5 de dezembro de 2020
  • 21:44 Valor Econômico: PIB per capita deve levar dez anos para voltar ao nível do governo Dilma em 2013
  • 19:50 Youtuber bolsonarista revela acesso a bastidores no Planalto
  • 17:33 Ex-presidente do STF se diz perplexo com manobra da Corte a favor de Maia e Alcolumbre
  • 14:50 Vídeo: Precisamos falar do gabinete do ódio de Ciro Gomes
  • 14:15 Bonner e Renata Vasconcellos são intimados a depor pela polícia do Rio

Pesquisa: Nunca, desde a Guerra Civil, os americanos estiveram tão divididos, não apenas sobre Donald Trump, mas também sobre sua concepção da nação, seus valores e seus mitos fundadores, com visões opostas do passado e do futuro.

O Talbot Boys Memorial existe desde 1916 no gramado do tribunal em Talbot, na costa leste de Maryland. Lembra dos 84 soldados do condado que lutaram cinquenta anos antes contra soldados da União para defender a escravidão. Após o assassinato de George Floyd em maio, quando se falava em derrubar a estátua, o conselho do condado votou por 3 a 2 para mantê-la onde está há cento e quatro anos. “Sem justiça, sem paz!”, reclamaram os opositores. Uma cena da vida cotidiana nos Estados Unidos da América, que coloca os residentes de uma pequena comunidade uns contra os outros ao longo de uma história de 150 anos. A América então quase se dividiu em duas. A união foi feita pela força. É sólida?

Desde a eleição de Trump, as batalhas pela memória nacional revelam feridas abertas. Quer se esteja lutando para preservar monumentos confederados ou para limpar a memória das honras feitas a Jefferson – o pai fundador com 600 escravos -, a Cristóvão Colombo ou a outros conquistadores que massacraram índios, a história americana, fervendo de ódios realimentados, parece ter entrado em erupção. “A manutenção da unidade dos Estados Unidos da América não está garantida”, escreve hoje o cientista político David French. Neste momento de nossa história, não há uma única força cultural, religiosa, política ou social importante que una os americanos mais do que os separa.”

Veterano do Iraque, advogado que lida com questões de liberdade religiosa, católico, era republicano convicto – chegou mesmo a pensar em disputar as primárias – antes de se descobrir “sem tribo”, depois que em 2016 seu partido passou a ser quase irreconhecível. É desse ponto de vista de apóstata que ele observa a desintegração da unidade nacional e o imenso fosso ideológico que pode muito bem levar à divisão. Seu livro mais recente, Divided We Fall, faz parte de uma série de livros lançados este ano que refletem a sensação de caos: Why We’re Polarized, do influente analista político Ezra Klein, Union: The Struggle to Forge the Story of United States Nationhood, do ensaísta Colin Woodard, Break It Up: Secession, Division, and the Secret History of America’s Imperfect Union, de Richard Kreitner, jornalista do semanário de esquerda The Nation, ou ainda American Secession: The Looming Threat of a National Breakup, do ensaísta pró-Trump F. H. Buckley… Uma espécie de colapsologia nacional, que olha para a mesma catástrofe: a desunião.

“Guerra das culturas”

O estado de polarização extrema é talvez a única constatação compartilhada por toda a população. Mais de um quarto dos americanos terminaram uma amizade ou cortaram laços com um membro da família desde a eleição de Donald Trump. Porque as divergências não são apenas políticas. Em 2008, em The Big Sort, o ensaísta Bill Bishop já notava a auto-segregação dos americanos em comunidades social e politicamente homogêneas. Ora, quando pessoas com ideias e sensibilidades semelhantes se reúnem, elas tendem a se tornar mais radicais. Para Lilliana Mason, professora da Universidade de Maryland e autora de Uncivil Agreement: How Politics Became Our Identity (2018), a identidade política não é mais do que um componente da identidade social: tornou-se um “mega-identidade”, que fornece informações sobre “as preferências partidárias de uma pessoa, bem como sua religião, raça, etnia, gênero, bairro e mercearia favorita”. Tudo é político.

A expressão “guerras culturais” remonta a um livro publicado em 1991 pelo sociólogo James Davison Hunter. Questões de família e valores religiosos, feminismo, direitos dos homossexuais, raça, armas e aborto já haviam redefinido a política americana. No futuro, teorizou ele, as divergências agudas em torno dessas questões seriam a espinha dorsal da política em uma nação polarizada. A expressão foi retomada por Pat Buchanan, que proferiu um discurso na convenção republicana de 1992: segundo ele, Bill Clinton, então candidato, ameaçava o país com uma guerra cultural religiosa ao promover “o aborto sob demanda, direitos dos homossexuais, discriminação contra escolas religiosas, mulheres em unidades de combate”. Trinta anos depois, o movimento Black Lives Matter, as mudanças climáticas, as políticas de saúde pública e os direitos dos transgêneros foram identificados como novas frentes na guerra das culturas.

“Em geral, os americanos podem ser classificados em dois campos: aqueles que veem as mudanças do último meio século como tendo efeitos positivos principalmente em suas vidas e na sociedade americana, e aqueles que veem os efeitos dessas mudanças como sendo principalmente negativos”, escreve o cientista político Alan Abramowitz. David French coloca a questão de outra forma: “A esquerda – que domina a mídia, a academia e a cultura pop – tem sido extraordinariamente eficaz em mudar a janela de Overton”, que define a estrutura para um discurso politicamente aceitável sobre determinado assunto.

“O resultado é que as forças que empurram a borda direita da janela de Overton se tornaram tão fortes que, de muitas maneiras, elas a deslocaram”, continua French. Não há mais uma janela, há duas. [Elas] estão se distanciando tão rapidamente uma da outra que agora é difícil envolver-se em conversas de boa fé, mesmo as mais elementares, sobre algumas das questões mais críticas que definem a política americana” Nem sobre o contrato social, a forma de educar seus filhos, o direito ao porte de arma ou sua proibição, nem sobre a imigração, o direito de voto, os direitos reprodutivos das mulheres, as ciências climáticas ou o uso de mascara. Visões contraditórias do futuro e do passado.

Polarização negativa

Os Estados Unidos estão enfrentando um fenômeno de polarização negativa. Em outras palavras, a filiação a um partido político é feita menos por adesão a sua linha do que por ódio e medo do partido adversário. Não apenas os americanos estão divididos, como também fantasiam amplamente sobre suas diferenças. De acordo com artigo de 2018 do Journal of Politics, os republicanos acreditam que 32% dos democratas são LGBT (6% na verdade), que a metade são negros (24% na verdade), que 44% são sindicalizados (11%). Os democratas acreditam que 44% dos republicanos têm 65 anos ou mais – o número real é de 21%.

Cada lado, afirma David French, é animado pela “convicção ardente de que o outro lado não só quer que seus adversários percam batalhas políticas, mas quer que existam em um estado de subordinação permanente e perigoso (talvez mesmo fatal)”. Em três anos, o número de americanos que dizem se sentir justificados em usar a violência para atingir seus objetivos políticos aumentou de 8% para mais de 33%, e as vendas de armas atingiram níveis recordes neste ano.

Esse estado de evidente divisão reativa uma retórica de guerra civil. No início de outubro, foi em Gettysburg, Pensilvânia, o local da batalha de 1863 que simboliza a nação dividida, que Joe Biden fez um discurso que traçou paralelos entre os Estados Unidos da América da Guerra da Secessão e a situação atual: novamente, disse ele, o país vive uma “batalha pela alma da nação”. Duas semanas antes, foi a “grandeza” do general Lee – o comandante do exército confederado – que Trump escolheu homenagear: “ele deveria ter vencido”, quase, lamentou-se, se não fosse por Gettysburg.

“Guerra Civil Fria”

Então haveria duas Américas em vez da união que Trump governa hoje. Ele regularmente se apresenta como o presidente de apenas uma parte da América: aquela que o apóia. Se gabando de seu histórico na pandemia, por exemplo: “Se você tirar os estados azuis [democratas]”, declarou, “estamos em um nível que acho que ninguém no mundo poderia alcançar.» Remover os estados azuis? “Muitas vezes encarado como não muito sério ou ilusório, o novo secessionismo – um retorno à Confederação – revela divisões na vida americana que talvez não sejam menos intratáveis %u20B%u20Bdo que aquelas que levaram à primeira Guerra Civil”, escreve Richard Kreitner .

Em 2018, 31% dos americanos acreditavam que uma guerra civil seria possível em cinco anos. A perspectiva está sendo explorada pela mídia de extrema direita, tanto para alimentar o temor de uma vitória democrata e seu hipotético surto de “antifas”, quanto para intimidar os liberais. Em um sentido menos literal de guerra, fala-se sobretudo de uma “guerra civil fria”. O processo de impeachment de Trump, as teorias de conspiração da extrema direita sobre o Estado profundo ou manifestações violentas são às vezes analisados por ambos os lados como sinais de uma guerra civil em ato.

“A guerra civil é como o dragão gigante que cochila da história americana, sempre pronto para se levantar quando menos esperamos e cuspir contra nós seu fogo insuportável”, escreveu o grande historiador David Blight no [The] Guardian. Esta nação, a mais diversa do mundo, é ainda uma experiência, e estamos mais uma vez em uma situação política que nos faz pensar se não estamos à beira de um novo tipo de conflito civil.”

Demandas secessionistas

Após a Guerra Civil, em 1869, a decisão da Suprema Corte do caso Texas v. White afirma que os estados não têm o direito de se separar unilateralmente. Mas a tentação separatista não desapareceu. Em 2012, quando Obama foi eleito, o site da Casa Branca recebeu petições de secessão de 50 estados; a do Texas foi o mais popular, com mais de 125.000 assinaturas. Na sequência da vitória de Trump, foi a ideia de um “Calexit”, uma Califórnia independente (majoritariamente progressista e em desacordo com o país em muitas questões da sociedade) que de repente ganhou popularidade.

Em 2017, uma pesquisa revelou que mais de 20% da população de Vermont acreditavam que o estado deveria considerar “deixar pacificamente os Estados Unidos e se tornar uma república independente, como fez de 1777 a 1791″. Reivindicações secessionistas são encontradas até mesmo nos dois últimos estados a fazerem parte da União, Alasca e Havaí. Há movimentos separatistas ao nível das regiões, das cidades. Projetos de secessionismo étnico, como o da Liga do Sul, que sonha em reconstituir uma neoconfederação branca. Propostas transnacionais, como a de Cascadia, uma bio-república progressista formada pelo norte da Califórnia, Oregon, estado de Washington e as províncias canadenses British Columbia e Alberta.

A lista de movimentos separatistas ativos também compreende projetos de República Negra, Sioux e Lakota … Há também propostas para dividir os Estados Unidos em dois, cinco, sete, seis, nove, onze, doze, treze pequenos países. “Paradoxalmente, a desunião tem sido uma de nossas únicas ideias verdadeiramente nacionais”, escreve Richard Kreitner. A secessão é o único tipo de revolução que nós, americanos, conhecemos e a única que tivemos a chance de ver.”

O medo da desunião

Afinal, os próprios Estados Unidos nasceram da secessão. Na sua história de quatrocentos anos [dos Estados Unidos] da América, Break It Up: Secession, Division, and the Secret History of America’s Imperfect Union, Richard Kreitner afirma que os fundamentos da nação sempre foram frágeis: “Desunião – a possibilidade de que tudo isso desabe – é um fio oculto em toda nossa história, da era colonial ao início da República e da Guerra de Secessão e além, passando pelo lendário século americano até nosso próprio período de instabilidade.” O mito de uma nação unificada não seria nada mais do que isso, “um mito”. A constante ameaça de desunião mostra mais a fragilidade da união do que sua capacidade de resistência?

“Antes da Guerra [da Independência], um dos principais argumentos contra a saída do Império era que a identidade britânica comum era uma das poucas coisas que permitia que as colônias permanecerem em paz”, escreve Colin Woodard em Union: The Struggle to Forge the Story of United States Nationhood. Se uma nação pode ser descrita como um povo com um senso de cultura, história e pertença comuns, na verdade havia meia dúzia no interior desses “Estados Unidos”. Depois da Revolução Americana, completa, a “solução ad hoc” foi celebrar a vitória comum contra os britânicos, mas as diferenças fundamentais não foram abordadas. O que tinham em comum os primeiros treze estados? “Só poderia ficar claro para todos que essas independências separadas, como as pequenas cidades da Grécia, estariam eternamente em guerra umas com as outras e se tornariam, a longo prazo, meros apoiadores e satélites das grandes potências europeias”, escreveu então Jefferson.

“Os fundadores são atormentados pela desunião”, explica Romain Huret, historiador dos Estados Unidos e diretor de estudos da École des Hautes Etudes en Sciences Sociales (EHESS). Viviam a angústia da ideia de que a união é composta por estados com sistemas econômicos e sociais muito diferentes, valores muito diferentes, e que será necessário acomodar divisões muito profundas. O sistema político foi inventado para lutar contra as divisões.” A Convenção Constitucional de 1787 foi convocada em resposta a esta crise crescente e forneceu um remédio legalista: um governo federal mais forte, limitado por freios e contrapesos. ‘O objetivo era garantir que nenhum bloco de colônias – nenhuma cultura regional – pudesse impor sua vontade às outras”, escreve Colin Woodard.

“Isso ajuda a explicar por que o culto à Constituição persistiu por tanto tempo: a ideia de ‘nós, o povo’ é muito poderosa”, comenta Jeffrey Rosen, presidente do National Constitution Center, organização que convida liberais e conservadores a discutirem o texto para além de lógicas partidárias. “Nestes tempos de grande polarização, talvez a única ideia com a qual os dois lados possam concordar é que a Constituição representa os ideais dos americanos”, continua. Eles não concordam em absoluto sobre o significado do texto. Mas eles concordam que a Constituição é nossa estrela polar. ”

Uma “quarta batalha pela Constituição”

Mesmo assim, Jeffrey Rosen acredita que o país vive sua “quarta batalha pela Constituição”. As três primeiras – a Revolução, a Guerra da Secessão e o New Deal – “lidavam todos com o tamanho e a extensão do poder federal”. A quarta batalha “faz eco às três anteriores e resume o status único da Constituição na vida americana como o documento impar, que tanto nos divide quanto nos une”. Com a confirmação da juíza Amy Barrett, nomeada in extremis por Donald Trump, “há seis votos na Suprema Corte para reviver a Constituição originalista”, explica Jeffrey Rosen.

Originalismo é uma filosofia constitucional defendida em particular pelo falecido juiz Antonin Scalia, mentor muito conservador de Amy Barrett, que defende uma interpretação da Constituição no sentido que tinha quando se tornou lei. Assim, Clarence Thomas, outro juiz originalista da corte suprema, considera que a maior parte das principais decisões tomadas desde o New Deal traíram o sentido original da Constituição e deveriam ser anuladas. Em contraste, o “constitucionalismo vivo” acredita que o significado do texto deve mudar com o tempo, à medida que a sociedade evolui.

A quarta batalha pela Constituição pode levar a uma série de decisões transformadoras que podem restringir significativamente o escopo do poder federal pela primeira vez desde 1937. “Este texto tem valor sagrado para alguns”, analisa Romain Huret. Os conservadores acreditam que este texto é divinamente inteligente, que cada palavra foi pesada. Mas podemos fazer interpretações literalmente opostas. A palavra “bem-estar” [welfare], por exemplo: o que os Pais Fundadores entendiam por “bem-estar”? Um convite à felicidade, como o Iluminismo? Ou pode significar o direito à segurança social? ”

Em busca da “própria origem” da nação

“Pode-se dizer que a história americana, a interpretação da revolução americana, sempre foi uma questão política”, resume o historiador Pap Ndiaye. A história dos monumentos confederados “erguidos nos anos entre as guerras, na década de 1950, sempre foi denunciada. A população afro-americana nunca concordou com a construção dessas estátuas, há uma longa história de protesto. As estátuas do General Lee são um século de opressão e segregação no sul.” Elas narram uma genealogia da vontade de afirmar o poder branco. As agitações e debates em torno da história americana não são tanto uma “destruição de nossa história”, como disse Donald Trump, mas o sintoma óbvio de uma necessidade de reescrever uma narrativa nacional que não seja fragmentada e mistificada. “As nações, escreve a historiadora Jill Lepore em This America: The Case for the Nation (2019), “são compostas de pessoas, mas estão unidas pela história (…). Há uma geração, a história americana se desfaz e a nação se desagrega. As nações, para entender quem são, precisam chegar a um acordo com seu passado.”

“Há um debate muito acalorado na América sobre a relevância dos fundadores”, observa Jeffrey Rosen. À esquerda, os progressistas argumentam que a fundação da América foi fatalmente marcada pela escravidão, na qual os próprios fundadores, quando proclamaram a igualdade, possuíam escravos e quase todos se opunham ao direito de igualdade das mulheres, e que é crucial sublinhar a imperfeição da história. Os conservadores replicam que os fundadores, embora tenham traído seus princípios de escravidão, abraçaram os ideais do Iluminismo, que mais tarde foram usados %u20B%u20Bpara acabar com eles. “Enquanto a América tiver uma política racial, ela terá uma memória de guerra civil política”, escreveu David Blight em 2001 em Race and Reunion: The Civil War in American Memory.

E se a certidão de nascimento da América não fosse a Revolução, mas a chegada dos primeiros escravos? Os historiadores têm debatido a questão desde que o New York Times lançou em 2019 um projeto de longo prazo denominado “The 1619 Project”, em referência à data em que um navio transportando vinte homens vindos da África chegou a Virgínia. Mais do que um pecado original, a chegada desses primeiros escravos constituiria a “própria origem” da nação, o ato fundador de um sistema que irrigou tudo que faz a América, sua riqueza, seu racismo, seu sistema eleitoral, de saúde, sua cultura …

O jornalista responsável pelo projeto recebeu o Prêmio Pulitzer. Os historiadores agora pedem que tal prêmio seja revogado, em nome dos “erros factuais, generalizações especiosas e interpretações forçadas” que sustentam seu projeto. Nas próprias colunas do New York Times, o jornalista Bret Stephens critica o projeto e sua visão “monocausal” da história nacional. “E quanto, por exemplo, às ideias da Primeira Emenda? Ou o espírito de abertura que trouxe milhões de imigrantes a lugares como a Ilha Ellis? Ou a visão de mundo iluminada do Plano Marshall e da ponte aérea a Berlin? (…) Que lugar ocupa o racismo anti-negro nas desonras americanas, como a brutalização dos ameríndios, a lei de exclusão dos chineses ou o internamento dos japoneses da América durante a Segunda Guerra Mundial?“ Por meio dessas conversas, buscamos o princípio explicativo, a razão de ser do país, que não mais reina sozinho no mundo, nem vive à altura de seus ideais fundadores. Talvez um dia eles tornem possível ressoar os “acordes místicos da memória”, como dizia Jefferson, que têm o poder de ligar o passado e o presente em um todo harmonioso.

*Publicado originalmente em ‘Le Monde’ | Via Carta Capital/ Tradução de Aluisio Schumacher

Siga-nos no Whastapp: https://chat.whatsapp.com/FDoG2xe9I48B3msJOYudM8

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68
Agradecemos imensamente a sua contribuição

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: