1 de dezembro de 2020
  • 11:55 Vídeo: Moro, depois de destruir o Brasil, vai gozar a vida em Washington
  • 10:39 Governo Bolsonaro, como na ditadura, tem relatório sobre 81 jornalistas e influenciadores
  • 09:15 Desembargadora que ofendeu Marielle Franco é eleita para o Órgão Especial do TJ-RJ
  • 19:16 Vídeo: Glauber Braga diz, ‘Eu não estou nada impressionado com as novas tarefas de Moro’
  • 17:49 Confirmado pelo Ministério da Justiça: acordo com procuradores dos EUA para condenar Lula foi ilegal

Não se trata de enfeitar Lula de louros ou colori-lo de retóricas resignadas, Lula é a expressão espontânea do povo e não obra do convencionalismo político, mas da política feita com arte e emoção.

A multidão que aguarda Lula falar em Recife, PE, substancia uma liderança popular como nunca o Brasil viu, mesmo que os capachos do mercado tenham feito a mais sórdida campanha contra a sua imagem, esse povo nunca lhe faltou.

Lula nunca deixou de ser sinônimo de povo, de arrancar dele vibrações emotivas por onde passa. Como disse Maria da Conceição Tavares: “Lula é parte do povo e este assim o reconhece”.

Mas estamos falando de povo não dessa classe média balofa sem substância ou mesmo percepção do mundo em que vive. Essa gente é um caso perdido, está doente pela própria falta de identidade.

Por isso, americanófilos se vestem de verde e amarelo para tentar esconder que sempre rejeitaram o Brasil, sempre quiseram um país subjugado pelos interesses das grandes potências. O povo, não. Como disse Villa Lobos, em viagem pelo Nordeste:  “o povo brasileiro nunca se distanciou de sua própria natureza”. Em razão disso, sempre foi mais livre para criar obras populares magníficas.

Para esse povo não há o que ensinar, mas com ele aprender o que há de mais profundo e sofisticado na cultura brasileira

 

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: