25 de outubro de 2020
  • 15:08 Vídeo – Lula escracha a Globo: “Gastaram 5 anos falando mal, e apenas 36 segundos para assumirem que era tudo armação”
  • 12:04 Secom veiculou até onze vezes mais anúncios em canais investigados por fake news
  • 10:42 Impasse sobre CoronaVac pode atrasar vacinação no Brasil
  • 19:12 Carlos Fernando Boquinha, uma ave de rapina tucana com asas de ganso
  • 17:44 General Heleno mentiu: GSI não tomou conhecimento de denúncia do caso Flávio/Queiroz de ‘maneira informal’

Tércio Arnaud Tomaz foi ouvido no inquérito que apura a promoção de atos antidemocráticos e também admitiu participar de grupo de WhatsApp com o blogueiro de direita Allan dos Santos, alvo de investigações no Supremo Tribunal Federal.

Com isso, o quebra-cabeça vai sendo montado. Não que haja surpresas em seu depoimento, mas a confissão tira qualquer dúvida que se possa ter de que a rede é patrocinada e alimentada pelo Palácio do Planalto como estratégia política criminosa.

Apontado como um dos principais integrantes, senão o principal integrante, do chamado ‘gabinete do ódio‘, homem de confiança de Bolsonaro, grupo de assessores do Palácio do Planalto comandado pelo vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), Tomaz foi descoberto justamente pelo ‘filho 02’ do presidente.

Segundo matéria do Estadão, O trabalho na página ‘Bolsonaro Opressor’, criada quando Bolsonaro ainda era deputado federal para promover a atuação do então parlamentar, chamou atenção do clã e abriu caminho para o cargo no Planalto após a vitória bolsonarista na eleição de 2018.

Ele foi intimado pela PF depois que seu nome apareceu na investigação feita por especialistas do Digital Forensic Research Lab (DRFLab), grupo ligado ao Atlantic Council, instituição que realiza análise independente de dados do Facebook. O relatório da DRFLab apontou que Tércio administrava páginas e contas com conteúdo de ataques a adversários políticos do governo, em muitos casos com conteúdo considerado ‘enganoso’ e que mistura ‘meias-verdades para chegar a conclusões falsas’.

No depoimento, o assessor reconheceu ter idealizado, além da página ‘Bolsonaro Opressor’ no Facebook, cinco outras contas semelhantes nas redes sociais: ‘Bolsonaro Opressor 2.0’, ‘Bolsonaro News’, ’20 Oprimir’, ‘Extrema Vergonha na cara’ e ‘Nordestinos com Bolsonaro 2018’.

O assessor da Presidência também contou detalhes sobre outro ponto de contato com a militância virtual bolsonarista: Tércio informou que envia materiais audiovisuais diretamente ao canal de YouTube ‘Foco do Brasil’. Segundo o assessor, vídeos de participações do presidente Jair Bolsonaro em eventos ou entrevistas costumavam ser publicados no site da TV Brasil, emissora estatal com conteúdo aberto, mas que, em razão de problemas técnicos, o material passou a ser ‘filtrado’ e enviado diretamente ao canal.

“Anderson passou a entrar em contato com o declarante (Tércio) por meio de aplicativo de mensagens Whatsapp, com solicitação de material que pudesse ser publicado no canal do Foco do Brasil. QUE o declarante normalmente durante viagens, eventos ou entrevistas do Presidente da República realiza (ou recebe) pequenas filmagens que possam ser distribuídas para canais ou mídia tradicional, situação que abarca o canal do Foco do Brasil”, diz um trecho do termo de depoimento.

WhatsApp. Tércio Tomaz também relatou aos investigadores que fez parte de um grupo de WhatsApp administrado pelo blogueiro Allan dos Santos, alvo do inquérito e investigado também no inquérito das fake news, que apura a disseminação de notícias falsas, ofensas e ameaças contra autoridades. Segundo o assessor, a intenção do grupo era agendar reuniões na residência do blogueiro ‘para discutir temas relacionados ao governo federal’.

“Indagado se fez parte de algum grupo de WhatsApp administrado por Allan dos Santos, respondeu que sim, participou, o declarante foi inserido por Allan, pois ele queria montar um grupo que pudesse se reunir na casa de Allan, semanalmente, para discutir temas relacionados ao governo federal com pessoas que estão dentro do governo. Que o declarante nunca participou desses eventos e que se manteve no grupo como forma de se informar de temas de interesse”, aponta o termo de depoimento.

Segundo Tércio Tomaz relatou à PF, os deputados federais Paulo Martins (PSC-PR) e Daniel Silveira (PSL-RJ) participavam do grupo junto com ‘outras pessoas de baixo escalão do governo’.

 

*Com informações do Estadão

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: