5 de dezembro de 2020
  • 21:44 Valor Econômico: PIB per capita deve levar dez anos para voltar ao nível do governo Dilma em 2013
  • 19:50 Youtuber bolsonarista revela acesso a bastidores no Planalto
  • 17:33 Ex-presidente do STF se diz perplexo com manobra da Corte a favor de Maia e Alcolumbre
  • 14:50 Vídeo: Precisamos falar do gabinete do ódio de Ciro Gomes
  • 14:15 Bonner e Renata Vasconcellos são intimados a depor pela polícia do Rio

Muita gente torceu o nariz para a indicação, de pai para filho, de Eduardo Bolsonaro para a embaixada do Brasil nos Estados Unidos. Só o fato em si já é história, e no mundo inteiro.

Agora, o mundo não precisa de telescópio para entender esse troço que governa o Brasil, o nosso estadista é isso, um jumento, um macaco velho do baixo clero da política nativa que virou presidente destilando ódio, preconceitos, torturas e ditaduras, um verdadeiro cavalo sentado no trono da presidência. E como tal, pode perfeitamente coroar as estrelas da casa, outra prática corriqueira na vida de um dos maiores vigaristas da política brasileira.

Bolsonaro consegue ser mais farsante e corrupto que Eduardo Cunha. Mas a direita, incluindo os barões da mídia, em inanição depois da falência do PSDB, teve que pegar carona na garupa de um jumento trotão que não para de colecionar atitudes estúpidas, associando a sua imagem à da elite brasileira que ajudou a elegê-lo.

Quer coisa melhor que Eduardo Bolsonaro falando aquele inglês da classe média brasileira, virando chacota até entre os republicanos?

Eduardo imprimirá, na sua passagem pela embaixada, a estupidez em estado puro da nossa estúpida elite econômica. Ele e a sua finura miliciana.

Eu não vejo ninguém melhor do que Eduardo Bolsonaro para atender ao propósito do pai, que é o de levar a capital do Brasil para ser governada por Washington.

Eduardo é uma besta das mais exóticas da nossa elite paratatá. Ele é o espelho da podridão do judiciário brasileiro, do servilismo dos militares americanófilos, que se fantasiam de patriotas, cantam o hino nacional e se oferecem como utensílios na Casa Branca.

Ora, Eduardo Bolsonaro incorpora com precisão o Brasil oficial dos tempos atuais que Machado de Assis já dizia ser caricato e burlesco, É o pus do Brasil jorrando em tempo real para que o mundo de uma vez por todas compreenda que tipo de guia essa elite fascista escolheu para representar o Brasil diante de um mundo cada vez mais perplexo com tanta estupidez.

In Eduardo Bozo we trust!

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: