30 de novembro de 2020
  • 23:11 Cai a máscara do cínico: Moro será sócio de consultoria que administra a quebra da Odebrecht e da OAS
  • 20:17 A vitória de pirro da direita
  • 17:22 Por que o Ibope, sem justificativa, cancelou as pesquisas de boca de urna?
  • 15:54 A bela união das esquerdas já vale qualquer resultado
  • 13:18 Globo, que cresceu de braços dados com a ditadura, não aceita Lula por ter afrontado os ditadores

Jason, do sexta feira treze, é o personagem perfeito para mostrar o lado doce do próprio Bolsonaro no Expo Brasil, uma campanha da Embratur que prevê associar grandes estrelas de Hollywood à imagem do Brasil.

Possivelmente, o filho 02 de Bolsonaro, Carluxo, será representado, nessa nova imagem, pelo simpatissíssimo Chuck. E a milícia de Rio das Pedras como sindicato do crime.

O fato é que não faltam personagens de filmes americanos para melhorar a imagem de Bolsonaro, considerado hoje mundialmente um monstro planetário, principalmente por seu ataque incendiário no dia do fogo, na Amazônia, comandado pelo Planalto.

Se a Amazônia lá fora é considerada o pulmão do mundo, Bolsonaro é visto como a Chernobyl tropical ou o cano de descarga do planeta.

Assim não vai faltar grana para vender o Brasil pra gringo ver, pois o orçamento da Embratur saltou de US$ 8 milhões para US$ 120 milhões de dólares, o que significa R$ 503 milhões de reais na cotação de ontem. Tudo para divulgar um Brasil amável e combater as “falsas histórias que são compartilhadas na imprensa mundial de um presidente incendiário com instinto de imperador assassino”.

O planejamento estratégico foi elaborado pelo presidente da Embratur e sua equipe. Empresário, sanfoneiro, Gilson Machado, tornou-se uma das pessoas mais próximas de Bolsonaro figurando com frequência as lives transmitidas pelo presidente incendiário, integrando suas comitivas em viagens dentro e fora do Brasil. Machado é também íntimo dos filhos de Bolsonaro, tipo Queiroz da Embratur.

O fato é que a Embratur multiplicou sua verba em quinze vezes a pedido de Machado para que pudesse bombar a imagem de Bolsonaro. E entre os principais focos dessa estratégia está o patrocínio de filmes, assim como documentários, sendo duas produções sobre a Amazônia, segundo o próprio Bolsonaro que prevê a venda da Amazônia como um parque temático para visitação de estrangeiros, tendo Sharon Stone protagonizando o papel de uma espécie de Jane tropical do Brasil paraíso.

Mas a coisa não para por aí, Mickey e Minnie também terão experiências divertidas nesse Bolsonaro Word, como Zé Carioca e Carmen Miranda serão ressuscitados e reconfigurados para empreender a ideologia capitalista que está por trás dessa Amazônia de Bolsonaro.

Possivelmente, madeireiros, grileiros e posseiros serão vendidos como desbravadores da floresta em prol do desenvolvimento “sustentável” e índios e quilombolas como pragas amazônicas que precisam ser incorporados na sociedade de consumo ou varridos da floresta.

Em outras palavras, é isso, usar a produção de Hollywood com dinheiro público jorrando dos cofres da União para vender a Amazônia como se ela fosse uma grande Disney e Bolsonaro uma espécie de Gandhy florestal.

Tudo isso acontece depois que o documentário, Democracia em Vertigem foi indicado ao Oscar.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: