9 de janeiro de 2022
  • 08:08 Verbas do orçamento secreto privilegia aliados de Bolsonaro e gera conflitos no Planalto e Congresso
  • 21:41 Presidente da Anvisa reage a críticas de Bolsonaro e quer retratação
  • 20:50 Vídeo: Allan dos Santos, foragido da Justiça brasileira, aparece em evento conservador em Orlando
  • 16:51 Quando as diferenças aparecem
  • 14:50 Vídeo: Paredão de cânion em Capitólio (MG) desmorona sobre lanchas; 1 morte confirmada e 15 feridos com gravidade

Uma foto que circula nas redes sociais mostra Wilson Witzel, governo do estado do Rio de Janeiro, vestido com uma farda do Bope e portando um fuzil de ‘sniper’. A publicação foi feita por um assessor que disse que o governador estava “treinando a mira”

O que pouco se fala é a fixação que Witzel tem pela farda do Bope.

A coisa é tão dantesca que o tosco faz ginástica diariamente com soldados do Bope e ainda posa ao lado dos homens do batalhão como aqueles bobocas deslumbrados por fardas.

Essa múmia genocida, hoje, enfrentou uma manifestação em Niterói exigindo que ele pare com a política genocida de extermínio de jovens e crianças, a maioria negros de favelas.

O evento, com a presença Witzel, foi interrompido por alguns minutos no início da noite desta quarta-feira. Manifestantes entraram em protesto nos jardins do Palácio Solar do Jambeiro, no Ingá, em Niterói.

Gritos de ordem pedem uma revisão na política de segurança que vitimizou seis jovens nos últimos cinco dias: “Tem que parar de matar aluno, governador!”. O governador respondeu com elogios à política de extermínio do seu governo: “É bom ele se render porque senão a gente vai continuar abatendo quem está de fuzil na mão”

O resultado disso foram cinco jovens inocentes mortos por balas e execuções no Rio nas últimas 80hs. Todos negros e pobres: Henrico, 19 anos.Tiago, 21 anos. Lucas, 21 anos. Gabriel, 18 anos. Dyogo, 16 anos.

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: