18 de setembro de 2021
  • 14:13 ‘Gabinete paralelo’ tinha ligação com Prevent Senior, diz documento
  • 12:11 Governo Bolsonaro é criticado pela ONU por esvaziar proposta contra vigilância ilegal
  • 10:15 Ana Paula do Vôlei, a bela bruxa da maçã envenenada
  • 09:12 Fachin cobra de Aras nova manifestação sobre denúncia contra Arthur Lira
  • 21:13 Técnicos do Ministério da Saúde ameaçam renúncia coletiva se Bolsonaro não recuar na vacinação de adolescentes

A Caixa e o Banco do Brasil não deixarão mais a Febraban. Não vão mais cumprir a ameaça feita na semana passada pelos seus presidentes, contrários à adesão da entidade ao manifesto “A Praça dos Três Poderes”, capitaneado pela Fiesp e que contava com o apoio de outras 200 entidades empresariais.

A avaliação do comando dos dois bancos federais é que o comunicado divulgado ontem à noite pela Febraban não deixa brechas para qualquer decisão de saída.

Em resumo, Caixa e BB ameaçaram se desfiliarem porque a Febraban assinaria um manifesto que eles enxergaram como crítico ao governo Bolsonaro.

Mas como a própria Febraban disse ontem que “o assunto está encerrado e com isso não ficará mais vinculada às decisões da Fiesp, que, sem consultar as demais entidades, resolveu adiar sem data a publicação” do texto, Caixa e BB consideram que a saída seria um enfrentamento ruim de ser bancado.

No comunicado, porém, a Febraban afirma também que o objetivo do manifesto foi cumprido (mesmo sem ter sido publicado) por ter sido amplamente divulgado. No fim das contas, a Febraban reafirmou sua posição pró-manifesto, ainda que ele nunca venha a público, mas se dissociou da Fiesp.

Caixa e BB, portanto, recuaram.

A negociação pelos lado dos bancos foi feita pelo presidente do BB, Fausto Ribeiro. Pedro Guimarães, comandante da Caixa, esticou muito a corda nos últimos dias e não tinha condições se sentar-se para conversar com os dirigentes da Febraban.

A principal exigências dos bancos públicos era que a Febraban não assinasse o manifesto da Fiesp e nem publicasse qualquer manifesto próprio. Esse foi o acordo selado.

A Febraban viveu nos últimos 15 dias seus momentos de maior dissenso interno desde que foi fundada em 1967. A desistência da Caixa e do BB de deixarem a entidade não significa que a paz tenha voltado. As divergências internas ainda ardem.

*Lauro Jardim/O Globo

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica
Agência 0197
Operação 1288
Poupança: 772850953-6
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450. 139.937-68
PIX: 45013993768

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: