10 de novembro de 2021
  • 14:26 Governo fecha o cerco a quem pediu extradição de Allan dos Santos
  • 13:32 Pesquisa Quaest/Avaliação negativa de Bolsonaro bate recorde
  • 09:42 Pesquisa mostra Lula mais perto da vitória no primeiro turno
  • 09:03 Para a mídia, Lula virou uma batata quente, e não sabe como segurá-lo
  • 22:01 PEC dos precatórios: Câmara aprova texto em 2º turno

Nada representa melhor a tragédia cultural, social e ética do que um dos representantes do califado das rachadinhas, Eduardo Bolsonaro, posando com  fantasia de sheik em Dubai.

Na verdade, essa imagem diz muito sobre o clã e seus súditos, mas também diz muito sobre os patrocinadores da chegada do califado de milicianos ao poder.

Eduardo Bolsonaro, que pertence a uma dinastia que vende valores conservadores, na prática, não passa de um membro da maior quadrilha que surrupia o bem público há muitas décadas.

Tudo isso não deixa de ser uma zombaria com a cara da população e com a própria institucionalidade que se mantém em silêncio diante do que esse califado oferece ao país como representação máxima de poder da República.

A lentidão com que as investigações acontecem contra todos os malfeitos dessa gente, é uma desmoralização inapelável das instituições de controle no país em que as leis são relativizadas e os poderes político e financeiro, juntos, determinam, na realidade, o que é ou não ilegal.

Isso está tão escancarado, que Bolsonaro nem se estressa mais com os escândalos do seu clã estampados nas primeiras páginas dos jornais e nos mais importantes telejornais do país.

Parece que a família está governando uma terra sem lei que enfrenta a justiça somente quando ataca o judiciário e não as leis.

Tudo o que já se sabe dessa gente, fosse em um país minimamente sério, já estariam todos há muito tempo na cadeia. Mas a maneira debochada com que Eduardo Bolsonaro espalhou sua imagem ao lado da filha e da esposa, fantasiado de sheik jeca, é uma desmoralização generalizada do Brasil como nação civilizada.

O escárnio se torna mais grave, justamente porque acontece no momento em que a CPI está para concluir seu relatório sobre os inúmeros crimes cometidos pelo clã, que vão de corrupção generalizada na compra de vacinas ao resultado da pandemia que tem até o momento, mais de 600 mil mortes, mesmo com escancarada subnotificação, além de um número inimaginável de pessoas que sofrem com as sequelas deixadas pela covid.

É ter muita certeza da impunidade.

Caros Leitores, precisamos de um pouco mais de sua atenção

Nossos apoiadores estão sendo fundamentais para seguirmos nosso trabalho. Leitores, na medida de suas possibilidades, têm contribuído de forma decisiva para isso. Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica
Agência 0197
Operação 1288
Poupança: 772850953-6
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450. 139.937-68
PIX: 45013993768

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Carlos Henrique Machado

Compositor, bandolinista e pesquisador da música brasileira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: