de uma crise humanitária sem paralelo, diz o texto. Há inúmeros casos, incontroversos e amplamente documentados, de crianças à beira da morte por fome.

Ao menos 29 mil pessoas foram mortas em Gaza desde que Israel começou a retaliação aos ataques do Hamas de 7 de outubro: 70% são mulheres e crianças. A destruição da vida civil em Gaza é pior do que qualquer guerra que o mundo tenha visto no século 21.

Mais bombas foram lançadas por Israel em Gaza, um território pequeno e densamente povoado, na primeira semana do conflito armado (cerca de 6.000) do que foram jogadas anualmente pelos EUA no Afeganistão, de 2013 a 2018 (nesse período, nenhum ano registrou mais de 4.400 bombas), segundo dados da Força Aérea israelense e da Central das Forças Aéreas dos EUA.

Ninguém, nem mesmo Lula, está sugerindo que a escala das mortes em Gaza seja comparável ao Holocausto. O que muitas pessoas estão dizendo —inclusive alguns dos intelectuais judeus mais proeminentes do mundo, como Masha Gessen— é que os mesmos princípios de desprezo pela vida e desumanização coletiva que culminaram no Holocausto estão também por trás da destruição de Gaza.

*Glenn Greenwald/Folha

Categorias
Opinião

A partir da denúncia de Lula, o genocídio em Gaza ganha outra dimensão no planeta, e os sionistas sabem disso

Agora, a cada ataque terrorista do exército genocida de Israel, o mundo se lembrará das palavras de Lula.

Daí, aquela reação estrambótica do chanceler boquirroto de Israel, até porque o que está no âmago da denúncia de Lula não é novidade para ninguém, que é a paz entre Israel e Palestina, porque sua primeira fala sobre o atual massacre, tinha como ponto central o cessar-fogo para que a população civil da Palestina, sobretudo mulheres e, principalmente, crianças, fossem poupados da barbárie sionista.

Por isso, a fala de Lula ecoa no mundo e deixa de orelha em pé os arquitetos da narrativa sionista que está cada dia mais puída, mas que, agira, Lula trouxe uma clareza corajosa e objetiva que nocauteia o discurso de autodefesa de Israel quando massacra uma população civil desarmada e totalmente inocente, confirmando que, o que se busca ali é a aniquilação total da população palestina para a ocupação do que restou desses 76 anos de colonialismo de Israel na região.

O que se afirma aqui, pode ser constatado na fala de um dos ficcionistas mais destacados do Brasil, professor Hoc, que opera em todos os espaços de mídia, analógica ou virtual, em parceria com André Lajst.

Na verdade, a fala do professor Hoc, no vídeo que segue abaixo, é uma confessa declaração de que os terroristas do Estado de Israel, sentiram. Isso está explicitamente dito com todas as letras pelo próprio Hoc.

Por que o que ele disse não é novidade? Porque, ao contrário de desimportância de Lula que eles querem vender na geopolítica global, eles sabem, mais do que ninguém, que a fala de Lula, no mundo, tem o peso dos maiores líderes mundiais.

Ou seja, não deixa de ser interessante essa fala do professor sionista, porque ela, não só não esconde o estrago que Lula fez na narrativa de Netanyahu e seus asseclas, como eles têm certeza absoluta de que não há como contestar o que por Lula foi dito no conteúdo real de sua declaração, que eles, inutilmente, tentaram criar uma cortina de fumaça histórica para ver se conseguiam, em vão, tirar o foco daquilo de mais importante que Lula denunciou ao mundo, que foi sim o genocídio perpetrado na Palestina pelo exército de Israel, principalmente contra as maiores vítimas que são as crianças, incluindo milhares de bebês.

Categorias
Opinião

Num show de horrores, Globo escancara que come nas mãos dos sionistas

Não bastasse toda a manipulação por décadas em que a Globo criava uma ficção sobre o colonialismo dos sionistas na Palestina, nesses últimos 100 dias, inacreditavelmente se superar, deixando claro que ela come literalmente nas mãos dos sionistas.

Não bastasse o fato da Globo ouvir apenas um lado do genocídio em Gaza, ela, simplesmente, convida o soldado do exército terrorista de Israel, André Lajst, para contar uma versão ridícula, não menos macabra que, logicamente, trata os sionistas como vítimas dos palestinos. Isso, em pleno massacre de palestinos que já mais de 17 mil crianças de 10 anos ou 10 dias, claro, sem falar dos adultos, principalmente mulheres, muitas, grávidas.

O maior cinismo de tudo isso, é que o mundo assiste perplexo à filmagens feitas por celulares dos próprios palestinos, massacrados pelos monstros de Israel, sem precisar de legenda, porque, de um lado, são civis inocentes e, do outro, o exército genocida de Israel, fardado.

A coisa soou tão absurda, que um programa cada vez mais decadente, como o Fantástico, manteve desde ontem entre os top trending do Twitter, ou seja, se a inútil tentativa de reverter o repúdio nacional, não só não surtiu qualquer efeito, como aumentou a indignação dos brasileiros contra o Estado sionista de Israel.

Sobre a fala de Camarotti, na GloboNews, criticando a histórica posição de Lula sobre o holocausto dos palestinos por Israel, não tem graça comentar.

Categorias
Opinião

Quem de fato se indigna com a Alemanha Nazista por ter feito o que fez com os judeus, indigna-se com Israel por fazer o que faz com os palestinos.

Quem de fato se indigna com a Alemanha Nazista por ter feito o que fez com os judeus, se indigna com Israel por fazer o que faz com os palestinos. Fora disso, é o uso político de um genocídio para justificar o outro.

O Brasil está cheio de defensores do genocídio de crianças palestinas, comandado pelos sionistas, disfarçados de indignados com o genocídio dos judeus, praticado pelos nazistas. É o “humanismo” seletivo que chama.

E quando lembrarmos da carnificina de crianças e mulheres, vitimas dos terroristas do Estado de Israel, somos obrigados a lembrar do que disse o governo genocida de Netanyahu: “não existem palestinos inocentes em Gaza.”

Netanyahu e seus ministros, consideram que aquelas crianças palestinas explodidas em pedaços pelos monstros de Israel, não são gente, são animais e que devem morrer.

Lula só equiparou a perversidade racista, fria e calculista dos sionistas com a dos nazistas. O que há de errado nisso? É mentira? Exagero, se as receitas dos sionistas e nazistas para exterminar seres humanos é a mesma?

Quanto tempo os sionistas esmagam palestinos em Gaza? Quantos palestinos já foram executados pelo exercito terrorista de Israel em mais de sete décadas de invasão, ocupação e extermínio colonialista dos sionistas na palestina?

Categorias
Opinião

A falência total da máquina de propaganda sionista

O que sempre foi essencial, mas estratégico para o Estado colonial de Israel, é a propaganda sionista.

Quem, minimamente informado, não sabe que o sionismo manda e desmanda na grande mídia mundial?

E exército de Israel, que é um dos mais bem equipados e treinados do mundo, é titica perto da máquina de propaganda sionista que, depois da internet, veio rateando até bater biela e travar.

O que fez Netanyahu reagir de forma abrupta à fala de Lula, justamente por ter vindo de uma das maiores lideranças globais que, possivelmente, arrastará outros líderes do planeta a seguirem o mesmo caminho, não só porque Lula denunciou o genocídio que os terroristas de Israel promovem em Gaza, mas porque cada vez mais cidadãos de todo o planeta se levantam revoltados com a carnificina, principalmente contra crianças e mulheres que os monstros de Israel promovem em Gaza para exterminar a população e roubar-lhe a terra.

Até o momento, nenhum líder de peso no mundo se posicionou contra a fala de Lula, mostrando que foi o tempo em que Israel tinha adesão automática todas as vezes em que precisava de apoio internacional para abonar suas carnificinas em Gaza, que já duram 76 anos.

Com a internet, não importa aonde as pessoas estejam, ficaram mais próximas e, numa só pulsação, vem somando um número de vozes cada vez maior, gritando em uníssono contra o genocídio, o holocausto, promovido pelos sionistas de Israel na Palestina.

Isso cela a falência total da máquina de propaganda sionista no mundo.

Categorias
Opinião

Assim como Lula, o planeta está do lado da Palestina, não de Israel de Netanyahu

Então, fica combinado, dizer que Israel é um Estado frio, assassino, cruel, terrorista, colonialista, racista, despudoramente ladrão, pode, o que não pode dizer é que ele promove o genocídio. Os sionistas patentearam esses termos, holocausto e genocídio.

Em última análise, é essa a bronca dos sionistas descarados e os disfarçados.

Não são poucos, no planeta, os judeus sérios, muitos, intelectuais que comparam sim o Israel de hoje com a Alemanha nazista; comparam sim, Netanyahu com Hitler, até porque são eles que acabam por ser as maiores vítimas do sionismo e toda a história de humanismo dos judeus é colocada de lado para que o mundo os enxerguem como querem os sionistas.

Nisso, há um nonsense total. A Alemanha, que massacrou os judeus, hoje apoia Israel, que massacram, sobretudo crianças e mulheres palestinas, Palestina esta que jamais fez qualquer mal a um único judeu antes de 1948.

Basta isso para se entender que rótulo é uma coisa, conteúdo, é outra completamente diferente, muitas vezes oposta ao que está estampado na propaganda.

Netanyahu, ao contrário de Lula, é do mesmo perfil frio, calculista e cretino que todos os piores e mais sanguinários ditadores da história da humanidade, tanto  que o próprio Netanyahu minimizou a culpa de Hitler pelo holocausto e resolveu culpar o povo palestino.

Essa comparação de Netanyahu, totalmente infundada, beira à absoluta falta de caráter do chefe supremo do sionismo israelense.

As multidões, que se erguem pelo planeta, exigindo o fim da carnificina em Gaza, dizem textualmente que Lula está corretíssimo, mais que isso, Lula já passou da hora de convocar o embaixador de Israel no Brasil para explicar que nome se dá aos atos terroristas de Israel que despedaçam crianças, de forma tão vil e covarde, que nós, à distância, muitas vezes nos acovardamos em ver as fotos.

Lula não disse nada que toda a humanidade já não venha denunciando, de forma muito mais dura, direta e definindo sim, como genocídio ou holocausto o que o exército terrorista de Israel está fazendo com o povo palestino, principalmente, crianças e mulheres.

Categorias
Opinião

Bolsonaro está apanhando como nunca

O combo de lorotas e trambiques de Bolsonaro está com os dias contados? Se essa não é a pergunta do milhão, ela é objetiva mesmo diante da dificuldade do gado abrir mão de seu pastor máximo.

Não foi sem motivos que os histéricos Allan Dos Santos e Malafaia foram acionados pelo mito.

As pedradas que Bolsonaro está levando, diuturnamente, nem os bolsonaristas mais aloprados conseguem cercar como rede de proteção ao genocida. Bolsonaro enfrenta um apocalipse pessoal.

A prisão de Bolsonaro é dada certa, assim como a de seu bando familiar. O mesmo pode se dizer da parcela que não é pequena de operadores secretos, confidenciais que operaram no intestino do bolsonarismo institucional que acabaram sendo entregues pela língua de Mauro Cid.

Bolsonaro é o gênio do caos e, tudo indica que até Jair Renan será tratorado junto com o pai e irmãos por uma possível fraude. Desclassificado, Bolsonaro enfiou várias violas no mesmo saco. Agora elas se voltam contra o próprio que não há dia 25 que o salve da cana dura.

Jura que os petequeiros dos clubes militares estão cobrando mais provas para dizer que aquele capitão expulso do exército em 1988 por conduta terrorista é, de fato, um ardiloso golpista? O tá de gozação mandou lembranças.

Bolsonaro sempre foi um fora da lei.

Qualquer um que queira ingressar no mundo do crime, é só pegar a receita com Bolsonaro. De garimpo ilegal, a parceria com miliciano em esquema de formação de quadrilha e peculato, o sujeito já fez de tudo. As mansões do clã escancaram isso.