19 de setembro de 2020
  • 21:47 Começa a cair de vez a máscara de Moro, Bretas e de toda a Lava Jato
  • 18:38 PF intima Moro para depor no inquérito dos atos antidemocráticos
  • 17:39 Gilmar Mendes dá cinco dias para Bretas explicar operação contra advogados
  • 16:50 Feitiço contra o feiticeiro: Fumaça do Pantanal faz avião de Bolsonaro arremeter em MT
  • 14:20 Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, vai a Roraima discutir a Venezuela

O pacto social chileno era uma camisa de força selada na inércia institucional de uma ditadura. Virou farrapo em 42 dias de protestos, mas Piñera (12% de apoio) barra o novo tempo soprado das ruas, onde ruínas se acumulam na metáfora de uma arquitetura econômica que se rompe em toda América Latina.

Piñerochet reprime manifestações pacíficas.

Provoca. Joga com o cansaço da população diante de conflitos decorrentes da ação policial. Ademais, joga com alucinados e infiltrados que destroem e saqueiam. E adia a Constituinte. Aposta em uma ressaca conservadora contra a ‘desordem’.

Ranking dos déspotas latino-americanos:

Moreno é rejeitado por 80% da sociedade equatoriana; Piñera é rejeitado por 88% dos chilenos; Iván Duque tem 60% de reprovação dos colombianos. Isso, antes das manifestações que reprimiu com violência e duas vítimas fatais.

Governantes da América Latina (Bolsonaro, Piñera, Moreno, Abdo, Jeanine) representam, em sua maioria, interesses antagônicos aos de uma população que rápida e explosivamente vive um processo de exclusão e empobrecimento.

Evidência dessa contraposição, a rebelião das ruas dificilmente vai parar.

América Latina está assim:

Número de miseráveis aumentou de 10,5% para 11,7% este ano, passando para um total de 72 milhões de pessoas. A pobreza saltou de 185 milhões de pessoas para 191 milhões (de 30% para 30,8% ). No Brasil há 13,5 milhões de miseráveis e 50% da população vive com 413,00/mês.

 

*Saul Leblon do twitter Carta Maior

*Foto: Sputnik

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: