14 de agosto de 2022
  • 18:32 Bolsonaro diz que rachadinha é ‘meio comum’
  • 17:38 Por interferência, delegado do caso Milton Ribeiro pede ao STF a prisão da cúpula da PF
  • 16:52 Vídeo: Em entrevista, advogado do “hacker” Delgatti, conta como foi encontro com Zambelli
  • 15:55 Em vídeo, Lula se compromete a manter Auxílio Emergencial permanente
  • 15:04 As eleições começam no dia 16 com Lula na TV falando com o povo

Toda essa campanha feita pela mídia contra a possível aliança entre Lula e Alckmin, tem nos servido de memoriol para que não esqueçamos, em última análise, que Bolsonaro só chegou aonde chegou porque foi rebocado e colocado na cadeira da presidência pela grande mídia, o que, grosso modo, podemos dizer que todas as tragédias que se abateram sobre centenas de milhares de famílias que perderam seus entes queridos para a covid têm na mídia brasileira a principal culpada por toda a condução perversa de um fascista como Bolsonaro.

A economia em frangalhos, os 30 milhões de brasileiros na mais absoluta miséria, a precarização de um número incontável de trabalhadores e os 15 milhões de desempregados fazem parte do mesmo pacote de culpa da mídia por ter trabalhado intensamente e com as armas mais sujas para que Bolsonaro chegasse aonde chegou.

Essa obsessão estampada em manchetes e matérias dos Mervais da Globo sobre a aliança de Lula com Alckmin, numa tentativa de envenenar os caminhos para que Lula não volte ao poder e, consequentemente os pobres não voltem a fazer parte do orçamento, não é fruto de outra coisa senão o neofascismo que se confunde com o neoliberalismo do qual a mídia brasileira é a parte mais importante.

Moro, como fica cada dia mais claro, nunca existiu, não naquele formato heroico, destemido de um novo caçador de marajás, aquilo foi um bate-entope requentado de Collor de Mello e, como tal, apresenta todos os dias um exemplo claro de que o ex-juiz todo poderoso conseguiu ser bem pior do que seu inspirador.

Moro é de um analfabetismo intelectual insuperável, é de um provincianismo que vai muito além do manual de um jacu, de um bocó que revela o nível de fragilidade institucional e intelectual com que atravessa o sistema judiciário de Estado brasileiro.

A pergunta que se faz é como um sujeito desse teve tanto apoio dentro das quatro linhas do nosso sistema de justiça? E se não foi pelos seus ativos intelectuais, já que não os tem, a coisa se torna ainda pior, porque foi pela doutrina da mesma mídia neofascista que não faz outra coisa, senão tentar destruir o máximo que pode as instituições do Estado e, lógico, o Estado em si para que o setor privado na sua parte mais canibal e poderosa imponha suas regras, sobretudo naquilo que mais sova as costas dos brasileiros, o sistema financeiro que hoje encontra uma bandalha tão totalmente entregue aos espúrios banqueiros e rentistas nacionais e internacionais que a inflação que já chegou a dois dígitos, cobra taxas de juros anuais de 1000% sem que ninguém da grande mídia tenha coragem de escrever isso no rodapé de qualquer jornalão, mesmo na página mais esquecida do periódico.

Há uma nítida fotografia na nossa frente, diria mais, nunca essa fotografia foi tão explícita, tão explicativa, cabendo a cada um de nós denunciar essa pilhagem, esse saque diário que as elites produzem nesse país para fazer uma transfusão ininterrupta de todo o fruto da riqueza produzida no Brasil para os cofres do 1% dos mais ricos.

Isso não é nem capitalismo, é neofascismo direto na veia. E é esse sistema que a mídia brasileira opera diuturnamente para sustentar e ampliar, e não há limites, muito menos restrição de nomes, condutas ou práticas para isso, o que explica a ascensão de crápulas como Moro e Bolsonaro e tudo o que orbita em torno desses dois personagens nefastos da história da República brasileira.

Caros Leitores, precisamos de um pouco mais de sua atenção

Nossos apoiadores estão sendo fundamentais para seguirmos nosso trabalho. Leitores, na medida de suas possibilidades, têm contribuído de forma decisiva para isso. Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica

Agência: 0197
Operação: 1288
Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768

Carlos Henrique Machado

Compositor, bandolinista e pesquisador da música brasileira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: