12 de agosto de 2022
  • 20:09 Presidente do BC desmascara Bolsonaro: ‘não é verdade’ que bancos perdem dinheiro com Pix
  • 19:20 Vídeo: Arthur Lira mostrando como funciona e para quem funciona o orçamento secreto, tirado do suor do povo na compra de apoio
  • 17:16 TCU apura gastos irregulares de R$ 100 milhões em hospital federal do Rio sob influência de Flávio Bolsonaro
  • 16:47 Por unanimidade, Conselho de Ética aprova pedido de cassação do bolsonarista Gabriel Monteiro
  • 14:15 Celso de Mello: “obscurantismo retrógrado de um ditador travestido de político”

Presidente fala de forma fria e desumana a cada tragédia enfrentada pelo país. Confira outras vezes em que o mandatário demonstrou indiferença com mortes de brasileiros.

Depois de dias sem se pronunciar sobre a tragédia das chuvas que já deixou 91 mortos em Pernambuco, o presidente Jair Bolsonaro resolveu sobrevoar por algumas horas a Região Metropolitana do Recife, bem ao estilo que mais aprecia, cercado de militares e numa aeronave da Aeronáutica.

Após a aparição nos céus, o presidente deu uma declaração rodeado por ministros e figuras que habitualmente o bajulam no Estado, e aproveitou ainda para fazer jogo político, atacando o governador Paulo Câmara (PSB) e dizendo “que é preciso arregar as mangas e trabalhar”, justamente no dia em que veio à tona que chefe do Executivo federal já tirou 15 miniférias em três anos e gastou R$ 38 milhões no cartão corporativo da Presidência.

“E daí, lamento. Quer que eu faça o que?” – A ser cobrado sobre o recorde de 5.050 mortos pela Covid-19.

“A gente lamenta todos os mortos, mas é o destino de todo mundo” – Disse como “palavra de conforto” a uma seguidora que pediu falasse sobre os 31.199 mortos pela Covid-19.

“País de maricas” – Gritou ao ser referir a um país apavorado com 162.829 mortes pela Covid-19.

“Chega de frescura e mimimi… Vão ficar chorando até quando?” – Indignado pelo luto do país diante de 260.970 mortes pela Covid-19.

“Covid apenas encurtou a vida delas por alguns dias ou algumas semanas” – Falou a dois representantes da extrema-direita alemã que o visitavam, diante da marca de 584.421 mortos pela Covid-19.

“Lamento profundamente, mas é um número insignificante” – Esbravejou ao ser perguntado sobre as mortes de crianças pela Covid-19.

“Não há o que se dizer. Não há o que falar. O que tinha que ser feito pelo estado já foi feito, agora é aguardar a finalização” – Explicou a jornalistas ao ser questionado sobre a morte por tortura e asfixia de Givanildo de Jesus Santos, praticada por agentes da PRF.

*Com Forum

Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica Agência: 0197

Operação: 1288

Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768 – CPF

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: