11 de julho de 2020
  • 20:08 Rede bloqueada pelo Facebook atacava adversários de Bolsonaro nas eleições de 2018 com contas falsas
  • 17:19 Bolsonaro se nega a indenizar profissionais da Saúde incapacitados ou mortos pela Covid-19
  • 15:21 Após decisão do STF, Aras fará devassa na Lava Jato
  • 14:39 Globo se enfurece com a soltura de Queiroz, mas contra o PT aplaudiu a teoria do domínio do fato, a pedalada fiscal e o ato de ofício indeterminado
  • 11:32 Quem pode mais dentro das quatro linhas do judiciário, Moro ou Bolsonaro?

Protesto contra Sérgio Camargo teve cartazes com dizeres como “Palmares não é casa-grande” e “movimento negro vive”.

Um grupo de manifestantes do movimento negro fez um protesto na Fundação Palmares nesta sexta-feira (29) contra a nomeação de Sérgio Camargo como presidente da instituição. O bolsonarista nega o racismo no Brasil, diz que a escravidão foi boa e não reconhece a relevância de Zumbi dos Palmares.

Sob gritos de “Fora Sérgio”, cartazes com dizeres como “Palmares não é casa-grande”, “Quem nega Zumbi, não preside Palmares”, “respeite o legado de Zumbi”, “negro de direita é escravo” e “movimento negro vive” foram levantados durante o protesto que entrou no edifício e foi até a antessala da presidência. Segundo assessores, Camargo não estava no local.

A deputada federal Erika Kokay (PT) acompanhou o protesto e comentou nas redes sociais sobre a mobilização. “FORA SÉRGIO. Alguém que nega a escravidão, nega a consciência negra, nega Zumbi e nega o racismo no Brasil, não pode presidir a Fundação Palmares!”, declarou.

A chegada de Sérgio Camargo ao posto incomodou até mesmo o irmão dele, Wadico Camargo. “Tenho vergonha de ser irmão desse capitão do mato. Sérgio Nascimento de Camargo, hoje nomeado presidente da Fundação PALMARES”, escreveu, em sua página no Facebook.

 

 

*Com informações da Forum

 

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: