29 de novembro de 2020
  • 10:23 Pelotão editorial paulista vai à luta pela hegemonia dos restos mortais do tucanistão
  • 20:40 Ibope: Na chegada, Manuela vira em Porto Alegre
  • 19:55 Há chance real de vitória de Boulos, é o que vê diretor do Datafolha
  • 18:50 Vídeo: França explode em protestos contra policiais racistas
  • 17:40 Eduardo Moreira: ‘Boulos reúne características raras de serem vistas juntas’

Em derrota para o ministro da Justiça, Sérgio Moro, a Frente Parlamentar da Segurança Pública, a chamada bancada da bala, não conseguiu reunir partidos suficientes para levar à votação um requerimento pedindo urgência à votação do pacote anticrime.

Sem a urgência, o texto não pode ser analisado direto em plenário e teria que passar por comissões, inviabilizando a votação das medidas este ano. Na terça-feira, 26, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sinalizou a líderes que não aceitaria mais nenhum pedido de regime de urgência até limpar a pauta de votações.

“Para minha surpresa e decepção, não temos partidos suficientes para apresentar o requerimento de urgência para o pacote do ministro Sérgio Moro.

São necessários partidos que somem 257 deputados. Vergonhoso. Não será votado esse ano ao que tudo indica”, afirmou o Capitão Augusto (PL-SP), coordenador da bancada da bala e relator da proposta do grupo de trabalho que analisa as medidas.

 

*Do Estadão

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: