25 de junho de 2022
  • 21:18 Vídeo: Ataque de fazendeiros a indígenas em Mato Grosso do Sul deixa feridos e desaparecidos
  • 18:48 Família Dallagnol é cobrada pelo Incra em R$ 147 milhões por sobrepreço em desapropriação de terras
  • 17:37 Milton Ribeiro, em ligação com a filha, diz que Bolsonaro ligou alertando sobre busca e apreensão
  • 15:17 Estuprada por Bolsonaro, a arte brasileira toca por Lula
  • 14:29 Faixa de caminhão na estrada de SP, “Bolsonaro te enganou”

Taí o que Dilma quis dizer sobre crise cultural no Brasil. Pondé ser chamado de intelectual, mesmo de forma irônica, é um insulto. Sua métrica não engana. Cada frase ensaiada, ritmada e rasa é sua marca. Pondé sempre foi um santeiro vulgar que substitui o pensamento por balelas sociais. É a vocação desse “intelectual” de plástico, a cara dos tucanos que, hoje, na figura de Dória, deram uma aula de tara mortal pelo poder a qualquer custo.

Essa criatura, que ocupa a cadeira da presidência da república, é uma obra criada por figuras como Pondé. O cabotinismo funesto do moço é parte desse molde.

No artigo em que carrega a mão contra Lula e Bolsonaro, só tem um motivo, fazer campanha para Bolsonaro, como fez Vera Magalhães em 2018, com seu artigo “Uma escolha difícil”.

Pondé mostrou que é incapaz de uma atitude própria e apenas “ressignificou” o solapão da colega.

Seja como for, esse artigo decalcado do Estadão, só mostra a que vem a Folha e quem ela vai apoiar fingindo paridade de armas.

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: