26 de setembro de 2021
  • 09:28 Juíza que atuou no Tribunal de Haia diz que há prova suficiente para condenar Bolsonaro
  • 19:53 Marcio Garcia, o filho de Alexandre Garcia
  • 19:10 O suposto combate à corrupção no Brasil produziu dois golpes e levou ao poder dois corruptos
  • 17:31 Estatais de Exército e Marinha são excluídas de auditoria sobre pagamentos de R$ 44 mi acima do teto
  • 14:25 Dossiê: Prevent induziu competição de médicos para ‘bombar’ kit covid

Não importa a festa que se faça aqui e acolá sobre a folclórica terceira via. Os brasileiros que tiveram negada a oportunidade de ingresso num contexto mínimo de cidadania nos governos Temer e Bolsonaro cobrarão o preço da fatura em 2022. Quanto a isso, não há a menor dúvida.

Todo o projeto de cidadania construído durante os governos Lula e Dilma, foi mutilado.

Esses são os dados centrais que definirão a eleição de 2022. Não adianta Bolsonaro, no seu chiqueirinho, dizer que, se Lula ganhar a eleição, será fraude.

A piada passa por uma dura realidade, com menos de três anos de governo, utilizando somente a mentira como forma de governar e não governando nada de verdade para o país, Bolsonaro já tem forte expectativa de que a sua derrota está garantida, já que hoje não goza sequer de 30% de aprovação com os 900 dias trágicos de seu governo somado à culpa pelo morticínio de meio milhão de brasileiros.

Já Lula, passados os oito anos de seu governo, ele entrega a faixa presidencial para Dilma com 87% de aprovação, como resultado de uma integração entre sociedade e governo.

Então, o cálculo que Bolsonaro faz em seus arrotos, não é político, é criminal. Ele sabe que o que está em jogo é muito mais que uma derrota eleitoral, mas a própria condenação à cadeia de parte considerável de sua família, logicamente fermentada por sua própria prisão.

Por isso, ele não pode considerar normal sua derrota, pois seus crimes são cumulativos e, fora da presidência, correspondem à situação de um criminoso comum, porque já não terá mais respaldo institucional que ele organizou para instrumentalizar as instituições e garantir a sua e a impunidade de seu clã.

Nada adiantará Bolsonaro querer estabelecer confusão sobre uma falsa premissa ideológica, folclorizada por esse governo miliciano, porque seu discurso não vem acompanhado de realidade e muito menos é uma uma liderança com capacidade de mover as peças do tabuleiro para reinar num processo eleitoral que certamente será duro, pois jogará sujo sem qualquer norma de civilidade, sobretudo nas cidades em que as milícias são mais fortes e as mazelas mais absolutas.

Mas não deixa de ser um pensamento contraditório, porque a invasão das milícias agrava ainda mais as crises urbanas, pois desemboca em pobreza, miséria e mais violência. Não é esse o pior drama da cidade do Rio de Janeiro?

Ou seja, a destruição que Bolsonaro pretende impor ao pleito eleitoral não terá a solidariedade de ninguém, se é isso que ele espera como proposta para se manter fora da cadeia, e é bom “jair” comprando o pijama listrado porque não há qualquer esperança dessa promessa bufa sair vitoriosa a pretexto de continuar salvando o país dos comunistas.

Até uma criança gargalha diante de uma história tão patética a essa altura dos fatos. E os tribunais de justiça já estão à espera de Bolsonaro, tanto no Brasil quanto no exterior.

*Carlos Henrique Machado Freitas

Siga-nos no Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/H61txRpTVWc7W7yyCu0frt

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68

PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: