26 de junho de 2022
  • 23:35 Bolsonaristas ignoram tragédia humanitária causada por Bolsonaro na pandemia de Covid
  • 19:33 Janio de Freitas: O Brasil real escancara-se com Milton Ribeiro e pastores e a delinquência se desnuda
  • 18:11 Pressionado pelos vazamentos, Bolsonaro ameaça golpe e passa recibo de que está até o talo no caso do MEC
  • 16:01 Marcelo Adnet bomba nas redes imitando conversa de Bolsonaro com Milton Ribeiro
  • 15:32 Bolsonaro insinua encontro com Áñez; ela nega

O lema de Bolsonaro é, não há nada de tão ruim que não possa piorar. E foi com esse lema que Bolsonaro escolheu tratar os brasileiros em função do que eles são, do ponto de vista de classe social, e não a partir do bom senso ou de um grau mínimo de humanidade.

A sua instrução é a de garantir ganhos superiores para a individualidade de poucos em detrimento da piora de vida da coletividade.

A entrega da Eletrobras se constitui num crime lesa-pátria. A atual situação do país, que inclui uma realidade cada vez mais dura para as camadas mais pobres da população, tem nu  futuro imediato uma perspectiva ainda muito pior.

Esse modelo cívico patriótico que Bolsonaro arrota se coloca acima dos brasileiros, contra o Brasil, contra os recursos nacionais, contra o resto de Brasil que ainda nos sobra. Essa é uma das piores formas de utilização do que é essencial, no que se refere a recursos públicos em prol da sociedade, para entregar de bandeja ao setor privado uma empresa como a Eletrobras e acrescentar a ganância por lucros escancarados em que o resto da sociedade pagará muito caro.

Os brasileiros têm que ter uma consciência bastante clara de que nenhuma estatal privatizada trouxe qualquer benefício ao país, ao contrário, isso sempre agravou as desigualdades e adensou a iniquidade reinante.

Basta lembrar das empresas estatais que foram privatizadas para ver o fermento de antissolidariedade nacional que elas adotaram em sua gestão. O salário dos trabalhadores dessas mesmas empresas é condenado à metade do valor que deveria receber.

Mas as grandes vítimas são os mais pobres que, no caso da privatização da Eletrobras, pagarão a conta de luz infinitamente mais cara, aumentando ainda mais, através dessa política antipovo, o nível de discriminação e preconceitos que marcam o governo Bolsonaro.

Esse é o tipo de negociata impregnada de corrupção que vai explodir no colo dos mais pobres, enquanto as classes economicamente dominantes fazem sua pilhagem criminosa arrancando o coro do povo brasileiro.

Bolsonaro vai perder a eleição, mas antes vai explodir todas as conquistas do povo brasileiro.

Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica Agência: 0197

Operação: 1288

Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768 – CPF

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Carlos Henrique Machado

Compositor, bandolinista e pesquisador da música brasileira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: