3 de dezembro de 2020
  • 14:02 Recorde de mortes por Covid nos EUA, 3.157 em 24hs. O pior está por vir
  • 12:14 Vídeo: Centrão, o nome eleitoral do dinheiro no Brasil
  • 11:03 Procuradoria acata pedido do PSOL contra curso preparatório para policiais que exalta chacinas
  • 09:25 Advogado ameaçou acabar com carreira de Bretas se ele não arquivasse inquérito
  • 21:57 Tribunal de Ética da OAB-SP proíbe Moro de advogar para Alvarez & Marsal

Mesmo que essa chamada pareça um pouco sensacionalista, ela não é, e vocês entenderão ao assistir ao vídeo abaixo que me foi repassado pelo meu irmão, Tadeu, que também é músico e compositor e sempre trocamos informações desde muito novos sobre tudo o que se relaciona à música brasileira.

Essa entrevista de Elis foi dada no dia 05 de janeiro de 1982, em pleno governo ditador de João Figueiredo. No dia 19 de janeiro, ou seja, 14 dias depois, Elis faleceu, estarrecendo o Brasil.

Reconhecida por nós brasileiros como a maior cantora de todos os tempos, Elis era inquieta e, assim, como não colocava amarras ou limites em sua forma de interpretar, ela colocava para fora tudo o que podia num período barra pesada em que a censura era implacável, porém, como é sabido por todos, ela sempre foi uma crítica ferrenha ao sistema implantado pela indústria de cultura de massa norte-americana no Brasil que monopolizava a produção, a difusão e a comercialização do produto cultural que a própria indústria mediocrizava cada vez mais, a ponto de ela própria confessar que, em função da massificação imposta por essa espécie de doutrina antinacional, às vezes se pegava assoviando uma música de péssima qualidade de tão entranhada em seus ouvidos.

Elis Regina tinha uma visão geral rara sobre a cultura brasileira. Ela entendeu que sua geração de grandes artistas era proveniente de ventos soprados pela Semana de Arte Moderna de 1922, comandada pelo grande guru da cultura brasileira, mas sobretudo da música, Mário de Andrade.

Com observações profundas, Elis, nessa entrevista que deu a Salomão Esper, Zuza Homem de Mello e Maurício Kubrusly , transformou sua fala num momento histórico, principalmente por sua clarividência, quando fala do estímulo à mediocridade cultural estrangeirista promovida pelo funil de interesses comerciais das multinacionais norte-americanas que dominavam o mercado fonográfico no Brasil e que isso fazia parte de um sistema de destruição da cultura brasileira.

E é nesse momento que Elis avisa que isso era uma preparação para a implantação de um pensamento neofascista no Brasil quando diz que vem por aí um homem de bigodinho, com um gesto de quem se referia claramente a Hitler e ao número 666 do anticristo. Todos riram e ela disse com a autoridade de quem entendia o panorama amplo da nossa cultura: vocês vão ver.

Assista:

*Carlos Henrique Machado Freitas

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. Pingback: A profecia de Elis Regina, em sua última entrevista, sobre a chegada do neofascismo no Brasil  – Brasdangola Blogue
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: