25 de julho de 2021
  • 15:50 Quando a direita vai entender que ela tem prestar contas ao povo e não à esquerda?
  • 14:52 Ciro Nogueira é investigado em inquéritos sigilosos por beneficiar empreiteiras
  • 14:11 Pegasus: vazamento revela abuso de espionagem cibernética
  • 12:05 Investigado por tráfico de influência, filho de Bolsonaro fez permuta para se hospedar em ‘casa dos sonhos’
  • 11:11 Brian Mier, jornalista norte-americano, avisa: ‘EUA vão armar um novo golpe contra Lula’

O chefe da SECOM do governo Bolsonaro, Fábio Wajngarten, manteve 67 encontros com clientes de sua empresa, enquanto já ocupava o cargo público similar ao de ministro, na Secretaria de Comunicação. Os tais encontros de natureza privada foram pagas com verba pública, em pelo menos 20 viagens.

Ao todo, 62 pessoas ligadas às emissoras e afiliadas, entre elas SBT, Band, Rede TV e TV Record, se encontraram com Wajngarten desde que ele assumiu o cargo.

Com isso, são ao menos dois supostos crimes cometidos pelo chefe da SECOM, Conflito de interesses no cargo público e uso de verba pública para fins privados.

Agenda pública de Fabio Wajngarten mostra que desde que ele assumiu o cargo teve dezenas de reuniões com representantes de clientes e ex-clientes de sua empresa FW Comunicação.

 

 

*Com informações do A Postagem

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: