18 de maio de 2022
  • 22:29 Privatização da Eletrobras: ministro do TCU Vital do Rêgo dirá em seu voto que estatal está sendo ‘saqueada’
  • 21:31 Bolsonaro segue dando o golpe do golpe para não falar da inflação descontrolada que está massacrando o povo
  • 18:48 CASSADO: Alesp cassa mandato do deputado Mamãe Falei, Arthur do Val, que fica inelegível
  • 17:01 Vídeo: Em Sergipe, Bolsonaro ouviu gritos de “Lula”
  • 14:58 TV bolsonarista ligada a Ciro Nogueira tem funcionários pagos pelo Senado

Ao justificar a operação militar na Ucrânia, Vladimir Putin declarou que um dos objetivos é “desnazificar” o país.

Ao se pronunciar sobre os ataques militares na Ucrânia na madrugada desta quinta-feira (25), o presidente da Rússia, Vladimir Putin, declarou um dos objetivos da ação é “desnazificar” o país.

“Vamos tentar alcançar a desmilitarização e desnazificação da Ucrânia. E levar à Justiça aqueles que realizaram múltiplos crimes sangrentos contra civis, incluindo cidadãos da Federação da Rússia”, disse o líder russo em um trecho de seu discurso.

Um dos crimes sangrentos a que Putin se refere, ocorreu no dia 2 de maio, de 2014 e ficou conhecido como “Massacre na Casa dos Sindicatos”, quando grupos neonazistas, que estavam em ascensão na Ucrânia após o Euromaidan (levante que derrubou o governo de Viktor Yanukovych, que era pró-Rússia).

O ataque foi organizado pela milícia paramilitar neonazista Pravyy Sektor (Setor Direito, em português) e reuniu mais de mil pessoas que invadiram o prédio que era sede de organizações sindicais e do comitê regional do Partido Comunista da Ucrânia. Mais de mil militantes da extrema direita participaram do ataque.

O Pravyy Sektor, que contou com o apoio dos hooligans do clube Chermorets, perseguiam manifestantes pró-Rússia que se esconderam na Sede dos Sindicatos. No ataque, 39 pessoas morreram carbonizadas.

Entre as vítimas está o jovem militante comunista Vadim Papura, que tinha 17 anos.

Parte dos manifestantes que atacaram o prédio usavam suásticas e insígnias fascistas.

Aqueles que conseguiam fugir do prédio, eram cercados e espancados por nazistas. A polícia ucraniana presenciou, mas não interveio.

Um dos líderes do grupo Pravyy Sektor, Dmitry Ragovsky, declarou, à época do ataque, que o objetivo do grupo era eliminar os cidadãos pró-Rússia.

Pravyi Sektor: quem são os neonazistas da Ucrânia apoiados por bolsonaristas

As origens e motivações para o conflito entre os dois países vêm de longa data e têm relação, principalmente, com a influência da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e dos Estados Unidos na região – o que para o governo russo representa uma ameaça.

Essa tensão chegou ao ápice em 2014, quando ultranacionalistas que eram contra o presidente ucraniano Viktor Yanukovych, pró-Rússia, tomaram as ruas com protestos, em um movimento que fiou conhecido com Euromaiden. O levante derrubou o governante que, aliado ao governo russo, tinha se recusado a assinar um acordo para se associar à União Europeia. Depois desse movimento que a Crimeia, que não reconheceu o novo governo, foi anexada à Rússia, após referendo.

Em meio a esses conflitos surgiu o Pravyi Sektor, grupo paramilitar, notadamente neonazista, que depois se tornou partido político. O grupo atuou diretamente para a derrubada do governo Yanukovych. A vitória dos manifestantes ultranacionalistas garantiu a incorporação de neonazistas nas forças armadas ucranianas.

Pravyi Sektor e os bolsonaristas

A bandeira usada pelo Pravyi Sektor leva o brasão de armas da Ucrânia, símbolo adotado por movimentos neonazistas, com o fundo em vermelho e preto. Eles dizem seguir a “tradição” do Exército Insurgente Ucraniano, que lutou na Segunda Guerra Mundial em cooperação com os nazistas e contra a União Soviética.

A Organização dos Nacionalistas Ucranianos, da qual derivou o grupo, introduziu elementos de fascismo, expansionismo e darwinismo social em sua ideologia.

*Com Forum

Siga-nos no Telegram

Caros Leitores, precisamos de um pouco mais de sua atenção

Nossos apoiadores estão sendo fundamentais para seguirmos nosso trabalho. Leitores, na medida de suas possibilidades, têm contribuído de forma decisiva para isso. Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica

Agência: 0197
Operação: 1288
Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. Pingback: Massacre na Casa dos Sindicatos: O dia em que neonazistas da Ucrânia carbonizaram militantes comunistas – Antropofagista | THE DARK SIDE OF THE MOON...
  2. Pingback: La exclusión es inherente a la barbarie. Martinho Júnior - Frente Antiimperialista Internacionalista
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: