6 de março de 2021
  • 23:17 Cartório oculta dados de Flávio em escritura pública da casa de R$ 6 milhões
  • 22:39 Exemplo a ser seguido: Em vídeos, multidão pede renúncia do presidente do Paraguai por negligência no combate à pandemia
  • 19:02 “Nós é que vamos dizer o que é crime”: o dia em que a Lava Jato cometeu estupro coletivo para manter Lula preso
  • 16:24 Defesa de Lula desiste de habeas corpus e dá um nó tático na estratégia de Fachin
  • 15:47 Uma página lamentável na história do judiciário brasileiro. “Alô, Jungmann, aqui é a Carminha!”

O Complexo do Alemão, uma das maiores favelas do Rio, ganhou esta semana um gabinete de crise contra o coronavírus. Organizado por moradores —que apontam a ausência de orientações do poder público voltadas à realidade da comunidade—, o grupo promoveu uma campanha nas redes sociais para levantar fundos para a compra de água, sabão e álcool em gel.

A partir da ação do gabinete, recomendações de prevenção já ganharam as ruas e vielas por meio de folhetos explicativos sobre a covid-19, faixas e até mesmo um funk composto pelo Coletivo Papo Reto que toca em caixas de som instaladas em postes —as chamadas rádio-poste (rádios comunitárias).

“Tá ligado no coronavírus? Deixa eu te passar a visão. Essa doença triste que afetou nosso mundão. Vamos ter consciência e fazer toda a prevenção para nossa comunidade. Lave as mãos frequentemente, com água e sabão. Evite sair de casa para não ter aglomeração”, diz o funk.

Como alguns pontos da favela estão há mais de um mês sem água, esta tornou-se uma das prioridades. “Se a orientação principal é lavar as mãos com água e sabão e as pessoas não têm água, elas ficam muito vulneráveis. É nisso que a gente precisa agir”, diz Camila dos Santos, uma das organizadoras do gabinete.

 

 

*Com informações do Uol

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: