14 de janeiro de 2022
  • 08:11 Ômicron: quais são os sintomas da nova variante comparados aos das anteriores
  • 21:45 Lula cresce 6% em pesquisa espontânea e lidera com folga, mostra Exame/Ideia
  • 21:09 Se o PT voltar ao poder, Bolsonaro vai deixar o Brasil
  • 19:57 Vídeo: declaração cretina de Dória explica por que ele tem 2% de intenção de voto
  • 17:44 Luiz Gonzaga Belluzzo: O narcisismo do apocalipse

A variante ômicron está se espalhando rapidamente pelo mundo — e estudos sugerem que é a mais contagiosa até agora.

A variante ômicron está se espalhando rapidamente pelo mundo — e estudos sugerem que é a mais contagiosa até agora.

No entanto, diferente de outras variantes, que atingiram a população quando as taxas de vacinação eram menores, agora o índice de hospitalizações e de óbitos tem se mostrado menor – e, em alguns casos, sintomas mais leves têm se mostrado semelhantes a resfriado ou gripe.

Apesar disso, a rapidez com que a ômicron é transmitida continua a sobrecarregar os sistemas de saúde — e ela segue sendo uma ameaça para não vacinados e pacientes de risco. A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou, na semana passada, que a ômicron não deve ser descrita como branda, já que está matando pessoas em todo o mundo.

Mas como posso saber se tenho covid-19 ou outra doença respiratória leve?

Sintomas da ômicron

“Achamos que a ômicron é muito mais semelhante às variantes leves que temos visto em pessoas vacinadas, como a delta principalmente”, diz à BBC o professor Tim Spector, epidemiologista da Universidade King’s College London, que dirige o estudo Zoe Covid, que analisa a disseminação e os sintomas da doença no Reino Unido.

O estudo Zoe Covid vem coletando dados de milhares de pessoas infectadas que registram seus sintomas em um aplicativo. Assim, os pesquisadores conseguem analisar os sintomas relacionados à variante delta e à ômicron.

Até agora, os cinco sintomas mais comuns são:

– Secreção nasal;

– Dor de cabeça;

– Fadiga (leve ou grave);

– Espirro;

– Dor de garganta.

Fonte: Estudo Zoe Covid, King’s College London

Parte destes sintomas mais brandos se devem sobretudo ao grande número de pessoas vacinadas ou com imunidade adquirida.

É muito cedo para saber como a ômicron afetará os não vacinados e as pessoas com um sistema imunológico mais fragilizado.

O epidemiologista do King’s College observa que, como muitos dos sintomas relacionados agora à variante ômicron são semelhantes aos do resfriado, isso pode levar as pessoas a “talvez não reconhecerem a infecção como covid”.

Ou seja, em regiões onde a ômicron está se espalhando rapidamente, é muito provável que alguém com sintomas de resfriado tenha covid, como está acontecendo em Londres, uma das cidades com maior incidência de ômicron.

Se você suspeitar que está com covid, o mais importante é fazer o teste o quanto antes. Mesmo quem está com sintomas leves ou assintomático pode colocar outras pessoas em risco.

Variantes anteriores do coronavírus apresentavam sintomas como febre, tosse, perda de paladar e de olfato. Mas, segundo Spector, a maioria das pessoas que está reportando novas infecções agora não apresenta estes “sintomas clássicos” de covid.

Alerta para os sintomas

Mesmo que, para alguns, a covid possa parecer “um resfriado forte”, com sintomas como dor de cabeça, dor de garganta e secreção nasal, o serviço público de saúde britânico (NHS, na sigla em inglês) indica que devemos continuar atentos aos sintomas clássicos da covid:

– Tosse contínua e súbita;

– Febre ou temperatura alta;

– Perda ou alteração no olfato e paladar.
A febre é um sintoma claro de covid?

Uma temperatura a partir de 37,8°C é considerada alta.

A febre pode ocorrer quando o corpo está combatendo uma infecção, não apenas o coronavírus.

É melhor usar um termômetro. Mas se você não tiver um, verifique se está quente ao tocar seu peito ou costas.

Covid-19: Medir a temperatura nos espaços públicos? «É inútil», defende  Fauci – Executive Digest

É improvável que um resfriado comum cause febre. Por isso, em caso de febre, é recomendável fazer um teste para descartar que você tenha coronavírus.

Como devemos encarar a tosse?

Se você estiver gripado ou resfriado, provavelmente terá tosse e outros sintomas.

A gripe costuma aparecer de repente, e os pacientes muitas vezes sentem dores musculares, calafrios, dores de cabeça, cansaço, dor de garganta, secreção ou congestão nasal, junto com tosse. Parece pior do que um resfriado forte.

Já os resfriados tendem a se desenvolver mais gradualmente e são menos graves, embora nos façam sentir mal.

Junto com a tosse, pode haver espirros, dor de garganta e secreção nasal. Sintomas como febre, calafrios, dores de cabeça e musculares são pouco frequentes.

A tosse decorrente do coronavírus implica em tossir muito por mais de uma hora, ou ter três ou mais ataques ou “episódios” de tosse em 24 horas.

Se você desenvolver uma tosse nova e contínua, deve fazer o teste de covid.

O que significa perder o paladar ou olfato?

Estes são os principais sintomas do coronavírus e significam que você deve fazer o teste.

Pessoa com luva segura frasco em que se lê ômicron

E se meu nariz estiver escorrendo ou entupido?

Não é um dos principais sintomas do coronavírus, mas várias pesquisas sugerem que pessoas que testaram positivo apresentaram estes sintomas.

As diretrizes sanitárias dos Estados Unidos, por exemplo, incluem todos estes sintomas como possíveis em caso de infecção por coronavírus:

– Febre ou calafrios;

– Tosse;

– Falta de ar ou dificuldade para respirar;

– Fadiga;

– Dores musculares ou no corpo;

– Dor de cabeça;

– Perda de olfato ou paladar;

– Dor de garganta;

– Secreção ou congestão nasal;

– Náusea ou vômito;

– Diarreia.

Os dados da África do Sul indicam que algumas pessoas relataram problemas digestivos como um possível sintoma de ômicron.

Casos graves

Após 21 dias, São Paulo volta a ter ocupação de leitos de UTI abaixo de 90%  - Folha PE

Dados preliminares e estudos sobre a ômicron sugerem que esta variante tem se mostrado menos severa que as anteriores. Isso se deve em parte às mutações do vírus, mas acima de tudo à proteção das vacinas e da imunidade natural.

No entanto, a velocidade sem precedentes com que a ômicron é transmitida continua sendo um desafio — e muita gente, sobretudo pacientes com certas doenças prévias, continuam correndo risco.

As pessoas infectadas com coronavírus podem apresentar uma ampla variedade de sintomas, que variam de leves a graves. Algumas ficarão assintomáticas, mas ainda assim podem ser infecciosas.

Os sintomas podem aparecer até duas semanas após a exposição ao vírus, mas geralmente isso acontece por volta do quinto dia. Leia aqui sobre quando uma pessoa com ômicron deixa de ser contagiosa, com ou sem sintomas.

Dificuldades respiratórias podem ser um sinal de uma infecção mais grave.

*Publicada no Correio Braziliense

Siga-nos no Telegram

Caros Leitores, precisamos de um pouco mais de sua atenção

Nossos apoiadores estão sendo fundamentais para seguirmos nosso trabalho. Leitores, na medida de suas possibilidades, têm contribuído de forma decisiva para isso. Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica

Agência: 0197
Operação: 1288
Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: