28 de maio de 2022
  • 15:14 O cerco da mídia contra Lula vai aumentar
  • 14:58 Papuda: mães, irmãs e avós de presos são “vendidas” para pagar dívidas
  • 12:53 Lula: “Bolsonaro não dormiu depois do resultado da pesquisa”
  • 10:37 Editorial da Globo é o velho antipovo disfarçado de antipetismo
  • 22:11 Bolsonaro diz que concedeu indulto a Silveira para “dar exemplo” ao STF

Não há uma repulsa unânime da sociedade ao governo Bolsonaro, isso é fato. Em compensação é cada vez mais raro alguém pronunciar o nome de Bolsonaro no sentido positivo nas ruas do país.

Quem ainda entoa uma defesa do atual presidente é nitidamente surdo ou escancaradamente desonesto.

O conjunto de crimes cometidos pelo seu governo, seja na pandemia, seja na corrupção generalizada dos seus ministérios, são hoje as maiores referências desse governo.

É bom salientar que não há o tal bolsonarista legítimo, pelo menos não para quem tem bom senso de alcançar o entendimento de que o bolsonarismo chamado raiz, na verdade é um guimba de fumo que a direita levou nesses últimos anos.

Por isso, o estreitamento de seu eleitorado não foi essencialmente formado pelo suposto bolsonarismo. A maioria dos votos foi de ocasião, e estes Bolsonaro já perdeu.

Vendo que Bolsonaro não encanta e não consegue emplacar uma nova fraude, como a farsa da facada e o acordo feito às escuras entre ele e Moro para tirar Lula do páreo, o dito bolsonarista anda tão brocha quanto os militares que protagonizaram a imagem do último escândalo envolvendo as Forças Armadas com a compra de vários produtos absurdos como viagra, próteses penianas e gel lubrificante.

O fato é que a classe média, que, numericamente, deu mais votos a Bolsonaro, começa a entender que não manda em nada pelas perdas que acumulou nesses mais de três anos.

Por outro lado, não são poucos os empresários que reclamam não exatamente da inflação, mas de um efeito pesado desse processo, que são as maiores taxas de juros do planeta.

Pela própria pobreza, os juros de crédito bancário, que chegam a passar de 1000% ao ano, não afeta diretamente as camadas segregadas da sociedade, mas aquele hipnótico Bolsonaro, nem de longe é o mesmo que, de forma ilegítima, encantou a, digamos, parte branca da sociedade brasileira.

O fato é que o que pairou ontem com a motociata de Bolsonaro, que já foi para o bolsonarismo, uma manifestação simbólica, é que ela não é mais referência de nada, assim como o Whatsapp que, fechando acordo com o TSE, de não deliberar o uso da rede para a disseminação de fake news, naturalmente abriu concorrência com a campanha de Bolsonaro. Daí o furor de ódio daqueles que não gostaram desse acordo que acabou por impedir que aquela coisa horrível que se viu em 2018 fosse reproduzida em 2022.

Assim, a realidade está emitindo sinais para Bolsonaro que seu tempo encurtou muito para tentar uma reação, com a ampulheta já adiantada.

As vozes desse tempo sombrio foram resgatadas pelo historiador Carlos Fico, titular de História do Brasil da UFRJ.

Siga-nos no Telegram

Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica

Agência: 0197

Operação: 1288

Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768 – CPF

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Carlos Henrique Machado

Compositor, bandolinista e pesquisador da música brasileira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: