13 de abril de 2021
  • 18:47 Renan Calheiros é o mais cotado para a relatoria da CPI da covid
  • 16:35 Bolsonaro quer levar a balbúrdia de seu governo para dentro da CPI, mas nem pra isso tem competência
  • 15:33 Denunciado por gestão da pandemia, governo é alvo de Comissão da OEA
  • 14:26 Globo e Merval, com uma no cravo e outra na ferradura, atacam Bolsonaro e defendem Moro, o seu criador
  • 12:07 A vergonhosa censura imposta a Marcelo Lins quando citou da matéria do Le Monde contra a Lava Jato

A nova produção vem sendo anunciada como uma alternativa conservadora ao filme ‘Democracia em Vertigem’, da diretora Petra Costa.

Após ser alvo de críticas pelo presidente Bolsonaro quanto ao tipo de produção audiovisual, a Agência Nacional do Cinema (Ancine) acaba de autorizar a captação de R$ 530 mil para a produção de um documentário sobre Jair Bolsonaro. A obra “Nem Tudo se Desfaz”, do diretor Josias Teófilo, pretende partir das Jornadas de Junho 2013 para explicar as transformações culturais e políticas que levaram à ascensão de Bolsonaro à presidência nas eleições de 2018.

Teófilo, “curiosamente”, é o mesmo diretor do filme “O Jardim das Aflições”, obra que narra a vida, a obra, a trajetória e o pensamento filosófico de Olavo de Carvalho, o guru do atual governo.

A nova produção vem sendo anunciada como uma alternativa conservadora ao filme “Democracia em Vertigem”, da diretora Petra Costa. Os apoiadores do governo já sinalizam entusiasmo com a produção, caso de Eduardo Bolsonaro e o próprio Olavo,

https://twitter.com/BolsonaroSP/status/1151006567795515392

Nas últimas semanas, a Ancine esteve na mira do presidente, que criticou a produção de filmes como Bruna Surfistinha. “O Brasil não pode mais financiar com dinheiro público filmes como o da Bruna Surfistinha, produção de 2011 que narra a história de uma garota de programa”, declarou.

Bolsonaro também já sinalizou a intenção do governo de ter mais influência sobre o órgão, motivo pelo qual a direção da Ancine deve ser transferida do Rio de Janeiro para Brasília, conforme anunciou no último dia 18.

“Não somos contra essa ou aquela opção, mas o ativismo não podemos permitir em respeito às famílias. É uma coisa que mudou com a chegada do governo”, disse após reunião com o Ministro da Cidadania, Osmar Terra, na qual foram definidas novas propostas para a agência.

O presidente também assinou um decreto que transferiu o Conselho Superior do Cinema, responsável pela formulação da política nacional de audiovisual, do Ministério da Cidadania para a Casa Civil.

A Ancine foi criada em 2001, no governo de Fernando Henrique Cardoso, e é composta por nove titulares e nove suplentes. Eles são responsáveis em aprovar diretrizes gerais para o desenvolvimento da indústria audiovisual e estimular a presença do conteúdo brasileiro nos segmentos de mercado.

 

 

*Com informações da Carta Capital

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: