Categorias
Mundo

Putin rompe silêncio, envia condolências a família do líder do grupo Wagner e diz que vai investigar queda de avião

Presidente russo fala sobre caso quase 24 horas depois de aeronave cuja lista de passageiros tinha o nome de Yevgeny Prigozhin. Antigo aliado do líder russo, Prigozhin liderou rebelião contra seu governo. Morte ainda não foi confirmada.

Quase 24 horas após a queda de um avião em Moscou cuja lista de passageiros tinha o nome do líder do grupo Wagner, Yevgeny Prigozohin, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, rompeu o silêncio sobre o caso.

Em discurso transmitido pelas TVs do país, Putin, antigo aliado de Prigozhin, enviou condolências a família do líder do grupo de mercenários. A morte, no entanto, não havia sido confirmada por nenhuma autoridade de forma oficial até a última atualização desta notícia.

Na quarta-feira (23), após a notícia de que um avião de passageiros de pequeno porte havia caído nos arredores de Moscou, a imprensa local divulgou que Prigozhin estava na aeronave. Mais tarde, a agência civil de aviação russa confirmou que o líder do grupo Wagner figurava na lista de passageiros e chegou a embarcar.

“(Prigozhin) era uma pessoa com um destino complicado, e cometeu erros graves na vida, mas também procurou alcançar os resultados necessários – tanto para si como no momento em que lhe pedi, pela causa comum, como nestes últimos meses”, declarou o presidente russo.

Sobre a causa ainda desconhecida da queda do avião, Vladimir Putin disse que “é preciso esperar o que dirão os investigadores do caso” e afirmou não ter pressa para solucioná-lo.

Sem mencionar o rompimento recente entre os dois, Putin chamou Prigozhin de um “empresário talentoso” e disse conhecê-lo desde os anos 1990.

Os dois eram fortes aliados, mas romperam após o mercenário liderar uma rebelião contra o governo russo em protesto pela falta de envio de equipamentos e armas a tropas do grupo Wagner que lutam na Ucrânia ao lado da Rússia.

Em discurso após o motim do grupo Wagner, que aconteceu em junho e durou cerca de 24 horas, Putin chegou a chamar seu antigo amigo de um traidor.

A família de Prigozhin também não havia se pronunciado até a última atualização desta notícia.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor

PIX: 45013993768

Agradecemos o seu apoio

Categorias
Mundo

Prigozhin, líder do grupo Wagner, morre em queda de avião na Rússia

A Rússia afirma que dez pessoas morreram depois que um jato executivo teve um acidente na região de Tver, no norte e Moscou, nesta quarta-feira (23). As informações são da agência Tass, que é ligada ao governo. O líder do Grupo Wagner, Evgeny Prigozhin, está entre os mortos, ainda de acordo com a Tass, segundo o G1.

A aeronave é fabricada pela Embraer, e fazia um voo de Moscou a São Petesburgo. Havia sete passageiros e três funcionários.

A agência Tass afirmou que o nome de Evgeny Prigozhin estava na lista de passageiros — a informação foi atribuída à agência de avião civil russa.

Prigozhin era o líder do Grupo Wagner, um exército de mercenários que foi empregado em diversas guerras, inclusive na atual invasão do território ucraniano pela Rússia. O grupo foi dissolvido depois de uma tentativa de um golpe na Rússia.

Com informações do g1.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor

PIX: 45013993768

Agradecemos o seu apoio

Categorias
Mundo

‘Processo criminal contra Prigozhin será encerrado e ele mudará para Belarus’, diz Kremlin

De acordo com o porta-voz presidencial, Dmitry Peskov, os combatentes do Grupo Wagner que participaram dos eventos de hoje (24) não serão processados.

Sputnik – Depois que Yevgeny Prigozhin, chefe do Grupo Wagner, aceitou cessar o motim iniciado ontem (23), o Kremlin informou neste sábado (24) que o processo criminal aberto contra Prigozhin será encerrado e que o líder do grupo vai se mudar para Belarus.

De acordo com o porta-voz presidencial, Dmitry Peskov, os combatentes do Grupo Wagner que participaram dos eventos de hoje (24) não serão processados. .Ao mesmo tempo, Peskov informou que os combatentes que quiserem poderão fechar contrato com o Ministério da Defesa russo.

O porta-voz também falou da mediação feita pelo lado belarusso, através do presidente Aleksandr Lukashenko. Ele disse que tanto Lukashenko quanto o presidente Vladimir Putin decidiram que Minsk será um mediador para chegar a acordos, e que a iniciativa partiu pessoalmente do chefe de Estado belarusso.

“O objetivo final era evitar derramamento de sangue e confronto interno, e os esforços de Lukashenko foram direcionados em nome desses objetivos”, afirmou Peskov.

O porta-voz informou que o ocorrido em nada mudará a operação russa na Ucrânia, a qual continuará normalmente.

Por fim, Peskov afirmou que “nenhum novo discurso de Putin é esperado em um futuro próximo”.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor

Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação e reflexão de qualidade e independência.

Caixa Econômica Agência: 0197
Operação: 1288
Poupança: 772850953-6
PIX: 45013993768 – CPF

Agradecemos imensamente a sua contribuição