Categorias
Mundo

Pão de ração animal e tâmaras enroladas em gaze: o que crianças comem em Gaza

Depois de sobreviverem com pães amargos feitos de ração animal em vez de farinha adequada, três jovens irmãos que deixaram sua casa na Cidade de Gaza para uma tenda mais ao sul estavam se alimentando de um pote de halawa, uma pasta doce.

Seraj Shehada, de 8 anos, e seus irmãos Ismail, de 9 anos, e Saad, de 11 anos, disseram que fugiram em segredo para se refugiar com a tia em sua tenda em Deir al-Balah, no centro da Faixa de Gaza, porque não havia nada para comer na Cidade de Gaza. Eles perderam a mãe e tias nos ataques.

“Quando estávamos na Cidade de Gaza, não comíamos nada. Comíamos a cada dois dias”, relatou Seraj Shehada, falando enquanto os três meninos comiam o halawa direto da vasilha, com uma colher.

“Comíamos comida de pássaro e de burro, qualquer coisa. Dia após dia, não essa comida”, comentou, referindo-se aos pães feitos de grãos e sementes destinados ao consumo animal.

A escassez de alimentos tem sido um problema em todo o território palestino desde o início da guerra entre Israel e o Hamas, em 7 de outubro, mas é particularmente grave no norte de Gaza, onde as entregas de ajuda humanitária têm sido mais raras há mais tempo.

Alguns dos poucos caminhões de ajuda que chegaram ao norte foram cercados por multidões desesperadas e famintas, enquanto os trabalhadores humanitários relataram terem visto pessoas magras e visivelmente famintas, com olhos encovados, segundo a CNN.

Na região central da Faixa de Gaza, a situação é um pouco melhor, mas ainda está longe de ser fácil.

No campo de refugiados de Al-Nuseirat, ao norte de Deir al-Balah, Warda Mattar, uma mãe deslocada que se abrigou em uma escola com seu bebê de dois meses, estava dando a ele uma tâmara enrolada em gaze para chupar, por falta de leite.

“Meu filho deveria tomar leite quando recém-nascido, seja leite natural ou leite em pó, mas não consegui dar leite a ele, porque não há leite em Gaza”, afirmou Mattar.

“Recorri a tâmaras para manter meu filho quieto”, adicionou.

Um pão pequeno a cada dois dias
Na tenda em Deir al-Balah, os três irmãos disseram que perderam a mãe, outro irmão e várias tias na guerra. Eles ficaram com o pai e a avó, e quase nada para comer além de pães feitos de ração animal, observou o irmão mais velho, Saad Shehada.

“Era amargo. Não queríamos comer. Éramos forçados a comê-lo, um pão pequeno a cada dois dias”, disse ele, acrescentando que bebiam água salgada e ficavam doentes, e não havia como lavar a si mesmos ou suas roupas.

“Viemos secretamente para Deir al-Balah. Não contamos ao nosso pai”, destacou.

A tia dos meninos, Eman Shehada, estava cuidando deles da melhor forma possível. Com gravidez adiantada, ela disse que perdeu o marido na guerra e ficou sozinha com a filha, uma criança pequena.

“Não estou recebendo nutrição necessária, por isso me sinto cansada e tonta”, pontuou.

Ela não tem dinheiro nem para comprar um quilo de batatas.

“Não sei como administrar nossas coisas com essas três crianças, minha filha, e estou grávida, posso dar à luz a qualquer momento”, ponderou.

Guerra deixa destruição
A guerra foi desencadeada após um ataque de integrantes do Hamas que saíram de Gaza e atacaram o sul de Israel em 7 de outubro, matando 1.200 pessoas e fazendo 253 reféns, de acordo com Israel.

Jurando destruir o Hamas, Israel respondeu com ataques aéreos e terrestres ao território costeiro densamente povoado, que matou mais de 29.700 pessoas, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas.

A guerra deslocou a maior parte dos 2,3 milhões de habitantes da Faixa de Gaza e causou fome e doenças generalizadas.

Categorias
Mundo

Carta aos que não sepultei

Não sairemos iguais após o horror em Gaza. Seremos assombrados pelos rostos palestinos que vimos sucumbir e pelo gozo perverso dos sionistas. E se alguém não está cheio de hematomas internos, é porque não olhou nos olhos das crianças palestinas

Por Berenice Bento*, na Cult

Em uma sala iluminada precariamente, um palestino dava uma entrevista. A calvície, os óculos, a barba por fazer revelam uma pessoa cansada, de noites insones.

Enquanto durava a entrevista, o som das bombas lá fora não arrefecia. Ele olhava para a câmera e dizia: Não sei se vou sobreviver.

Não gritava. Não pedia socorro. Não, ele não olhava para a câmera. Olhava diretamente nos meus olhos. E me perguntava: você pode me salvar? Eu o escutava em desespero.

Eu não podia acreditar. Ele vai sobreviver, desejava. Ele sabia que não. Foi a última vez que o vi. Foi daquela casa que, minutos depois, seria seu túmulo e de sua família, que o poeta palestino expôs uma nova forma de denunciar o genocídio em curso.

Logo depois da entrevista, Refaat al-Areer, de 44 anos, professor de literatura, tradutor e poeta, sucumbia vítima de um bombardeio de Israel. Ele morreu no dia 7 de dezembro de 2023.

Durante a Guerra do Golfo, em 1990, aconteceu algo inédito. Pela primeira vez, os combates e os bombardeios eram mostrados ao vivo. Estava sendo inaugurada ali o chamado “jornalismo 24 horas” e a transmissão da guerra se dava ao vivo.

A guerra tornou-se um espetáculo midiático como nunca antes se havia visto. As pessoas passaram a sentar-se diante da televisão, com pipocas e refrigerantes, para assistir aos bombardeios.

Agora, algo novo está acontecendo e ainda não temos léxico suficiente para alcançar o que estamos testemunhando.

Não são apenas vídeos panorâmicos. Imagens de bombardeios. Pela primeira vez na história da humanidade, acompanhamos o anúncio da morte. Um anúncio feito diretamente aos nossos olhos.

Somos levados, pelos rostos e olhares, ao momento do sacrifício. Assistimos ao sacrífico de um povo, mas este povo, agora, olha diretamente para mim. É isso que chamam de testemunhar?

Testemunhar não é uma atitude passiva, mas um ato que me torna parte, um gesto que me convoca. Quando eu digo: “eu vi ou eu escutei”, já faço parte da história.

Os meios de comunicação sionistas sabem disso. Sabem que precisam controlar com precisão cirúrgica o fluxo de imagens, sons e textos que são exibidos. Não é uma narrativa da guerra, mas uma guerra de narrativa, uma operação bélica construída nos detalhes.

E quando digo detalhes não é uma figura de retórica. É na miudeza do olhar de uma criança que olha diretamente nos meus olhos que está o perigo.

A estratégia de humanização, da produção da empatia, foi amplamente acionada pela imprensa sionista, chegando à exaustão ao expor as histórias de vida dos reféns israelenses feitos pela resistência palestina.

Em algum momento, começou-se a entrevistar e dar um pouco de visibilidade à dor palestina. Só então, acredito, houve uma mudança na opinião pública.

Diante dessa mudança, o que os meios de comunicação fizeram? Acabaram simbolicamente com o genocídio. Pararam de pautar a questão.

Nada é mais perigoso do que conhecer o nome, a idade, os sonhos de alguém que foi assassinado. Não se trata de uma multidão sem rosto, mas de um ser único.

Nada é mais revolucionário do que o rosto do outro. E este rosto é um perigo. O rosto, aquilo que, ao mesmo tempo que me singulariza, me separa do outro, é também aquilo que me torna parte, que me faz responsável pelo outro.

Diante do rosto, toda a vulnerabilidade é exposta. Mas não são apenas fotografias, como aconteceu durante a Guerra do Golfo. São pessoas que relatam, anunciam, prenunciam suas mortes. Quando, na história da humanidade, vivemos a experiência de escutar alguém relatar sua própria morte?

O rosto nos remete à responsabilidade ética com o Outro. Este é o primeiro momento da relação ética.

Como apontou o filósofo judeu Emmanuel Levinas em Totalidade e infinito, “O rosto é o que não se pode matar ou, pelo menos, aquilo cujo sentido consiste em dizer: ‘tu não matarás’”.

O poeta palestino e tantos rostos de crianças que sumiram da face da terra nos últimos meses seguem comigo. A ausência física não os fez desaparecer. Seguem presentes. Eu não os enterrei. Eles seguem comigo.

O rosto é a representação mais contundente da humanidade, quando a imagem humana se torna visível. A minha identidade se constitui inexoravelmente a partir dessa relação com o Outro, da “responsabilidade” com o Outro.

Durante a Guerra do Golfo, começaram a circular nos jornais estadunidenses fotos com os rostos de crianças iraquianas mortas, o que começou a alterar a opinião pública em relação à guerra.

O Departamento de Defesa proibiu que as fotos circulassem. A orientação era clara: as fotos deveriam ser panorâmicas, de multidões e distantes dos corpos. O rosto é um risco. É um perigo à segurança nacional.

Olhar dentro dos olhos é um gesto que pode mudar uma posição. Os palestinos inventaram outra forma de nos deixar próximos a eles. Ainda não sabemos muito bem qual o efeito dessa nova forma de relatar e antecipar a morte em nossas subjetividades diante da dor do outro.

Agora, nos deparamos com rostos que clamam por ajuda. Como lidar, como elaborar o luto da perda de alguém que me pediu ajuda para, minutos depois, ser assassinado? Chorar basta? Indignar-se, clamar por justiça basta?

É tudo tão pouco, ainda que eu tenha repetido: “eu faço o possível”. Porém, o possível é muito pouco.

Não evitou a morte de 29.313 palestinos (este número pode chegar a 36313 palestinos, se considerarmos os 7 mil desaparecidos sob os escombros), sendo que, desse total, são cerca de 12300 crianças (dados do Ministério da Saúde da Palestina, em 21 de fevereiro de 2024).

Há outros rostos que nos miram diretamente nos olhos. Pequenos vídeos produzidos por soldados israelenses circulam pelo mundo. Eles gravam, em êxtase, a hora em que apertam um botão e jogam pelos ares mesquitas, residências e escolas.

Eu também posso olhá-los, mas não entendo, não alcanço totalmente o que lhes provocam as gargalhadas ou o que os fazem dançar freneticamente diante ou sobre os escombros.

O colonialismo é uma droga poderosa, pesada. Ao testemunhar o gozo perverso daqueles soldados, eu reverbero a pergunta de Primo Levi, outro pensador judeu: “É isto um homem?”.

O colonialismo sionista está convencido de que tem autorização, ou melhor, tem o direito (e o dever) de matar e que nada irá atingi-lo, porque a vida palestina é uma vida matável, está fora do registro do humano, é um corpo sacrificável, sem rosto, sem voz.

Nas paredes do Hospital Alshifa, em Gaza, algum palestino escreveu: “Nós somos todos funerais temporários”.

Aqui está a consciência da não importância da vida palestina, expressada por um palestino que, certamente, já teve seu funeral definitivo.

No fundamental, na relação com o Outro, o colonialismo sionista não se diferencia do colonialismo europeu. Negros, populações originárias nunca tiveram seu estatuto ontológico de gente reconhecido.

E no caso do sionismo, há uma outra camada: eles transformaram os nativos da terra em fantasmas, afinal, ali não existia gente, era uma terra vazia.

Quem se importa com as vidas palestinas? Não apenas se pode matá-las, mas deve-se performatizar o assassinato como um ato de festa, de comunhão coletiva.

Não se trata mais da “banalidade do mal”, conforme formulado por Hannah Arendt em Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal, em que o indivíduo abre mão de sua capacidade de decidir e torna-se um mero cumpridor de ordens, um corpo obediente esvaziado de sua capacidade de questionar as normas.

São seres que antes de tudo zelam pelo cumprimento da ordem, sem refletir sobre o bem ou o mal que podem causar. Não, a banalidade do mal não nos serve para entender o que estamos testemunhando. Não temos apenas obediência. Nada ali é passividade.

O soldado e a soldada orgulham-se, filmam-se, comemoram. Eles foram construídos no registro de vítimas absolutas, o que lhes gerou um crédito infinito que os autoriza a matar sem nenhum dilema ético.

Eles não estão matando, mas cobrando uma dívida que o mundo lhes deve. Querem ser o herói ou a heroína para sua comunidade. E o reconhecimento da comunidade será diretamente proporcional à quantidade de vidas palestinas sacrificadas.

A primeira reação, inevitável, diante do gozo perverso dos sionistas é um desejo profundo de expulsá-los da categoria e da comunidade humano, daí a pergunta “é isto um homem?”.

No entanto, de nada adianta chamá-los de monstros ou aberrações políticas. Precisamos, antes, reconhecer que a pedagogia colonial sionista é exitosa. A pedagogia do ódio venceu em Israel e as poucas vozes divergentes são sufocadas.

Não se trata de uma natureza humana perversa, mas de um projeto político-pedagógico que tem na morte e na guerra suas razões de ser.

Mas também me impressiona, na mesma intensidade, a força de pessoas judias que romperam com esta pedagogia da morte e decidiram pela justiça social, para seguir com a boa tradição judaica, a exemplo do que faz Breno Altman, um homem que, sozinho, tem sido um exército inteiro.

Assim como ele, milhões de pessoas judias em todo mundo gritam: “Não em nosso nome!”.

Eu não tenho dúvida: a tarefa de libertar a judaicidade do sionismo e a luta pela expulsão dos sionistas da Palestina são lutas irmãs.

Acho que não sairemos dessa história iguais. Seja porque fomos e somos perseguidos pelos rostos palestinos que vimos sucumbir, seja pelas novas formas de acompanhar e testemunhar o horror do genocídio.

Se antes o colonialismo fazia parte da minha vida como um tema de estudo e de atuação, agora transformou-se em uma dilacerante experiência de dor. No meu cotidiano, o que tem me acompanhado não são os vídeos macabros sionistas.

Vejo o olhar do pai que tenta juntar, em um saco de plástico, as partes do corpo do filho dilacerado por um bombardeio, para lhe dar os últimos ritos funerários e reinstaurar a humanidade negada.

Sou atravessada pelo olhar da mãe que, depois da ordem de evacuar um hospital, carrega nas costas o corpo do filho envolto em um lençol branco. Onde ela o enterrou?

Choro com o avô que aperta contra seu corpo o miúdo corpo da netinha e olha para o céu, certamente conversando com Allah, para encontrar algum sentido em tudo aquilo.

Lembro agora do olhar esfomeado de uma criança que tentava encontrar alguma grama para comer, depois que a ração dos animais que serviu sua família acabou. A fome como prenúncio da morte, como arma de extermínio. É isso o que eu vejo.

Vejo o olhar da menina de dentes de leite, que me olha e me pergunta: o que fizemos para merecer isso?

Engulo as notícias diárias como se ácido fossem. Algo morre e parece que um campo estéril de tristeza e desesperança brota. A dor do ácido talvez seja outro nome para “luto”.

Sim, eu posso repetir: “vamos resistir”, transformemos o luto em luta…

Mas precisamos dizer, com todas as letras, nos espaços públicos: os malditos sionistas também estão nos matando. Este é outro efeito da palestinização do mundo a que estamos testemunhando.

E se alguém não está cheio de hematomas internos é porque não olhou nos olhos das crianças palestinas.

*Berenice Bento é professora do Departamento de Sociologia da UnB e pesquisadora do CNPq.

*Viomundo

Categorias
Mundo

Número de mortos na Faixa de Gaza sobe para 29.606

Hamas disse neste sábado que as forças israelenses atacaram mais de 70 casas de civis em Gaza nas últimas 24 horas.

Subiu para 29.606 o número de mortos na Faixa de Gaza desde o início da reação de Israel ao ataque do Hamas em 07 de outubro de 2023, segundo um balanço atualizado pelo Ministério da Saúde palestino.

O porta-voz militar de Israel informou neste sábado (24/02) que as forças israelenses estão envolvidas em “combates intensos” contra o Hamas no centro e sul da Faixa de Gaza.

Os dois lados do conflito seguem em negociações para a libertação dos reféns israelenses. Segundo o canal saudita A-Sharq, o Hamas teria concordado em retirar a condição de um cessar-fogo total e em reduzir o número de presos palestinos libertados.

Agora, o grupo pede uma trégua inicial de seis semanas, que os israelenses saiam dos principais centros populacionais do enclave palestino e que entre 200 e 300 prisioneiros sejam libertados.

Em troca, o Hamas devolveria todos os reféns em seu poder.

As negociações acontecem depois que um plano para Gaza no pós-guerra, revelado pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, levantou críticas do principal aliado, os Estados Unidos, e foi rejeitado pelo Hamas e pela Autoridade Palestina na Cisjordânia ocupada por Israel.

As negociações também acompanham o aprofundamento do medo dos civis de Gaza diante do risco de morrer de fome. O principal órgão de ajuda da ONU aos palestinos, a UNRWA, disse que os habitantes de Gaza estavam “em perigo extremo enquanto o mundo assiste”.

No território sitiado, onde 2,2 milhões de palestinos, estão ameaçados de “fome em massa” devido à falta de abastecimento suficiente de água e comida, segundo a ONU.

A ajuda humanitária, cuja entrada através da passagem de Rafah, no extremo sul de Gaza, está sujeita a aprovação de Israel, ainda é insuficiente e a sua entrega ao norte é difícil devido à destruição e ao bombardeio incessante.

Preocupação em Rafah

O Ministério da Saúde palestino disse neste sábado que uma criança de dois meses, Mahmoud Fatouh, morreu de desnutrição no hospital Al-Shifa, na cidade de Gaza.

Na sexta-feira (23/02), o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Volker Türk, denunciou o “bloqueio e cerco imposto a Gaza” por Israel que poderia “representar o uso da fome como método de guerra” que é, lembrou ele, um “crime de guerra”.

A preocupação também cresce em Rafah, fronteira fechada com o Egito, onde pelo menos 1,4 milhão de pessoas, a maioria delas deslocadas, estão concentradas em condições precárias e ameaçadas por uma operação militar israelense em grande escala.

Antes do amanhecer deste sábado, os bombardeios israelenses custaram a vida a pelo menos 103 palestinos, informou o Ministério da Saúde palestino, que reporta diariamente cerca de 100 mortes em Gaza, naquela que é a maior ofensiva da história de Israel.

Não há lugar seguro

Israel prometeu aniquilar o Hamas, que assumiu o poder em Gaza em 2007 e que considera, tal como os Estados Unidos e a União Europeia, uma organização terrorista.

Depois de levar a cabo uma campanha de bombardeios terrestres, marítimos e aéreos contra o apertado território, o exército israelense lançou uma ofensiva terrestre no norte da Faixa de Gaza em 27 de outubro. As operações militares contra as guerrilhas urbanas lideradas pelo Hamas estão agora concentradas em Khan Younis, no sul.

As Forças Armadas de Israel anunciou ainda neste sábado que os seus soldados eliminaram “dezenas de terroristas”, apreenderam armas e destruíram um túnel em Khan Younis, transformada em ruínas.

*Opera Mundi

Categorias
Mundo

Vídeo: Logo após a declaração de Lula contra Israel, Bernie Sanders não só endossa, como critica os EUA

O presidente Lula, em evento na África, no domingo, dia 18, classificou como “genocídio” e “chacina” a ação de Israel na Faixa de Gaza.

“O que está acontecendo na Faixa de Gaza e com o povo palestino não existe em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu: quando o Hitler resolveu matar os judeus”  (Lula)

“O mundo inteiro observa Netanyahu e o seu governo de direita fazerem passar fome as crianças de Gaza e travarem guerra contra o povo palestiniano. Os EUA não devem continuar a sua cumplicidade nesta guerra horrível.” (Bernie Sanders)

A fala corajosa de Lula sacudiu as placas tectônicas do mundo. Ao menos 100 países o apoiaram e, logo em seguida Antony Blinken, Secretário de Estado dos EUA veio ao Brasil se reunir com Lula e, o mesmo faz Sergey Lavrov, Ministro das Relações Exteriores da Rússia que está a caminho do Brasil.

Agora, a fala de Bernie Sanders que endossa a declaração de Lula:

Categorias
Mundo

Embaixada do Brasil em Tel Aviv desconfiou de espionagem de Israel

Funcionários se reuniram com embaixador para pedir que fosse feita uma varredura antigrampo

Diplomatas lotados na embaixada brasileira em Tel Aviv se reuniram com o embaixador Frederico Meyer dias atrás para tratar da necessidade de fazer uma varredura no local em busca de grampos.

Antes até de estourar a crise provocada pela declaração do presidente Lula comparando os ataques em Gaza ao Holocausto, os funcionários da representação do Brasil em Tel Aviv já desconfiavam que suas conversas estavam sendo monitoradas pelo serviço secreto de Israel, segundo Rodrigo Rangel, Metrópoles.

Na reunião, diplomatas mais experientes argumentaram que fazer a varredura seria inócuo porque, ainda que fosse encontrado algum dispositivo de escuta, seguramente outros seriam instalados em seguida pelos israelenses, conhecidos por deter tecnologias de espionagem de ponta.

Segundo relato feito à coluna por um dos presentes, um itamarateca graduado disse aos demais que melhor seria trabalhar com a certeza de que a embaixada brasileira (foto em destaque), assim como as de outros países, é monitorada permanentemente, ainda mais em tempos de guerra.

O argumento prevaleceu. No fim, todos saíram convencidos — e a varredura nem sequer foi encomendada.

Israel tem algumas das mais famosas agências de inteligência do mundo. A mais conhecida é o Mossad. Há, ainda, a Amam, responsável pela inteligência militar, e o Shin Bet, voltado para a segurança interna.

Categorias
Mundo

Israel atacou comboio de alimentos da ONU em Gaza, mostram documentos e análise de satélite

Caminhão que transportava suprimentos vitais para o enclave foi alvejado em rota previamente acordada com as forças israelenses, segundo dados analisados pela CNN.

As Forças de Defesa de Israel (FDI) dispararam contra um comboio da Organização das Nações Unidas (ONU) que transportava suprimentos alimentares vitais no centro da Faixa de Gaza em 5 de fevereiro, antes de finalmente impedirem que os caminhões avançassem para a parte norte do território, onde os palestinos estão à beira da fome, de acordo com documentos compartilhados exclusivamente pela ONU e com análise própria da CNN.

A CNN viu correspondência entre a ONU e os militares israleneses que mostram que a rota do comboio foi acordada por ambas as partes antes do ataque.

De acordo com um relatório de incidente interno compilado pela agência das Nações Unidas para refugiados palestinos (UNRWA), a principal agência de ajuda humanitária da ONU em Gaza, que também foi visto pela CNN, o caminhão era um dos dez num comboio parado em ponto de detenção das FDI quando foi alvejado.

Ninguém no comboio ficou ferido, mas grande parte do seu conteúdo – principalmente farinha de trigo necessária para fazer pão – foi destruído.

Rastrear o ataque oferece uma janela para os principais desafios que os esforços humanitários enfrentam para levar ajuda aos mais de 2 milhões de habitantes de Gaza – quase 85% dos quais são deslocados internamente – no meio do bombardeamento de quase cinco meses de Israel na Faixa de Gaza.

“Um comboio que transportava comida, rumo ao norte da Faixa de Gaza. Aquele comboio a caminho do que chamamos de áreas intermediárias foi atingido. Um dos caminhões que transportava suprimentos foi atingido por fogo naval israelense”, disse Juliette Touma, porta-voz da UNRWA, à CNN.

As FDI não responderam aos repetidos pedidos da CNN para comentar o ataque, mas disse em 5 de fevereiro que estava investigando o incidente.

É um dos vários incidentes em que comboios de ajuda, bem como armazéns que armazenam ajuda, foram atingidos desde o início da guerra.

Israel lançou o seu bombardeamento e invasão terrestre da Faixa de Gaza após o ataque terrorista do Hamas em 7 de outubro, no qual pelo menos 1.200 pessoas foram mortas e mais de 250 outras feitas reféns. Mais de 29.000 pessoas foram mortas em ataques israelenses na faixa, de acordo com dados recentes do Ministério da Saúde de Gaza.

Na sequência do ataque de 5 de fevereiro, a UNRWA decidiu parar de enviar comboios para o norte de Gaza. A última vez que a agência conseguiu entregar alimentos a norte de Wadi Gaza – uma faixa de zonas húmidas que corta o enclave ao meio – foi em 23 de Janeiro.

A ONU estima que 300 mil pessoas ainda vivem no norte de Gaza, com muito pouca assistência. A desnutrição aguda já foi identificada em 16,2% das crianças locais, acima do limite considerado crítico, segundo a ONU.

O comboio, composto por 10 caminhões de ajuda humanitária e dois veículos blindados marcados com a insígnia da ONU, iniciou sua jornada nas primeiras horas de 5 de fevereiro.

A UNRWA disse que as viagens são realizadas no início do dia para evitar que o conteúdo dos caminhões seja invadido ao longo da rota por aqueles desesperados por comida.

Partindo do sul de Gaza, o comboio percorreu a estrada Al Rashid, que segue a orla costeira da faixa. A estrada tem sido a principal rota permitida pelos militares israelenses para comboios humanitários e evacuações desde janeiro.

Às 4h15 (horário local), o comboio chegou a um ponto de espera designado pelas FDI na estrada Al Rashid, de acordo com o relatório interno do incidente da UNRWA, onde os caminhões ficaram parados por mais de uma hora. Às 5h35 (horário local), foram ouvidos tiros navais e o caminhão foi atingido, disse a reportagem.

A agência disse que antes de iniciar a entrega da ajuda, coordenou antecipadamente com os militares israelenses, concordando com o caminho que tomaria – como sempre faz.

A correspondência por e-mail entre a UNRWA e o Coordenador de Atividades Governamentais nos Territórios (COGAT), a agência militar israelense que supervisiona as atividades nos territórios palestinos, a ajuda humanitária, também mostra um acordo para o comboio tomar a estrada Al Rashid.

“Compartilhamos com o exército israelense as coordenadas dos comboios e a rota desse comboio”, disse Touma. “Somente quando o exército israelense nos dá a aprovação, a luz verde, é que a UNRWA se move. Não nos movemos sem essa coordenação.”

Ela disse que o objetivo desta coordenação, denominado processo de resolução de conflitos, é garantir que os comboios de ajuda não sejam atingidos.

“Gaza tornou-se muito rapidamente um dos lugares mais perigosos para se trabalhar com ajuda humanitária”, disse Touma. “É um ambiente extremamente complexo para operar. Muitas vezes as nossas equipes são forçadas a prestar assistência humanitária sob ataque.”

 

Categorias
Mundo

Tem 100 países comemorando a fala do Lula, garante professor de política internacional

Em entrevista ao GGN, Dawisson Lopes afirma que a “crise” entre Israel e Brasil não tem a escala que tentam vender na mídia.

A principal notícia do dia foi a repercussão da declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que durante viagem à Etiópia, comparou as ofensivas de Israel à Faixa de Gaza ao holocausto promovido por Adolf Hitler, além de chamar a guerra de genocídio.

Na mídia e no meio político, a repercussão tem sido negativa, uma vez que oportunistas usaram a irritação do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que chegou até a convocar o embaixador brasileiro para explicações, para atacar o governo federal e até para pedir um impeachment.

Mas como o GGN mostrou nesta segunda-feira (19), a fala de Lula não só converge com as leis internacionais como espelha princípios civilizatórios previstos na constituição brasileira.

Durante o programa TVGGN 20H, o professor de política internacional da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Dawisson Belém Lopes, reafirmou a necessidade da declaração contundente do presidente, que, aliás, subiu o tom há várias semanas a fim de criticar a insistência de Netanyahu em tentar dizimar o povo palestino. [Assista a íntegra da entrevista abaixo]

A coragem do presidente brasileiro em nomear as atrocidades cometidas por Israel desde 7 de outubro foi um golpe certeiro para capturar a atenção das pessoas mundo afora. “Tem 100 países comemorando a fala do Lula“, garante Lopes.

No cenário global, a imagem de Netanyahu e de Israel não é positiva, não apenas entre os países da América do Sul, tendo em vista as diversas manifestações realizadas na Europa em apoio ao povo palestino.

Até porque, enquanto o número de mortos israelenses vitimados pelo Hamas se mantém em torno de mil, o de palestinos beira os 30 mil óbitos. Israel deixou ainda mais de 68 mil pessoas feridas, impôs a restrição de recursos básicos para a população da Faixa de Gaza, como alimentos, remédios, água, energia elétrica e internet, além de mandar que a população rumasse para o sul. Cerca de 90% dos palestinos perderam suas casas.

As tropas israelenses não pouparam sequer os hospitais. No último domingo (18), o segundo maior hospital da Faixa de Gaza deixou de funcionar, depois de um mês de ocupação dos soldados de Netanyahu. E há a expectativa de uma ofensiva contra Rafah, cidade que reúne refugiados.

E não há, até o momento, qualquer indício de que a guerra está próxima do fim, até porque membros do governo israelense já declararam, em diversas ocasiões, que o conflito só acabará junto com o Hamas e que expulsar todos os palestinos para o Egito não seria uma solução ruim, até porque os palestinos já estão acostumados a perder territórios.

Covardia
O professor de relações internacionais afirma que o genocídio só terá fim quando houver uma intervenção resoluta dos Estados Unidos, principal aliado de Israel, e dos demais países que “mantém o cinturão de proteção” aos israelenses.

Mas, em vez de exigir o fim das atrocidades cometidas majoritariamente contra mulheres e crianças palestinas, os Estados Unidos e alguns países da União Europeia deixaram de oferecer apoio à Faixa de Gaza.

“São esses países que agora viram as costas da forma mais covarde, inclusive tirando recursos, asfixiando financeiramente instituições que cuidam dos refugiados palestinos. A forma como o bloco ocidental sabota as instituições que eles criaram é vexatória“, conclui Dawisson Lopes.

Assista:

*GGN

Categorias
Mundo

Vídeo: Judeu, que viveu o holocausto em Auschwitz, fala contra Israel e o sionismo

Ao contrário do que afirmou o apresentador Luciano Huck, o genocídio palestino sob apartheid se assemelha de modo escancarado ao holocausto. Podemos citar várias leis de segregação racial, a condição apátrida de 5 milhões de habitantes, os pogroms apoiados pelo governo

O genocídio que já deixou mais de 30 mil mortos, 90% da população de Gaza vivendo em tendas improvisadas, com falta de água e comida e sem coleta de lixo ou esgoto. A ONU estima que mais de 4 mil crianças de etnia árabe estão órfãs em Gaza.

Categorias
Mundo

Ao restringir acesso de muçulmanos a Meca antes do Ramadã, Israel pode inflamar região

Mês sagrado do calendário muçulmano é marcado por ameaças israelenses de invasão a Rafah, na fronteira com Egito.

O Ramadã, mês sagrado de jejuns e preces do calendário muçulmano, começa por volta de 10 de março deste ano, tendo como pano de fundo a guerra entre Israel e o Hamas. A situação é explosiva, especialmente em Jerusalém. Contra a orientação das autoridades de segurança, o governo israelense decidiu restringir o acesso à Esplanada das Mesquitas.

O Ramadã é o mês mais sagrado do calendário muçulmano, e a Mesquita Al-Aqsa e sua esplanada, o 3ᵉ lugar mais sagrado do Islã, tiveram o acesso restringido por Israel. O gabinete de segurança israelense decidiu na noite de domingo (18/02) impor restrições ao acesso dos fiéis muçulmanos.

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu acatou assim as exigências de Itamar Ben Gvir, ministro da Segurança Nacional de extrema direita, destinadas a palestinos da Cisjordânia, residentes de Jerusalém Oriental e, pela primeira vez, também para árabes israelenses que desejam participar das orações.

Uma decisão perigosa

Até o momento, os critérios de seleção, incluindo a idade dos fiéis e seu local de residência, não foram divulgados. Para a polícia, o Exército e o Shin Bet, o serviço de segurança interna de Israel, essa é uma decisão perigosa que pode inflamar toda a região. Os partidos árabes falam de uma nova provocação do ministro supremacista Ben Gvir.

Para Ahmad Tibi, líder do partido Ta’al, esse é um assunto que deve ser debatido pela ONU. E no Reshet Bet, a emissora pública de Israel, o ex-ministro Mansour Abbas, líder do partido islâmico Ram, atacou diretamente o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben Gvir, e Benjamin Netanyahu: “É óbvio que essa é uma decisão ruim. É injusta, estúpida e irresponsável. Quando há recomendações de autoridades de segurança que não têm motivação política, devemos ouvir e seguir essas valiosas recomendações. E não sermos reféns nas mãos de Ben Gvir”, avisou.

“Ele [Gvir] é o verdadeiro primeiro-ministro”, avaliou um comentarista. “É o sonho do Hamas se tornando realidade: os palestinos de todos os lados se unirão”, disse um editorialista israelense.

Para o diário de esquerda Haaretz, trata-se de uma farsa política que pode se transformar em uma tragédia. Mas, de acordo com a mídia, a solução pode vir da procuradora geral de Israel. Ela adverte que não permitir que os árabes israelenses rezem na Esplanada das Mesquitas é simplesmente ilegal.

Ramadã como prazo

Israel ameaçou invadir Rafah no feriado do Ramadã, em março, se o Hamas não libertar os reféns até esta data. “O mundo deve saber, e os líderes do Hamas devem saber: se nossos reféns não estiverem em casa até ao Ramadã, os combates continuarão em todos os lugares, incluindo na área de Rafah”, declarou o ministro israelense, Benny Gantz, numa conferência de líderes judeus norte-americanos em Jerusalém.

“O Hamas tem a opção. Eles podem render-se, libertar os reféns e os civis de Gaza e poderão celebrar o feriado do Ramadã”, acrescentou Gantz, um dos três membros do gabinete de guerra israelense.

É a primeira vez que o governo israelense fixa um prazo para seu ataque a Rafah, a cidade onde se refugia a maioria dos 1,7 milhão de palestinos deslocados pela guerra.

Os governos estrangeiros, temendo a carnificina, instaram Israel a evitar atacar Rafah, a última cidade da Faixa de Gaza que não foi invadida por tropas terrestres na guerra que já dura quatro meses. Apesar da pressão internacional, Netanyahu insiste que a guerra não pode terminar sem entrar em Rafah.

Categorias
Mundo

Salem Nasser: 30 mil mortos é o preço que os palestinos estão pagando para serem vistos, ouvidos e reconhecidos!

Por Salem Nasser*, em Cegueira Seletiva

Eu escrevi antes sobre a “fadiga da compaixão” e sobre a nossa tendência natural a cansar do fluxo contínuo de notícias que são de difícil digestão.

A guerra contra Gaza está correndo há tanto tempo que, a despeito da gravidade da situação humanitária e dos crimes de Israel, as pessoas começam a cansar de ouvir falar dela.

Ao mesmo tempo, a gente se perde em meio a tantos detalhes; formar uma imagem abrangente do que está acontecendo se transforma em tarefa quase impossível.

Por essas razões, decidi oferecer minha leitura geral própria da guerra e colocá-la em contexto histórico.

Algumas das coisas que direi não podiam ser ditas antes desta guerra que já dura 130 dias, não sem que se pagasse preços pesados em termos de censura, perseguição e acusações.

Algumas coisas, mesmo que se ousasse dizê-las, não seriam ouvidas por conta dos muitos tipos de muros de proteção erigidos em torno de Israel para repelir as críticas.

Um modo de entender a essência dessa guerra é este: 30.000 mortos é o preço que os palestinos estão pagando para serem vistos, para serem ouvidos, para serem reconhecidos!

1- MUITO ANTES DE 7 DE OUTUBRO

Chegou o tempo de reconhecermos todos, em termos muito claros, que Israel é o resultado de um projeto colonial, mais especificamente um projeto de colonização de assentamento.

Essa conclusão resulta clara da história do movimento sionista e da sua aliança com os interesses imperiais britânicos.

Desde o começo, esse projeto muito específico de colonização de assentamento dependia da atração de imigrantes que pertencessem a uma religião particular para que viessem se assentar no território da Palestina histórica e da expulsão – ou da eliminação por outros meios – da população indígena.

Projetos de colonização de assentamento só foram “bem sucedidos” onde os recém-chegados mataram a maior parte dos habitantes originários e se tornaram a maioria numérica da população. Estados Unidos e Austrália são bons exemplos desse sucesso.

Onde quer que o esforço colonial não consegue ou não quer exterminar a população local, porque, por exemplo, precisa explorar a sua mão de obra, o projeto colonial fracassará em algum momento e os colonizadores se encontrarão diante da opção entre voltar para casa – para a metrópole – ou ficar e viver como uma minoria entre os habitantes originários.

A despeito de seus melhores esforços, e por várias razões, Israel não foi capaz, ainda, de expulsar ou eliminar a maior parte da população palestina.

Enquanto continua a empreender nesse sentido e em direção a esse objetivo, estabeleceu um sistema de Apartheid que, se a História de fato repete a si mesma, talvez determine o fracasso futuro do projeto colonial israelense.

2- IMEDIATAMENTE ANTES DO 7 DE OUTUBRO

Também por várias razões o mundo encampou esse projeto colonial tardio e anacrônico.

Praticamente todos os Estados que fazem parte do que se costuma chamar de “Comunidade Internacional” continuaram a falar, por décadas, da boca para fora, sobre a necessidade de proteger os direitos dos palestinos e sobre a solução dos dois Estados, enquanto Israel continuava livremente a limpar etnicamente a Palestina, aumentar seu domínio sobre territórios ocupados, segregar e discriminar, e violar direitos humanos e direito humanitário.

Esse processo duplo pelo qual, de um lado, progredia no sentido da total liquidação da Questão Palestina, enterrando para sempre a ideia de um Estado palestino e condenando os palestinos ao exílio ou à vida sob segregação, e, de outro lado, acumulava a cumplicidade e/ou o silêncio internacional e dos governos árabes, estava atingindo seu ponto máximo nos últimos poucos anos.

A construção de assentamentos na Cisjordânia e em torno de Jerusalém continuava, o sistema de Apartheid estava posto e era operacional, o bloqueio total a Gaza era contínuo e draconiano, as violações a lugares sagrados do Cristianismo e do Islã aumentavam.

Algumas instituições internacionais relatavam e denunciavam. Grandes ONGs de direitos humanos finalmente criaram a coragem de chamar o Apartheid israelense pelo seu nome. Mas ninguém ouvia ou queria ouvir.

A despeito do crescimento em força militar, claramente identificável, daqueles que na região se opõem ao projeto Israelense – e do Ocidente -, aquilo que se costuma chamar de Comunidade Internacional agia como se o projeto estivesse a caminho do sucesso final e que os resultados estavam dados.

Os que acreditavam em algo diferente eram o Hamas e outros grupos armados da resistência palestina, o Hezbollah no Líbano, Ansar Allah no Iêmen, grupos de resistência iraquianos, a Síria, o Irã, e talvez alguns outros mais.

O que quer que se pense que aconteceu no dia 7 de outubro – e o fato é que a maioria não sabe o que aconteceu de verdade – e como quer que se julgue o que se pensa que aconteceu, os ataques daquele dia decorreram da necessidade de interromper esse curso da história, e foi isso que operaram.

A História não começou no dia 7 de outubro. Ela mudou de curso nesse dia.

3- O QUE ACONTECEU NO DIA 7 DE OUTUBRO

Eu tenho dito que, de quem quer que queira criticar Israel pelos seus crimes contra a população de Gaza e contra os palestinos de modo geral, espera-se, no debate público, que pague um pedágio: fazer referência ao 7 de outubro e condenar o Hamas pelos crimes que teria cometido nesse dia.

E, então, se alguém se incomoda com perguntar e procurar, descobre que o que se sabe com certeza é muito diferente do que os israelenses dizem.

A segunda razão para eu pensar que o pedágio é abusivo é esta: na realidade, se você critica o Hamas pelo que teria feito naquele dia, as pessoas entenderão subconscientemente é que Israel tem suas razões para fazer o que faz; se, por outro lado, você tentar explicar ou justificar o comportamento do Hamas, você perde credibilidade porque se colocou do lado dos “terroristas”.

Finalmente, impor às pessoas a crítica ao Hamas por suas ações “contra os civis” é, ou uma estratégia para nos fazer esquecer o que Israel faz, e sempre fez antes do dia 7 de outubro, diariamente, contra civis palestinos, ou, pior, uma estratégia para nos fazer acreditar que o mal que se faz contra civis israelenses é mais merecedor de críticas do que o mal que se faz contra civis palestinos, porque alguns civis valeriam mais do que outros.

Mais do que as perdas civis e os presos levados, o que realmente assustou Israel e seus apoiadores ocidentais foi a percepção das fragilidades militares de Israel. O ataque do Hamas foi um feito militar e um fracasso enorme da parte de Israel.

A reação de Israel foi inspirada por dois desejos: operar uma vingança, do modo mais brutal, e reafirmar sua superioridade militar e sua capacidade de dissuadir seus inimigos.

A reação do Ocidente foi de correr para a proteção de Israel, que agora tinha se revelado mais frágil do que se poderia pensar.

4- DEPOIS DO 7 DE OUTUBRO

Muitos israelenses podem se sentir vingados pelos massacres contra crianças, mulheres e idosos… palestinos em Gaza, pela destruição das cidades e pelo deslocamento da população, e podem desejar mais do mesmo, mas a vingança não vale muito se não afeta o balanço de poder.

A verdadeira questão, portanto, diz respeito à situação da balança de poder depois do ataque de outubro e dos 130 dias de conflito que se seguiram.

O primeiro fato indiscutível, confirmado por esta guerra, é que Israel tem o poder de jogar bombas do céu e atirar projéteis de longas distâncias, do mar ou da terra, que são suficientes para destruir cidades inteiras e para matar pessoas aos milhares.

Essa capacidade é garantida pelo suprimento ilimitado de armas e munições por parte dos Estados Unidos e alguns outros.

Não obstante essa verdade, está claro agora que, enquanto essa capacidade militar consegue destruir e expulsar a população civil, ela não é suficiente para assegurar vitória contra uma resistência bem treinada, altamente motivada, que luta em seu próprio território.

Depois de ter hesitado, o exército israelense decidiu invadir Gaza por terra, porque de outro modo sua superioridade militar não seria reafirmada.

Os resultados até agora mostram que Israel não consegue vencer uma guerra que se luta em proximidade e que suas perdas são maiores do que pode suportar.

A resistência palestina está relativamente confiante com os resultados da guerra e pode até declarar vitória parcial. O seu ponto fraco, no entanto, é o sofrimento da população civil.

Israel, por outro lado, não conseguindo ferir significativamente a resistência, aumenta suas apostas no ataque aos civis.

A despeito do silêncio da grande mídia, da cumplicidade de países ocidentais e da paralisia vergonhosa dos países árabes, a realidade da trágica situação humanitária veio a ser conhecida pelo mundo todo.

Os crimes de Israel que ninguém parecia poder ver ou ouvir vão se tornando visíveis! E a imagem que se revela é muito feia.

Enquanto escrevo, Israel parece decidido a atacar Rafah, onde 80% da população de Gaza buscou seu último refúgio, e a expulsar os palestinos em direção ao Egito.

Não é certo que consiga realizar isso, mas muitos em Israel veriam nisso uma vitória e um passo em direção ao estabelecimento do Grande Israel.

Até agora, não obstante os discursos politicamente corretos sobre direito humanitário e sobre preservar as vidas de civis, o Establishment ocidental está dando a Israel o tempo para tentar realizar algum tipo de vitória.

Ao mesmo tempo, esforços são empreendidos para trazer de volta do mundo dos mortos a ideia da solução dos dois Estados – apenas a ideia, não a coisa em si – para parar a guerra, convencer a Arábia Saudita a normalizar relações com Israel, e salvar Israel da derrota que sofreu no dia 7 de outubro e desde então.

*Salem Nasser/Viomundo