11 de agosto de 2022
  • 20:09 Presidente do BC desmascara Bolsonaro: ‘não é verdade’ que bancos perdem dinheiro com Pix
  • 19:20 Vídeo: Arthur Lira mostrando como funciona e para quem funciona o orçamento secreto, tirado do suor do povo na compra de apoio
  • 17:16 TCU apura gastos irregulares de R$ 100 milhões em hospital federal do Rio sob influência de Flávio Bolsonaro
  • 16:47 Por unanimidade, Conselho de Ética aprova pedido de cassação do bolsonarista Gabriel Monteiro
  • 14:15 Celso de Mello: “obscurantismo retrógrado de um ditador travestido de político”

Estamos enfandados de dizer que Bolsonaro nunca foi de centro-direita, direita, extrema-direita para ficar desfilando como estrela dos conservadores que muita gente diz ser, mas sequer sabe o que é. Por isso essas pessoas apoiam o que Bolsonaro é de verdade, um macaco velho que, se não tem qualquer habilidade política, sabe como poucos açambarcar para seu clã.

O que vemos é a farra das velas em que pastores lobistas, muitos que vivem metendo a mão na cumbuca de seus fiéis, metidos até os galões na corrupção do Ministério da Educação.

O troço foi tão barra pesada que os pastores meteram a cara na cena do crime, chegando a exibir barras de ouro em um restaurante de hotel, desfilando como imperadores do ouro em carro alegórico em Brasília, sem jamais se ouvir um resmungo da estrela máxima palaciana.

Ao contrário disso, iluminava a imagem sacrossanta do vigarista preso com a boca na botija, seu ministro, Milton Ribeiro.

Ou seja, Bolsonaro governou até aqui ao sabor de sua cultura, e que com gosto. Deitou o cabelo diante dos olhos da sociedade, com saudáveis gargalhadas no mesmo momento em que aponta o dedo para seus oponentes políticos.

Lógico que se lambuzou das alegorias rezadeiras, vide atitudes exageradas de Michelle durante longos e enfadonhos minutos declamando em nome de Deus, com aquela clássica hipocrisia.

Nem os bolsonaristas, com todo esforço que fizeram, gostaram daquilo, daquela cara espremida com intermináveis adjetivos religiosos para tentar angariar simpatias para uma crescente rejeição feminina que as brutalidades militarescas de Bolsonaro lhe pregaram na testa.

Agora que sente que não tem como reproduzir 1964 em 2022, o chefe da família Bolsonaro e do magote da tropa palaciana, arregaçou as mangas para tentar bordar uma saída que não seja dar nas canelas depois de perder a eleição e se encontrar num campo deserto sem que os que hoje lhe salvam possam fazer alguma coisa para ele escapar das unhas da onça.

Então, surge a ideia que impediria a sua prisão imediata, mas apenas a sua, não a dos filhos, que lhe daria foro privilegiado a partir de um cargo de senador vitalício já em curso por aliados do Centrão.

Estamos falando do chefe da “nova política”, o mesmo que fez contraponto com aquele general caduco que cantou, de maneira desafinadíssima, “se gritar pega Centrão, não fica um, meu irmão”.

Esse mesmo sujeito hoje depende do próprio Centrão para não ter o dissabor de ver sua cabeça guilhotinada pela justiça. Justo ele que comemora cada chacina praticada pelo Estado contra moradores de favelas, independente de serem criminosos.

O que Bolsonaro comemora é o massacre das Forças de Segurança a negros e pobres que, para ele, nem deveriam existir.

Um sujeito com esse grau de letalidade, não tem como sair do governo pela porta da frente, não sem estar algemado como um serial killer, já que é responsável mortes de centenas de milhares de brasileiros por covid, e que foi anistiado pelo seu Protetor Geral da República.

Como dizem por aí, o PGR é o anjo da guarda do cramunhão.

Trocando em miúdos, essa história da criação de um cargo de senador vitalício para proteger um marginal é, sem sobra de dúvida, primeiro, uma confissão explícita de crimes, ao mesmo passo em que ensina a malandragem brasileira, sobretudo as raposas da política que hoje o assessoram.

Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica Agência: 0197

Operação: 1288

Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768 – CPF

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Carlos Henrique Machado

Compositor, bandolinista e pesquisador da música brasileira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: