25 de setembro de 2020
  • 22:05 Lula: um país sério primeiro alimenta seu povo, depois vai exportar
  • 20:37 Quem paga tudo com dinheiro vivo como o clã Bolsonaro, é contraventor
  • 18:45 “Deixa o gado pastar que evita o fogo”, diz Alexandre Garcia sobre incêndio no Pantanal
  • 16:36 Por unanimidade, TRE-RJ decide, Crivella está inelegível até 2026
  • 14:20 Vídeo – Discurso de Lula no evento internacional em parceria com a ONU: “Depende de nós acender a luz nas trevas”

O clone de anticorpos para produzir uma terapia pode ser capaz de tanto combater o vírus de doentes, como também proteger o sistema imune dos que não foram contagiados.

No meio científico, a pandemia do novo coronavírus caminha entre medicamentos sem suficiente comprovação de eficácia e vacinas que estão a meses ou anos de serem concluídas. Uma terceira opção está sendo apostada pelo pesquisador brasileiro Michel Nussenzweing, da Universidade Rockefeller, em Nova York (EUA): o clone de anticorpos para produzir uma terapia capaz de tanto combater o vírus, como também proteger o sistema imunológico dos que não foram contagiados.

O cientista Nussenzweig publicou o avanço de sua pesquisa no site BiorXiv, informando que já dará início à fase de testes em pessoas entre junho e setembro deste ano. A partir do mês que vêm, o estudo preliminar deverá verificar na prática os resultados as proteínas de ataque do sistema imune, que foram reproduzidas em laboratório por um sistema similar ao clone das de pacientes que já superaram o Covid-19. O GGN teve acesso ao estudo [abaixo].

São anticorpos “monoclonais” produzidos a partir da análise do sangue de 68 pacientes recuperados, e detectando um material que o cientista acredita ser capaz de, no formato de dose proteica, combater o vírus em pacientes com complicações e em fase aguda e também em prevenir que pessoas se contagiem.

“Embora ainda não exista vacina, é provável que os anticorpos sejam essenciais para a proteção. No entanto, pouco se sabe sobre a resposta do anticorpo humano ao SARS-CoV-2. Aqui relatamos 68 indivíduos convalescentes da COVID-19”, aponta a pesquisa.

Ao analisar o sangue desses pacientes, Michel Nussenzweing identificou que apesar de se tratar de anticorpos diferentes, havia semelhanças na estrutura dessas proteínas que eram capazes de se conectar à superfície do coronavírus, e decidiu reproduzir em laboratório células com estas características. “A clonagem de anticorpos revelou clones expandidos de células B de memória específica para RBD que expressam anticorpos intimamente relacionados em diferentes indivíduos”, explica na introdução do artigo publicado.

A pesquisa ainda revelou que os pacientes recuperados do Covid-19 precisaram de somente pequenas quantidades desses anticorpos para neutralizar o coronavírus, o que foi considerado um ponto positivo para o uso desses anticorpos em vacinas futuras. Assim, o estudo indicou que “as vacinas que induzem especificamente anticorpos direcionados ao SARS-CoV-2 RBD podem vir a ser eficazes”.

“A maioria dos plasmas convalescentes obtidos de indivíduos que se recuperam do Covid-19 sem hospitalização não contêm altos níveis de atividade neutralizante. No entanto, foram encontrados em todos os indivíduos testados anticorpos específicos para RBD raros, porém recorrentes, com atividade antiviral potente, sugerindo que uma vacina projetada para obter tais anticorpos poderia ser amplamente eficaz”, traz o estudo.

Entretanto, neste último aspecto, de se utilizar estes anticorpos para vacinas, a pesquisa apontou que as reações do sistema imunológico do paciente hospedeiro podem tanto aumentar a imunidade e ajudar a limpar o vírus e as células infectadas, como também “podem levar ao aprimoramento da doença”, situação que foi vista durante as pesquisas de vacinas contra a dengue, e que “possivelmente podem ocorrer em infecções por coronavírus”.

“Esse problema impediu o desenvolvimento da vacina contra a dengue, mas não interferiu no uso clínico de anticorpos neutralizantes potentes que podem ser modificados para evitar interações com o receptor gama Fc e permanecer protetores contra patógenos virais”, apontou o estudo, indicando assim que o uso desses anticorpos clonados em terapias clínicas podem ser eficientes, além de seguras e mais facilmente desenvolvidas em um menor período.

 

 

*Com informações do GGN

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: