4 de dezembro de 2020
  • 19:47 Sobrinho de Bolsonaro, é nomeado para cargo no Senado com salário de R$21.4 mil
  • 17:09 Covid-19: Bolsonaro ignora reunião da ONU com 90 presidentes
  • 14:44 ABJD pede investigação contra Sergio Moro no Ministério Público Federal e na OAB do Paraná
  • 14:02 Recorde de mortes por Covid nos EUA, 3.157 em 24hs. O pior está por vir
  • 12:14 Vídeo: Centrão, o nome eleitoral do dinheiro no Brasil

Num programa sobre os bastidores do G7 emitido pela rede CNews, Macron, Piñera e Merkel criticam as atitudes do presidente brasileiro. GENEBRA – Uma câmera que acompanhou os bastidores do G7 ao lado do presidente da França, Emmanuel Macron, flagrou o chefe-de-estado tecendo duras críticas contra o presidente Jair Bolsonaro, acompanhado por outros líderes internacionais igualmente inconformados diante das atitudes do brasileiro.

Num programa que foi ao ar pela rede CNews no fim de semana, Macron conversa com o presidente do Chile, Sebastián Piñera, sobre o fato de Bolsonaro ter chancelado uma ofensa contra sua mulher, Brigitte Macron.

A cena ocorre durante o almoço do segundo dia das reuniões, depois de uma coletiva de imprensa em que o francês criticou publicamente o brasileiro e disse torcer para que, logo, os brasileiros tenham outro presidente.

Foi Piñera, um dos poucos aliados de Bolsonaro, quem mostrou estar inconformado com o que o brasileiro fez em relação à primeira-dama francesa.

“Foi incrível”, disse o chileno.

Macron, respondeu: “Claro, eu tinha de reagir. Você entende?”

“Sim, eu concordo”, disse Piñera.

Macron então continuou a conversa. “Eu queria ser pacífico. Queria ser correto, construtivo com o cara (Bolsonaro) e respeitar sua soberania. Tudo bem. Mas eu não poderia aceitar isso”, justificou.

“Não!”, exclamou a chanceler alemã Angela Merkel que se aproxima e confirma, com a cabeça, a condenação diante dos comentários de Bolsonaro. Quem também está na roda de conversas é Donald Tusk, presidente do Conselho da Europa.

Macron não disfarça o mal-estar e insiste em atacar Bolsonaro. “Você sabe que, quando meu ministro de Relações Exteriores foi lá?”, perguntou a Piñera. “Ele (Bolsonaro) o deveria receber e cancelou no último minuto para ir cortar seu cabelo. E filmou a si mesmo. Desculpa. Mas isso não é a atitude de um presidente”, completou.

A crise entre Bolsonaro e Macron começou depois que o francês colocou o tema dos incêndios da Amazônia na agenda do G7 e sugeriu a internacionalização do assunto.

O vídeo, porém, revela o consenso que existiu entre os líderes internacionais ao desaprovar o ato do brasileiro. Bolsonaro, depois dos problemas envolvidos com sua atitude, apagou seus comentários nas redes sociais. E negou que tenha ofendido a primeira-dama.

Mas, há poucos dias, o ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a atacar, afirmando que a mulher de Macron “era feio mesmo”.

 

*Por Jamil Chade/Uol

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. afonso Schroeder Posted on 9 de setembro de 2019 at 20:24

    Bozó e Moro são perseguidores de pessoas de esquerdas, irresponsáveis, inconsequentes na tentativa atingir seus objetivos para neutralizar as esquerdas do Brasil “atos” que não conseguem descumprindo com isto a Constituição/88 devem ser afastados das funções já. A INTERCEPT de Glenn Greenwald comprovou de como estes dois “ilustres” perseguem o estadista ímpar (Lula) por pura inveja, incompetência, mas os brasileiros já acordaram e estão com (Lula) estadista que continua tendo a admiração e respeito do povo brasileiro e as Nações de todo mundo.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: