22 de maio de 2022
  • 10:43 É preciso remover o bolsonarismo no 1º turno, porque ele é o chorume do lixo da Globo
  • 16:23 Não sei se Duvivier foi bem no debate, mas sei que Ciro foi mal
  • 11:15 Sem abrir vagas suficientes, prefeitura deixa 15 mil pessoas no frio das ruas de São Paulo
  • 10:12 Elon Musk: “Vamos dar golpe em quem quisermos! Lide com isso”
  • 21:34 Vídeo: A visita de Elon Musk trouxe algum benefício ao Brasil? Baixou preço dos alimentos e combustíveis?

Na operação de busca, a Polícia Federal omitiu o nome de André Luiz Mendonça e, no lugar, trataram o ministro como “Ricardo”.

O Ministério Público Federal (MPF) abrirá uma investigação para apurar uma “operação clandestina” da Polícia Federal na busca pelo telefone celular do ministro da Advocacia Geral da União (AGU), André Luiz Mendonça.

O ministro perdeu o telefone em um carro de aplicativo no Rio de Janeiro, dia 8 de agosto, por volta das 23 horas. No entanto, só comunicou a polícia no sábado (10). Depois de serem comunicados sobre a perda do celular, os policiais federais iniciaram a operação de busca, mas omitiram o nome de Mendonça. No lugar, o ministro foi tratado como se fosse um delegado de nome Ricardo.

Fontes da PF relataram que essa e outras características não esclarecidas poderiam classificar a atitude como “operação clandestina”. Não há informações oficiais sobre, por exemplo, o auto de apreensão do aparelho, da perícia no telefone e tampouco foi realizada ocorrência ou detenção do motorista.

“O nome do dono do celular não foi divulgado, à época, exatamente para preservar o nome da autoridade e evitar que os dados do aparelho corressem o risco de vazamento, com sérios riscos institucionais”, informou a assessoria da PF. Para a polícia, foi apenas um extravio, e não crime ou eventual tentativa de hackeamento de celular.

 

 

*Com informações da Forum

 

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: