28 de janeiro de 2021
  • 21:57 Marinha pagou R$ 533 em lata de chantilly e gastou R$ 128 mil em paçoca
  • 18:55 Bolsonaro, sobre o leite condensado, repete a tática contra jornalistas que usou no caso do depósito de R$ 89 mil de Queiroz para Michelle
  • 17:15 Vídeo: Em claro desespero com o escândalo do leite condensado, Bolsonaro manda imprensa para a puta que pariu
  • 16:13 Em ÁUDIO, empresa nega venda de leite condensado na proporção indicada pelo governo Bolsonaro
  • 15:03 Desesperado, Bolsonaro apela para que caminhoneiros não façam greve na próxima semana

Fenômeno das abstenções torna imprevisível resultado da eleição em SP; Datafolha aponta que 1 em cada 5 entrevistados sente-se inseguro para ir votar.

Nada mais simbólico para uma eleição histórica na qual o principal vetor de composição do voto é a pandemia do novo coronavírus do que, na maior cidade do país, um dos epicentros da doença, o candidato que vinha oscilando positivamente na reta final, Guilherme Boulos (PSOL), tenha o diagnóstico às vésperas do pleito. E que o líder na disputa, o prefeito Bruno Covas (PSDB), também já a tivesse contraído durante a gestão da crise.

O fato ilustra não só o imponderável sobre o processo eleitoral como o quanto diferentes fatores agem sobre as intenções de voto até o comparecimento às urnas.

O cancelamento do debate que estava previsto para a noite da última sexta-feira (27), por exemplo, eliminou uma variável importante.

Em cenário tão atípico, impossível prever se ainda haverá movimento. Além da alta taxa de eleitores que se mostram indecisos ou que ainda cogitam mudá-lo (somados, correspondem a 17%), a decisão sobre qualquer opção passa antes pela disposição ou condição do paulistano em comparecer às urnas.

Cerca de um em cada cinco entrevistados pelo instituto sente-se inseguro para votar neste domingo em razão da pandemia, e aproximadamente 12% admitem que podem se ausentar.

E não é o grupo de risco, mais idoso e majoritariamente pró-Covas, que mais verbaliza o temor —entre os jovens, segmento onde Boulos tem quase 70% dos votos válidos, o medo supera em 11 pontos percentuais o índice verificado entre os que têm 60 anos ou mais.

A esse número deve ainda ser somado o problema crônico da desatualização do cadastro de eleitores que em São Paulo, chega a 40% (sem o registro biométrico).

O crescimento nas abstenções no primeiro turno ficou acima da média em bairros periféricos como nas zonas eleitorais de Guaianazes, Cidade Tiradentes, Perus e Brasilândia, e foi protagonizado por eleitores de baixa renda, como mostrou a primeira pesquisa feita pelo Datafolha na segunda etapa da disputa.

O dado torna imprevisível o efeito do fenômeno sobre o resultado da eleição —apesar de Covas atrair a maioria dos que ganham até cinco salários mínimos, essas regiões das zonas leste e norte foram as áreas onde Boulos mais evoluiu no segundo turno.

 

*Com informações da Folha

Siga-nos no Whastapp: https://chat.whatsapp.com/FDoG2xe9I48B3msJOYudM8

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68
Agradecemos imensamente a sua contribuição

 

 

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. hiltonferreiramagalhes Posted on 29 de novembro de 2020 at 09:54

    É uma pena que o Boulos pegou a Covid-19, a tal tão desprezada pelo Clã bolsonarista. Mas, pode-se que haja um fenômeno parecido do que aconteceu no Rio quando o desconhecido juiz corrupto venceu a eleição. É um grande momento para quebrar o dito monopólio eleitoral dos muretas do PSDB. Há anos que dominam o estado de São Paulo que, por incrível que parece, tem votos majoritariamente conservadores de direita. As ideias dos Boulos carregam muito mais confiança do que a do Covas. Torcemos!

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: