5 de agosto de 2021
  • 15:23 Mourão joga bola nas costas de Bolsonaro e defende terceira via
  • 13:58 STJ concede liberdade a Paulo Galo, líder dos entregadores de aplicativos
  • 13:35 Bolsonaro ameaça Alexandre de Moraes: ‘A hora dele vai chegar’
  • 12:20 Bolsonaro hostilizou e China reduziu em 74% investimentos no Brasil
  • 10:44 CPI: Assista ao depoimento de Airton Cascavel, número dois informal de Pazuello

Grondona parecia trazer certa satisfação em seu semblante. Realmente, era o doping de Maradona na Copa dos Estados Unidos. Ele estaria sendo punido porque dias antes comentou que a Fifa estava errada ao permitir jogos sob calor escaldante. E foi além em sua sinceridade habitual: a Fifa só tomaria alguma atitude para mudar esses horários determinados pelas emissoras de TV quando alguns jogadores morressem em campo. A ousadia custou caro a Diego Maradona.

Eli Coimbra foi um dos melhores repórteres que tive o prazer de conhecer. Descontraía o ambiente com sua chegada. Com seu jeito espontâneo e conhecimento do mundo do futebol. Mas naquela manhã de 1986 estávamos completamente perdidos na capital mexicana. O treino da Argentina no campo do Club América já tinha terminado. As entrevistas já tinham sido dadas. Nossa equipe de reportagem (éramos do pool SBT-Record) tinha se perdido no bairro de Santa Úrsula e quando chegamos vimos todos os jornalistas indo embora e os jogadores argentinos caminhando em direção oposta, a caminho do vestiário.

Foi então que Eli Coimbra gritou:

“Maradona, Maradona, uma entrevista para los pobrecitos del Brasil! Maradona!”

E docemente o ídolo…

O craque…

O autor do gol mais justiceiro de todos os tempos do futebol mundial levantou sua mano de Diós, virou-se e veio em nossa direção.

Abraçou o Eli, cumprimentou nossa equipe, que tinha o cinegrafista Ruy, o operador de VT e eu.

E se pôs à disposição para falar sobre o próximo jogo dos argentinos, que seria contra a Bélgica.

Maradona não tinha afetação.

Não tinha comportamento de estrela.

Era apenas um Diós do futebol.

Voltamos orgulhosos para a redação no Centro de Imprensa, que funcionava na sede da Televisa, a grande emissora do México.

Tínhamos uma reportagem exclusiva com o maior jogador do planeta e eu tinha conhecido de perto um grande ídolo.

E no jogo contra a Bélgica eu estava no Estádio Azteca.

E vi uma de suas obras de arte.

Antes da final contra a Alemanha, os jornalistas argentinos vinham saber o que os periodistas brasileiros achavam do grande duelo. Eu fui tão enfático, cravei a vitória portenha com tanta certeza, que me levaram ao estúdio deles de rádio para uma entrevista ao vivo.

E acertei até o placar da final: 3 a 2 para nossos hermanos, bicampeões mundiais de futebol.

Anos depois, exatamente oito anos, estava trabalhando na equipe do SBT em Dallas, no Centro de Imprensa da Copa de 94. Nossos vizinhos eram os argentinos da Telefe.

Maradona era uma das raras estrelas de um Mundial sem muita graça ou talentos.

Pelo que soubemos, tinha aceitado fazer uma dieta rigorosa e fazer uso de substâncias proibidas no esporte para entrar em forma. Era um acerto oficial entre os dirigentes sequiosos por uma atração e o estafe de Maradona.

De qualquer maneira, era Diego Maradona.

Ele era o diferencial.

Um belo dia, um repórter da Telefe entrou em nossa sala e afirmou que havia um jogador argentino apanhado no doping. Não se sabia quem era.

Mas era um furo de reportagem.

Lembro que o doutor Osmar de Oliveira, nosso narrador e apresentador, se postou diante das câmeras para dar a notícia.

Duas horas depois, o mesmo repórter da Telefe trouxe um vídeo em que o dirigente Julio Grondona passava à frente dos repórteres que cobriam o treino e soletrava: “O jo…ga…dor… é…Ma…ra…do…na”.

O dirigente parecia trazer certa satisfação em seu semblante.

Realmente, era o doping de Maradona na Copa dos Estados Unidos.

Ele estaria sendo punido porque dias antes comentou que a Fifa estava errada ao permitir jogos sob calor escaldante. E foi além em sua sinceridade habitual: a Fifa só tomaria alguma atitude para mudar esses horários determinados pelas emissoras de TV quando alguns jogadores morressem em campo.

A ousadia custou caro a Diego Maradona.

Os dirigentes se sentiram traídos por suas declarações sempre autênticas e se sentiram no direito de trair…

O “trato de cavalheiros” foi desfeito.

Mas não faz mal.

O dirigente argentino passou.

Os dirigentes da Fifa passaram.

Todos os que o traíram não fazem mais parte da história.

Só Maradona, porque Dieguito jamais será esquecido.

 

*Roberto Salim/Ultrajano

 

Siga-nos no Whastapp: https://chat.whatsapp.com/FDoG2xe9I48B3msJOYudM8

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68
Agradecemos imensamente a sua contribuição

 

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: