18 de maio de 2022
  • 10:54 A cada show, a onda cresce: “olê, olê, olá, Lula” e “fora Bolsonaro”
  • 09:23 Bolsonaro ajuíza processo contra Moraes no STF por abuso de autoridade
  • 22:29 Privatização da Eletrobras: ministro do TCU Vital do Rêgo dirá em seu voto que estatal está sendo ‘saqueada’
  • 21:31 Bolsonaro segue dando o golpe do golpe para não falar da inflação descontrolada que está massacrando o povo
  • 18:48 CASSADO: Alesp cassa mandato do deputado Mamãe Falei, Arthur do Val, que fica inelegível

Bolsonarista radical e integrante do “gabinete paralelo” da cloroquina é o maior acionista da fornecedora de quitutes finos que alimentam o mandatário extremista em seus voos.

Após ser revelado que o avião presidencial foi abastecido com quitutes e tira-gostos para Jair Bolsonaro que custaram R$ 2,6 milhões desde que assumiu a chefia do Palácio do Planalto, agora vem à tona quem foi o beneficiado com o rechonchudo contrato, firmado ainda na gestão de Michel Temer, mas prorrogado várias vezes pelo atual governo: A IMC – International Meal Company Alimentação – que tem como principal acionista o megaempresário Carlos Wizard.

Wizard é um devoto bolsonarista radical que fazia parte do sinistro “gabinete paralelo” durante o auge da pandemia, uma organização não oficial que ditava políticas públicas esdrúxulas de combate ao coronavírus e que foi responsável pela disseminação da cloroquina. Ele tem 15% de participação societária na IMC e é seu maior acionista.

O escândalo dos petiscos estourou nesta sexta-feira (18) depois que o deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) divulgou um levantamento realizado com base nos dados do Portal da Transparência. Entre os quitutes disponíveis para o presidente e seus acompanhantes no avião da Força Aérea Brasileira estão refeições prontas (café da manhã, almoço e jantar), bebidas não alcóolicas, lanches (salgados e sanduíches), petiscos (castanhas, barras de cereais e frios), frutas, doces e gelo.

“O presidente diz que é simples, como macarrão instantâneo e leite condensado, mas a realidade é outra. É dinheiro público pagando a conta dos luxos do Bolsonaro em plena crise. É vergonhoso. Esse tipo de serviço não é pago com o cartão corporativo, uma vez que a empresa mantém relação contratual por meio de licitação realizada pela presidência”, declarou Elias Vaz.

Segundo o levantamento feito pelo deputado Elias Vaz, em 2019 foram gastos R$ 851.159,36, em 2020 R$ 656.117,38 e em 2021, R$ 889.5883,37. Este ano a presidência já gastou R$ 202.836,37.

*Com Forum

Siga-nos no Telegram

Caros Leitores, precisamos de um pouco mais de sua atenção

Nossos apoiadores estão sendo fundamentais para seguirmos nosso trabalho. Leitores, na medida de suas possibilidades, têm contribuído de forma decisiva para isso.

Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica

Agência: 0197

Operação: 1288

Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768 – CPF

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: