22 de setembro de 2021
  • 22:24 Ministro da Saúde Marcelo Queiroga testa positivo para Covid-19
  • 18:59 Vídeo: Bolsonaro, na ONU, fez seu discurso de despedida da presidência da República
  • 18:32 O mundo todo diz que a ONU deveria ter queimado o púlpito depois da fala de Bolsonaro pelo seu grau de radiação
  • 16:46 Depois de mentir na ONU, Bolsonaro, em cima da hora, desmarca entrevista e vai embora
  • 14:43 Jair Renan será denunciado por ameaças contra a CPI da Covid

Quando Moro, ministro de Bolsonaro, colocou a PF no encalço do porteiro do Vivendas da Barra para dar um calor no coitado, e este mudar a versão de que a ordem que recebeu para liberar a entrada de Élcio de Queiroz, veio da casa 58 e a voz ouvida por duas vezes era do Seu Jair, todos sacaram que essa história de Ronnie Lessa, vizinho de Bolsonaro no condomínio Vivendas da Barra, era chapa quente.

O interessante é que Moro, ainda era ministro, quando o miliciano Adriano da Nóbrega foi morto, ligado ao clã Bolsonaro e a Ronnie Lessa, assassino de Marielle, Moro não quis se envolver no caso, alegando que isso era um problema da polícia da Bahia.

A questão é que, quando o porteiro tomou uma prensa e mudou a sua versão sobre que voz lhe deu a ordem para abrir o portão do condomínio para que o comparsa de Ronnie Lessa entrasse no dia da morte de Marielle, foi para a Polícia Civil do Rio.

Então, qual o sentido de Moro não se meter na morte de Adriano alegando ser um problema da polícia da Bahia e se meter na investigação da polícia do Rio que conseguiu tal declaração do porteiro?

Como explicar essa contradição do ex-juiz herói que colocou Bolsonaro na cadeira da presidência?

O fato é que o “Jair”, o cara da casa de vidro, revelado neste sábado pela excelente matéria do Intercept, é o mesmo Seu Jair que morava a 50 passos da casa do assassino de Marielle, no Vivendas da Barra e que, já no Palácio do Planalto, recebeu ligações de pessoas ligadas a Adriano da Nóbrega logo depois de sua morte na Bahia.

Morte que ocorreu dois dias após Eduardo Bolsonaro chegar na Bahia e lá se manteve pelo menos até o dia da morte de Adriano. Coincidência? Pode ser, mas a coisa não para aí:

Após o Ministério Público do Rio concluir que o “cara da casa de vidro” seria Jair Bolsonaro, as escutas teriam sido interrompidas, segundo as fontes ouvidas pelo Intercept na condição de anonimato.

A interrupção das escutas reforça a ideia de que o “Jair” seria o presidente da República, já que o MP estadual não tem competência para investigá-lo e deve informar a Procuradoria-Geral da República, que possui a competência. Segundo a reportagem, a PGR não informou ao site se recebeu ou não o inquérito, como bem pontuou reportagem do Brasil de Fato.

Então, volta àquela velha história, tanto no caso de Adriano como da Marielle e o clã Bolsonaro, como diria Brizola:

“Tem rabo de jacaré, couro de jacaré, boca de jacaré, pé de jacaré, olho de jacaré, corpo de jacaré e cabeça de jacaré, como é que não é jacaré?”

*Da redação

Antropofagista interação – Siga-nos no Watsapp: https://chat.whatsapp.com/C3vFPKeGR4JGwnGrwc6O5F

Siga-nos no Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/H61txRpTVWc7W7yyCu0frt

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68

PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: