30 de setembro de 2021
  • 17:32 Pesquisa Ipespe: Lula está 15 pontos à frente de Bolsonaro e venceria adversários no segundo turno
  • 15:50 Ciro Nogueira deu cargo com salário de R$ 13 mil à esposa de seu secretário-executivo
  • 15:14 Lula obtém sua 20ª vitória na justiça contra Moro e caso do sítio de Atibaia é enterrado
  • 13:21 Vídeo: Em Minas, Bolsonaro é vaiado, escrachado e xingado
  • 10:17 Para chaleirar Bolsonaro, Véio da Havan usou a própria mãe como cobaia do kit cloroquina

Presidente usa redes sociais para desqualificar ato realizado em frente ao Palácio do Planalto.

O presidente Jair Bolsonaro fez uma publicação nas redes sociais nesta sexta-feira (27) com ataques a uma manifestação realizada por indígenas em frente ao Palácio do Planalto, sede do governo federal, em Brasília.

Em declarações anteriores, no início da semana, Bolsonaro se referiu aos indígenas como “uns coitados” e “massa de manobra”. Desta vez, o mandatário tentou associar o ato a “aqueles”, que, segundo ele, “censuram, prendem e atacam os defensores da Constituição Federal”.

“Agora, na frente da Presidência da República. Este tipo de gente quer voltar ao poder com ajuda daqueles que censuram, prendem e atacam os defensores da liberdade e da CF. No momento me encontro no Comando de Operações Especiais em Goiânia/GO”, escreveu Bolsonaro na legenda de um vídeo publicado no Facebook.

Desde o último domingo (22) a mobilização nacional “Luta pela Vida”, em Brasília, reúne cerca de 6.000 indígenas em um acampamento na capital federal organizado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), em conjunto com todas as suas organizações de base.

O movimento indígena vem denunciando de forma constante o agravamento das violências contra os povos originários dentro e fora dos territórios tradicionais.

Defensores do “marco temporal” se apoiam em uma decisão de 2009, da Justiça Federal em Santa Catarina, que deu reintegração de posse de uma área indígena na Reserva Biológica do Sassafrás. Em 2013, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) manteve a decisão.

Defensores dos povos originários apontam que a tese é injusta, porque desconsidera as expulsões, remoções forçadas e todas as violências sofridas pelos indígenas até a promulgação da Constituição.

Além disso, ignora o fato de que, até 1988, eles eram tutelados pelo Estado e não podiam entrar na Justiça de forma independente para lutar por seus direitos.

A sessão definirá o futuro das demarcações de terras indígenas no país. Com status de “repercussão geral”, a decisão tomada neste julgamento servirá de diretriz para a gestão federal e todas as instâncias da Justiça, também como referência a todos os processos, procedimentos administrativos e projetos legislativos no que diz respeito aos procedimentos demarcatórios.

*Com informações do Brasil de Fato

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68

PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. Magda ferreira santos Posted on 28 de agosto de 2021 at 14:04

    ORA, SEU ESTÚPIDO, DEIXE DE SER IDIOTA E NOS POUPE DE SEUS COMENTÁRIOS RIDÍCULOS, SE ALGUEM ESTÁ FORA DE SEU LUGAR É VOCÊ E SEUS FILHOS QUE DEVERIAM ESTAR ATRAS DAS GRADES OU NUM MANICÔMIO.

    Reply
  2. Afonso Schroeder Posted on 28 de agosto de 2021 at 15:28

    Graças a CPI brasileiros conhecem os corruptos enganadores do trabalhador brasileiro, “Bozó” falso na sua “gestão” oculta matando milhares de brasileiros pela COVID-19 tenta ironizar suas falcatruas mas já sabemos o chefão, assassino sabotador comprovado pela CPI é Bozó.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: