5 de julho de 2020
  • 14:08 Vídeo: Padre, em sermão, diz que quem votou em Bolsonaro tem que se confessar por eleger bandido
  • 12:23 Wassef, advogado de Bolsonaro, desesperado, promete ‘explodir todo mundo ao vivo em rede nacional’
  • 10:59 FHC manda Bolsonaro se calar e Bolsonaro, servil a FHC, vai se calar
  • 10:08 Os jornalistas da grande mídia estão para o PSDB como os bolsonaristas estão para Bolsonaro
  • 23:21 Como a Lava Jato escondeu do governo federal visita do FBI e procuradores americanos

O chefe da SECOM do governo Bolsonaro, Fábio Wajngarten, manteve 67 encontros com clientes de sua empresa, enquanto já ocupava o cargo público similar ao de ministro, na Secretaria de Comunicação. Os tais encontros de natureza privada foram pagas com verba pública, em pelo menos 20 viagens.

Ao todo, 62 pessoas ligadas às emissoras e afiliadas, entre elas SBT, Band, Rede TV e TV Record, se encontraram com Wajngarten desde que ele assumiu o cargo.

Com isso, são ao menos dois supostos crimes cometidos pelo chefe da SECOM, Conflito de interesses no cargo público e uso de verba pública para fins privados.

Agenda pública de Fabio Wajngarten mostra que desde que ele assumiu o cargo teve dezenas de reuniões com representantes de clientes e ex-clientes de sua empresa FW Comunicação.

 

 

*Com informações do A Postagem

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: