2 de março de 2021
  • 16:03 Editor da revista Piauí questiona Moro sobre mansão de Flavio Bolsonaro: “casa de traficante da Netflix”
  • 14:54 Procuradores da Lava Jato admitem, denúncias do triplex e sítio eram capengas
  • 14:17 Operação de crédito da mansão de Flávio Bolsonaro pode indicar fraude também no BRB
  • 11:52 Hoje tem panelaço: Bolsonaro fará pronunciamento às 20h30
  • 10:25 Vídeo: Lava Jato sobre caso Flávio Bolsonaro: ‘O pai vai deixar?’

O juiz Marcelo Bretas, também conhecido como Moro carioca, estabeleceu que o investigado, Dario Messer (o doleiro dos doleiros) fique apenas proibido de manter contato com outros investigados e de deixar o país, tendo seus passaportes apreendidos.

O MP sugeriu o uso de tornozeleira eletrônica, mas Bretas desconsiderou essa sugestão.

No despacho, o juiz pontuou o comportamento de Messer, que, segundo diz, “passou a ser o de colaborar com a Justiça, o que se depreende não apenas da celebração do acordo de colaboração premiada, mas também das inúmeras manifestações nas quais o acusado comunica ao juízo a saída de sua residência para tratamento médico, em ambos os processos, desde que foi colocado em prisão domiciliar”.

O acordo de faz de conta, também prevê a renúncia, em favor dos cofres públicos, de “mais de 99% do seu patrimônio”.

O MPF sugeria o uso de tornozeleira, mas a determinação do juiz desconsiderou.

No último dia 12, foi homologada a colaboração premiada de Dario Messer.

O acordo prevê cumprimento de pena de até 18 anos e 9 meses e a devolução de R$ 1 bilhão aos cofres públicos. Com a progressão de regime, contudo, Messer deve ficar apenas mais dois anos presos.

Bens incluem imóveis de alto padrão e valores no Brasil e no exterior, além de obras de arte e patrimônios no Paraguai ligados à atividades agropecuárias e imobiliárias.

 

*Da redação

 

 

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: