18 de junho de 2021
  • 14:52 Renan abre possibilidade para, ‘se puder’, CPI investigar Bolsonaro
  • 13:11 Queiroga, Pazuello, Ernesto e outros 11 passam à condição de investigados pela CPI da Covid
  • 11:10 Senadores da tropa de choque da CPI receberam mais de meio bilhão de reais do governo Bolsonaro
  • 10:17 CPI da Covid: Assista aos depoimentos dos médicos favoráveis ao tratamento precoce
  • 09:47 Nicolelis: ‘Vamos passar os EUA em mortes por Covid apesar de termos população menor’

Não foi por acaso que Bolsonaro deu essa declaração com “todo jeito” para indicar cloroquina. Isso tem método, tem compasso, tem movimento ensaiado com uma unidade de tempo. Essa genialíssima forma de tirar o corpo fora jogando nas costas da população a partir dos “médicos”, a responsabilidade de optar por um remédio que, além de ser ineficaz, é perigoso para a saúde, ele assovia uma outra melodia, esperando que a polifonia bolsonarista ganhe um conjunto sonoro na sua instrumentalização marota.

Qual o efeito que Bolsonaro quer tirar desse saco de gatos? É criar um ambiente variado em que ele finge não ser o principal propagandista da cloroquina no Brasil e joga nas costas da própria sociedade a responsabilidade de um ato suicida que, lógico, segundo ele, foi receitado por algum médico. Mas que médico é esse que vai receitar tratamento precoce com cloroquina?

Esse médico pertence a uma parcela mínima de irresponsáveis. E Bolsonaro, sabendo da realidade dos brasileiros, diz que cada um é responsável pela escolha da melhor maneira de se tratar, e os defende “não encha o saco de quem optou por uma linha diferente da sua, taokei?

“Uns médicos receitam Cloroquina; Outros a Ivermectina; e o terceiro grupo (o do Mandetta), manda o infectado ir para casa e só procurar um hospital quando sentir falta de ar (para ser intubado). Portanto, você é livre para escolher, com o seu médico, qual a melhor maneira de se tratar. Escolha e, por favor, não encha o saco de quem optou por uma linha diferente da sua, tá ok?”, escreveu.

Trocando em miúdos, Bolsonaro abandonou a luta dos bufões e resolveu usar uma espécie de influxo para sair do papel de protagonista que estimulou o uso da cloroquina para que as pessoas se arriscassem numa desobediência ao isolamento social, uso de máscaras, entre outras orientações da ciência, buscando uma suposta convergência de sentimentos que davam à cloroquina status de remédio universal eleito pelo povo brasileiro para combater a covid.

Ou seja, seu entusiasmo pela cloroquina murchou em três dias de CPI, dois dos quais teve dois ex-ministros, Mandetta e Teich, dizendo que saíram do ministério da Saúde porque são contrários à indicação da cloroquina seguindo a orientação da ciência e o terceiro, Queiroga, optou pelo famoso, nem sim, nem não, muito pelo contrário, justamente para não ter que confirmar o que os seus antecessores acusaram Bolsonaro de fazer.

O perdido que Pazuello deu na CPI com a lorota de que havia risco de estar reinfectado, não colou, claro, até porque foi dito por boca própria sem apresentar nenhuma evidência do chute. Mas não deixou de mostrar que Bolsonaro, naquele momento, isso já no primeiro dia, encontrava-se com as luvas arreadas, mandando Pazuello dar linha na pipa porque o bicho estava pegando na CPI.

Lógico que Pazuello ganhou um fôlego de 15 dias para arrumar uma história qualquer e não colocar a própria cabeça no lugar da de Bolsonaro na guilhotina que está brilhando de tão afiada.

Por isso, essa nova tática boboca para tentar, depois de um ano receitando cloroquina, dizer que foi opção de cada um, a partir de cada médico numa ridícula conversa fiada genérica para ver se consegue alguma coisa na CPI, o que, claro, é absolutamente inútil para quem se transformou em garoto propaganda da cloroquina no Brasil.

Dessa nova conversa fiada de Bolsonaro, até a ema riu.

*Carlos Henrique Machado Freitas

Antropofagista interação – Siga-nos no Watsapp: https://chat.whatsapp.com/C3vFPKeGR4JGwnGrwc6O5F

Siga-nos no Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/H61txRpTVWc7W7yyCu0frt

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68

PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: