5 de dezembro de 2020
  • 13:07 “2021 será literalmente catastrófico”, prevê Assembleia Geral da ONU
  • 11:28 No Senado, PT garante vacinação gratuita e universal contra Covid-19
  • 10:12 Gabinete do ódio, o ministro Moro sabia de tudo e nada fez
  • 21:44 Valor Econômico: PIB per capita deve levar dez anos para voltar ao nível do governo Dilma em 2013
  • 19:50 Youtuber bolsonarista revela acesso a bastidores no Planalto

E se você pudesse começar de novo?
E se você pudesse voltar no tempo e mudar algumas situações?
E se você pudesse passar uma borracha em tudo o que pra você não foi bom ou poderia ser evitado?
E se você tivesse hoje em mãos o poder de voltar lá e mudar o que não saiu exatamente como havia planejado?
E se você tivesse tentado um pouco mais?
E se você tivesse ido antes?
E se você tivesse feito outra escolha?
E se você não tivesse insistido tanto?
E se você tivesse dado um basta?
E se você tivesse feito escolhas diferentes?
E se eu tivesse largado tudo?
E se eu não tivesse me largado?
E se eu tivesse dito adeus?
E se eu tivesse dito mais “eu te amo”?
E se eu tivesse me amado mais?
E se eu não esperasse tanto?
E se eu não tivesse tido tanto medo?
E se eu tivesse tido mais coragem?
E se eu tivesse tentado?
E se eu tivesse?
E se eu?
E se?

O fato é que nenhuma dessas perguntas tem resposta, porque o que foi já passou e o presente é a resposta das decisões que tomamos antes, das escolhas que fizemos ao longo dessa jornada.
A grande verdade de tudo isso é que onde estamos hoje é resultado das escolhas que fizemos no passado e isso vale para o micro e é resultante também do macro, ou seja, do que nos envolve e nos afeta. Somos fruto e agentes do meio. Assim sendo, uma palavra dita e uma palavra não dita tem a mesma potência originária, assim como o movimento. E cabe a nós fazer essa escolha.

Podia ter sido diferente? No presente, o futuro é sempre uma possibilidade, mas o que está feito, está feito. Mas saiba que se você move uma vareta, as outras se movem também, esse é grande lance do jogo. Diante disso, saiba que qualquer que fosse a escolha, a mudança, o caminho escolhido, o fato a ser apagado, movido, substituído, necessariamente moveria todas as peças do xadrez ou muitas delas. Não se pode separar um fio sem desfazer toda a trama.

Agora, estando consciente de que essa trama é tecida por você neste grande tear chamado vida, você pode escolher trocar o fio, ir numa direção diferente do ponto onde parou, acrescentar novas cores, interromper padrões de tramas que não saíram exatamente como gostaria, mudar o desenho, iniciar um novo ponto, abrir espaços entre as linhas, mudar a lógica do tecer, inverter, virar de cabeça pra baixo, inventar algo novo, ousar o que ainda não experimentou, criar, mudar a direção…sim…tudo isso é possível! Até mesmo não tecer mais e dar um nó no último ponto pra firmar tudo o que foi construído até aqui.

Se pensarmos na vida como um grande tear, veremos que tem um início, um meio, um fim, que requer movimento, escolhas, consistência, criação, liberdade, que segue uma certa lógica, mas que também é repleta de possibilidades. E que enquanto estamos em movimento, nós e o tear, damos sentido à sua existência, mas se pararmos, ele perde sua função, sua beleza sua “utilidade”, sua capacidade criativa, sua arte, interrompemos um processo que existe enquanto em movimento, mas que na estaticidade é como se deixasse de existir, ali parado, mudo, empoeirado.

E assim é a vida, ela existe no movimento, na criação, nas escolhas, ainda que olhemos para elas e cheguemos à conclusão de que não foram as melhores, mas pelo menos foram um movimento em alguma direção, que no momento do passo, acreditamos ser o melhor caminho.

A grande questão nesse caminho, é quando deixamos de escolher, quando nos acuamos com medo de tomar alguma direção, quando jogamos para não perder, quando ficar parado se torna mais seguro.

É como se o tear parasse, dando-nos a falsa sensação de que isso é vida. Com medo de mover e ele quebrar, com medo de mexer num fio e ele não sair como você imaginou, fosse sinônimo de que todo o tecido está perdido. Com medo de mudar a direção e no novo desenhar e dançar dos fios acabar por dar um nó e interromper a trama. Sem se dar conta de que nós de desfazem, de que nós marcam pontos, mas também recomeços. O tear parado é como se morrêssemos aos poucos, é como se ao invés de viver, passássemos a sobreviver.

E aí as coisas vão perdendo a cor, o cheiro, o sabor. Aí começa a não fazer sentido. Aí começamos a nos perguntar e se?

É quando paramos de nos mover que vamos perdendo a capacidade de olhar pra frente, é como se parássemos de olhar pelo vidro do carro e passássemos a olhar a vida pelo retrovisor. Se não estamos nos movendo estamos morrendo.
Então, se tem algo que você pode se perguntar agora é:

E se eu levantar dessa cadeira e começar tudo de novo?
E se eu fizer voltar a girar esse tear?
E se eu ousar mudar e fazer diferente?
E se eu entender que já não sou a mesma e que tudo bem?
E se eu construir novas tramas com os fios de quem eu sou hoje?
E se eu mudar a direção das linhas?

São tantos os teares, são tantos os fios, são tantas as possibilidades de cores, caminhos, combinações. São tantos os movimentos!

E basta pisar nesse pedal, pois quando você se movimenta, tudo se movimenta!
Escolha uma cor, um fio, uma direção e, sem pressa, inicie o movimento. Começa em você. Movamo-nos! Teçamos novos fios!
Vamos renascer em novas tramas.

 

*Aressa Rios – Doutora em Cultura Popular pela Unirio

*Imagem destaque – Tecelão Van Gogh

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: