25 de maio de 2022
  • 20:34 Desmoronou: STJ reconhece incompetência de Moro e anula sentença do ex-juiz contra executivos do Grupo Schahin
  • 17:23 Vídeo: Na era Bolsonaro, o PGR Aras abandona o protocolo e parte para pancadaria com colega
  • 15:11 CCJ vota cobrança de mensalidade em universidade pública, sob protestos da oposição e entidades
  • 12:10 Moro, um tolo, acreditou que um troféu da Globo lhe daria salvo conduto para destruir o Brasil
  • 11:01 Com o Pix de qualquer valor, você pode contribuir com o Antropofagista

GGN – O projeto georgiano GG-21 foi financiado pelo DTRA e implementado por cientistas militares americanos de uma unidade especial do Exército dos EUA de codinome USAMRU-G que opera no Lugar Center. Eles receberam imunidade diplomática na Geórgia para pesquisar bactérias, vírus e toxinas sem serem diplomatas. Esta unidade é subordinada ao Walter Reed Army Institute of Research (WRAIR).

A reportagem a seguir é de Dilyana Gaytandzhieva, jornalista investigativa búlgara, correspondente no Oriente Médio e fundadora da Arms Watch.

Nos últimos anos, ela publicou uma série de relatórios reveladores sobre suprimentos de armas para terroristas na Síria, Iraque e Iêmen.

Seu trabalho atual está focado em documentar crimes de guerra e exportações ilícitas de armas para zonas de guerra em todo o mundo.

A reportagem abaixo é publicada com exclusividade pelo GGN, graças à indicação de leitores antenados.

De Dilyana Gaytandzhieva *

Enquanto os EUA planejam aumentar sua presença militar na Europa Oriental para “proteger seus aliados contra a Rússia”, documentos internos mostram o que significa “proteção” americana em termos práticos.

O Pentágono realizou experimentos biológicos com um resultado potencialmente letal em 4.400 soldados na Ucrânia e 1.000 soldados na Geórgia. De acordo com documentos vazados, todas as mortes de voluntários devem ser relatadas dentro de 24 h (na Ucrânia) e 48 h (na Geórgia).

Ambos os países são considerados os parceiros mais leais dos EUA na região, com vários programas do Pentágono sendo implementados em seu território. Um deles é o programa de engajamento biológico da Agência de Redução de Ameaças de Defesa (DTRA), de US$ 2,5 bilhões , que inclui pesquisas sobre agentes biológicos, vírus mortais e bactérias resistentes a antibióticos sendo estudadas na população local.

Projeto GG-21: “Todas as mortes de voluntários serão prontamente informadas”

O Pentágono lançou um projeto de 5 anos com uma possível extensão de até 3 anos com o codinome GG-21: “Infecções transmitidas por artrópodes e zoonóticas entre militares na Geórgia”. De acordo com a descrição do projeto, amostras de sangue serão obtidas de 1.000 recrutas militares no momento de seu exame físico de registro militar no hospital militar georgiano localizado em Gori.

As amostras serão testadas para anticorpos contra quatorze patógenos:

  • Bacillus anthracis
  • Brucela
  • Vírus CCHF
  • Coxiella burnetii
  • Francisella tularensis
  • Hantavírus
  • Espécies de Rickettsia
  • Vírus TBE
  • Espécies de Bartonella
  • Espécies de Borrelia
  • Espécies de Ehlrichia
  • Espécies de Leptospira
  • typhi de salmonela
  • WNV

A quantidade de sangue retirada será de 10 ml. As amostras serão armazenadas indefinidamente no NCDC (Lugar Center) ou USAMRU-G e as alíquotas podem ser enviadas para a sede do WRAIR nos EUA para futuras pesquisas. O Instituto de Pesquisa do Exército Walter Reed (WRAIR) é o maior centro de pesquisa biomédica administrado pelo Departamento de Defesa dos EUA. Os resultados dos exames de sangue não serão fornecidos aos participantes do estudo.

Tal procedimento não pode causar a morte. No entanto, de acordo com o relatório do projeto, “todas as mortes de voluntários serão prontamente relatadas (geralmente dentro de 48 h após a notificação da PI)” ao Hospital Militar da Geórgia e ao WRAIR.

De acordo com o relatório do projeto GG-21, “todas as mortes de voluntários serão prontamente relatadas” ao hospital militar georgiano e ao WRAIR, EUA.

As amostras de sangue dos soldados serão armazenadas e testadas no Lugar Center, uma instalação de US$ 180 milhões financiada pelo Pentágono na capital da Geórgia, Tbilisi.

O Lugar Center tornou-se notório nos últimos anos por atividades controversas , incidentes laboratoriais e escândalos em torno do programa de hepatite C da gigante farmacêutica dos EUA Gilead na Geórgia, que resultou em pelo menos 248 mortes de pacientes . A causa da morte na maioria dos casos foi listada como desconhecida, mostraram documentos internos .

O projeto georgiano GG-21 foi financiado pelo DTRA e implementado por cientistas militares americanos de uma unidade especial do Exército dos EUA de codinome USAMRU-G que opera no Lugar Center. Eles receberam imunidade diplomática na Geórgia para pesquisar bactérias, vírus e toxinas sem serem diplomatas. Esta unidade é subordinada ao Walter Reed Army Institute of Research (WRAIR).

O Lugar Center é o biolaboratório de US$ 180 milhões financiado pelo Pentágono na capital da Geórgia, Tbilisi.

Um carro diplomático com placa da Embaixada dos EUA em Tbilisi no estacionamento do Lugar Center. Cientistas dos EUA que trabalham no laboratório do Pentágono na Geórgia dirigem veículos diplomáticos, pois receberam imunidade diplomática. Fotos: Dilyana Gaytandzhieva

Documentos obtidos do registro de contratos federais dos EUA mostram que o USAMRU-G está expandindo suas atividades para outros aliados dos EUA na região e está “estabelecendo capacidades expedicionárias” na Geórgia, Ucrânia, Bulgária, Romênia, Polônia, Letônia e quaisquer locais futuros. O próximo projeto USAMRU-G envolvendo testes biológicos em soldados deve começar em março deste ano no Hospital Militar Búlgaro em Sofia.

Projeto UP-8: Todas as mortes dos participantes do estudo devem ser relatadas em 24 h.

A Agência de Redução de Ameaças de Defesa (DTRA) financiou um projeto semelhante envolvendo soldados na Ucrânia de codinome UP-8: A disseminação do vírus da febre hemorrágica da Crimeia-Congo (CCHF) e hantavírus na Ucrânia e a potencial necessidade de diagnóstico diferencial em pacientes com suspeita de leptospirose. O projeto começou em 2017 e foi prorrogado algumas vezes até 2020, mostram documentos internos.

De acordo com a descrição do projeto, serão coletadas amostras de sangue de 4.400 soldados saudáveis ​​em Lviv, Kharkov, Odesa e Kiev. 4.000 dessas amostras serão testadas para anticorpos contra hantavírus, e 400 delas – para a presença de anticorpos contra o vírus da febre hemorrágica da Crimeia-Congo (CCHF). Os resultados dos exames de sangue não serão fornecidos aos participantes do estudo.

Não há informações sobre quais outros procedimentos serão realizados, exceto que “incidentes graves, incluindo óbitos, devem ser relatados em 24 horas . Todas as mortes de sujeitos do estudo que são suspeitas ou conhecidas por estarem relacionadas aos procedimentos de pesquisa devem ser levadas ao conhecimento dos comitês de bioética nos EUA e na Ucrânia.”

Amostras de sangue de 4.000 soldados ucranianos serão testadas para hantavírus. Outras 400 amostras de sangue serão testadas para CCHF sob o Projeto Ucraniano UP-8 patrocinado pelo DTRA.

Projeto UP-8: “Incidentes graves, incluindo mortes, devem ser relatados em 24 horas. Todas as mortes de sujeitos do estudo que são suspeitas ou conhecidas por estarem relacionadas aos procedimentos de pesquisa devem ser levadas ao conhecimento dos comitês de bioética nos EUA e na Ucrânia.” Fonte: ukr-leaks.org

A DTRA alocou US$ 80 milhões para pesquisas biológicas na Ucrânia a partir de 30 de julho de 2020, de acordo com informações obtidas do registro federal de contratos dos EUA. Encarregada do programa está a empresa norte-americana Black &Veatch Special Projects Corp.

Outro empreiteiro da DTRA operando na Ucrânia é a CH2M Hill. A empresa americana recebeu um contrato de US$ 22,8 milhões (2020-2023) para a reconstrução e equipamento de dois biolaboratórios: o Instituto Estadual de Pesquisa Científica de Diagnóstico Laboratorial e Especialização Veterinária-Sanitária (Kyiv ILD) e o Serviço Estatal da Ucrânia para Segurança Alimentar e Laboratório Regional de Diagnóstico de Defesa do Consumidor (Odesa RDL).

Funcionários dos EUA são indenizados por mortes e ferimentos à população local

As atividades de DTRA na Geórgia e na Ucrânia estão sob a proteção de acordos bilaterais especiais. De acordo com esses acordos, a Geórgia e a Ucrânia isentarão de responsabilidade, não abrirão processo judicial e indenizarão os Estados Unidos e seu pessoal, contratados e funcionários dos contratados, por danos à propriedade ou morte ou ferimentos a quaisquer pessoas na Geórgia e na Ucrânia, decorrentes de atividades sob este Acordo. Se cientistas patrocinados pelo DTRA causarem mortes ou ferimentos à população local, eles não poderão ser responsabilizados.

Além disso, de acordo com o Acordo EUA-Ucrânia, reclamações de terceiros por mortes e ferimentos na Ucrânia, decorrentes de atos ou omissões de quaisquer funcionários dos Estados Unidos relacionados ao trabalho sob este Contrato, serão de responsabilidade da Ucrânia.

Dilyana Gaytandzhieva

Ela produziu este vídeo há 3 anos, portanto antes da guerra da Ucrânia, sobre laboratórios biológicos dos Estados Unidos.:

*Publicada originalmente no GGN

Siga-nos no Telegram

Caros Leitores, precisamos de um pouco mais de sua atenção

Nossos apoiadores estão sendo fundamentais para seguirmos nosso trabalho. Leitores, na medida de suas possibilidades, têm contribuído de forma decisiva para isso.

Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica

Agência: 0197

Operação: 1288

Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768 – CPF

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: