14 de maio de 2021
  • 20:16 Vídeo: CPI da Covid revelou hoje que Carlos Bolsonaro participou da reunião com a Pfizer
  • 19:21 Governo Bolsonaro rejeitou cinco ofertas de vacina em 2020; veja as propostas
  • 17:38 PM do RJ decide que Queiroz está ‘apto’ a voltar a andar armado
  • 16:39 A CPI da Covid já convocou o “vereador federal” Carlos Bolsonaro para depor?
  • 14:59 Bolsonaro e ministros vão receber salário acima do teto, com regra que permite acumular aposentadoria e salário

E a farra do PSL, partido de Bolsonaro, segue a todo vapor.

O Deputado Federal Luciano Bivar, presidente do PSL, apresentou notas fiscais frias ao TSE e à Câmara Federal, de duas empresas que negociam venda desse tipo de documento.

A ML Serviços de Comunicação pertence a uma assessora de Bivar, destinatária de R$ 50 mil de verbas da Câmara de 2017 a abril deste ano.

Martha Patrícia Heitor Lemos confirma ter fornecido notas relativas a 2017 e 2018 sem prestação de serviços.

A Folha teve acesso a um telefonema gravado em que ela negocia a venda de uma nota fiscal de sua empresa a um assessor de um Deputado Federal. Pela negociação ela cobra de 25% a 30% do valor do documento.

A empresa já emitiu diversas notas fiscais, entre elas, notas no valor de R$ 6.868, 76 e de R$ 5.000,00 para a organização de seminários em Recife e Petrolina, PE, estado de Luciano Bivar.

As notas fiscais foram entregues pelo PSL ao TSE em prestação de contas anuais da legenda, como comprovantes do uso que a sigla fez do fundo partidário.

Luciano Bivar é fundador do PSL e é tido como dono da sigla. O partido recebeu até 2018 cerca de R$ 7 milhões ao ano do fundo partidário. Porém, com a onda que elegeu Bolsonaro, o partido passou a ter direito a mais de R$ 100 milhões ao ano, já que o fundo é distribuído de acordo com o número de votos obtidos por seus candidatos a Deputado Federal.

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: