8 de janeiro de 2022
  • 16:51 Quando as diferenças aparecem
  • 14:50 Vídeo: Paredão de cânion em Capitólio (MG) desmorona sobre lanchas; 1 morte confirmada e 15 feridos com gravidade
  • 12:56 Sindicalista: “Governo só beneficia servidores pró-Bolsonaro”
  • 11:58 Cientistas projetam que Brasil pode ter 1 milhão de casos diários de Covid em duas semanas
  • 09:37 Decisão do presidente do STJ em favor da ex-mulher de Wassef causa revolta em ministros

Ao concluir o curso de formação de sargentos do Exército, Lucas Michelazzo levou Thaynná Dantas ao evento militar em MG. No entanto, ao voltarem para Natal, onde moram, ela passou a ser atacada.

Thaynná Dantas, uma fisiculturista de 33 anos que faz grande sucesso na internet, onde tem mais de 400 mil seguidores, foi à formatura do namorado, Lucas Michelazzo, na Escola de Sargento de Armas (ESA) do Exército Brasileiro, em Três Corações (MG), e acabou recebendo uma enxurrada de ofensas e até ameaças pelas redes sociais pelo fato de ser uma mulher trans.

No evento militar, ocorrido em 4 de dezembro, segundo Thaynná, nada teria ocorrido. Institucionalmente, o Exército e o comando da ESA tampouco impuseram qualquer barreira para o comparecimento da namorada do aluno, bem como o público que foi assistir à formatura. No entanto, a coisa mudou quando Thaynná e Michel retornaram para casa, em Natal, capital do Rio Grande do Norte.

A atleta revelou que precisou registrar um boletim de ocorrência no 15° Distrito Policial de Natal por conta do teor das mensagens recebidas por aplicativos após seu comparecimento à unidade militar. Além dos xingamentos e de transfobia clara, ela afirma que recebeu ameaças graves, ainda que não tenha dito à imprensa a natureza exata delas.

“Chorei duas horas sem parar ao ouvir. Se era para ser uma brincadeira, virou um crime. Eram palavras transfóbicas, absurdas, ameaças. Por que isso? Só porque sou trans… Jamais um relacionamento tem que interferir na imagem de um militar. O que ele faz na caserna diz respeito à sua função. O que faz fora é sua vida particular”, disse Thaynná à reportagem de O Globo, acompanhada pelo agora sargento Michelazzo, seu namorado.

Thaynná contou ainda que, inicialmente, algumas poucas mensagens ofensivas já tinham surgido num grupo de WhatsApp composto por familiares de alunos da ESA. Entre os colegas de turma de Lucas, piadas também já tinham sido feitas por conta da orientação sexual de sua namorada. Numa delas, marcante para o casal, um militar teria dito “Lá vem o aluno entrando na ESA com seu travequinho”.

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte informou que passou a investigar formalmente as ameaças a partir desta terça-feira (28) e que o primeiro passo é identificar cada um dos autores das mensagens intimidatórias enviadas à fisiculturista, para que depois sejam tipificadas as condutas de cada um dos responsáveis.

*Com informações da Forum

Caros Leitores, precisamos de um pouco mais de sua atenção

Nossos apoiadores estão sendo fundamentais para seguirmos nosso trabalho. Leitores, na medida de suas possibilidades, têm contribuído de forma decisiva para isso. Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica

Agência: 0197
Operação: 1288
Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: