13 de junho de 2021
  • 16:56 Bolsonaro não conta com apoio da Marinha e Aeronáutica para o golpe
  • 14:46 Relatório sobre desvios de R$ 52 mi pelo governo chegam hoje à CPI da covid
  • 14:03 Exclusivo: Diálogos de inquérito da PF mostram que Secom privilegiou ‘mídia aliada’
  • 11:38 Bolsonaro recorre às táticas da extrema-direita mundial para atacar máscara
  • 10:04 PF aponta como o ‘gabinete do ódio’ se expandiu além do Palácio do Planalto

Presidente bateu recorde com invencionices sobre vacina, mortes, cloroquina e eleições.

Jair Bolsonaro bateu mais um recorde pessoal. Em 19 minutos de pregação num culto religioso, ele despejou informações falsas sobre a segurança das eleições, os efeitos da cloroquina, a eficácia de vacinas e o número de vítimas da Covid-19. O presidente armou uma ciranda de mentiras para limpar a própria barra, escapar de punições e se reeleger.

A prioridade de Bolsonaro é fraudar a história da pandemia. No início da semana, ele foi ao cercadinho do Palácio da Alvorada e disse que metade das mortes por Covid-19 registradas no país não foram provocadas pela doença. Para lustrar a balela, o presidente disse que a conclusão era do Tribunal de Contas da União.

O episódio é um retrato acabado da máquina bolsonarista de invencionices. O TCU disse que nunca havia feito aquela constatação. Logo depois, soube-se que a tese malfeita havia sido incluída por um auditor no sistema do tribunal horas antes da declaração do presidente. O tal funcionário seria filho de um militar que é amigo de Bolsonaro.

Como a mentira é sua principal arma política, o presidente até admitiu o erro, mas continuou espalhando a lorota. Na cerimônia evangélica de quarta-feira (9), ele disse que as “possíveis fraudes” fazem com que o Brasil seja o país “com menor número de mortos por milhão de habitantes por causa da Covid”. E atribuiu o milagre, é claro, à cloroquina.

Pela lógica de Bolsonaro, os brasileiros sufocados sem oxigênio em Manaus estão vivos ou morreram de outras doenças. E os médicos que emitiram laudos de centenas de milhares de mortes por Covid-19 são farsantes. Ele ainda investiu mais uma vez no aumento desses números ao inventar que as vacinas não têm comprovação científica.

Bolsonaro ainda ressuscitou a acusação vazia de fraude na eleição de 2018 e repetiu a versão fantasiosa de que foi eleito no primeiro turno. Disse ter “provas materiais disso”, mas não explicou por que nunca apresentou um farelo dessa evidência. O presidente dobrará a aposta na mentira enquanto permanecer impune.​

*Bruno Boghossian/Folha

Siga-nos no Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/H61txRpTVWc7W7yyCu0frt

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/Blog-Antropofagista-Jornalismo-103163282002200

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68

PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. Magda ferreira santos Posted on 12 de junho de 2021 at 17:33

    DECIDIDAMENTE INSANO, TEM QUE SER INTERNADO COM OS FILHOS JA!

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: